Andrew Wakefield

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Andrew Wakefield
Conhecido(a) por Controvérsia sobre o papel das vacinas no autismo
Nascimento 1957 (60–61 anos)
Eton (Berkshire), Berkshire, Inglaterra
Residência Austin, Texas, EUA
Nacionalidade Reino Unido britânico
Alma mater St Mary's Hospital Medical School, Londres
Ocupação ex-médico cirurgião gastroenterologista e pesquisador

Andrew Jeremy Wakefield (nascido em 1957)[1][2] é um ex-pesquisador e ex-cirurgião britânico que esteve na origem da controvérsia sobre o papel das vacinas no autismo. Em 1998, ele publicou um artigo fraudulento intitulado MMR vaccination and autism na revista The Lancet, no qual estabelecia uma suposta relação entre a vacina tríplice e o autismo.[3][4][5][6][7][8]

Diversas pesquisas foram conduzidas para comprovar ou não a tese, e não houve evidências comprovando essa hipótese nos novos estudos. Em 2010, o Conselho Médico Geral britânico considerou que Wakefield agiu de maneira antiética e desonesta ao vincular a vacina tríplice ao autismo.[9] Ainda de acordo com o Conselho Médico Geral britânico, a sua conduta trouxe má reputação à profissão médica depois que ele coletou amostras de sangue de jovens na festa de aniversário de seu filho pagando-lhes £5.

Considera-se que o sarampo tenha ressurgido no Reino Unido devido ao receio dos pais em aplicarem a vacina trípice em seus filhos: as taxas de vacinação nunca mais voltaram a subir e surtos da doença tornaram-se comuns depois da publicação do artigo.[10]

Ele teve sua licença médica cassada no Reino Unido por acusações de fraude de evidências em sua pesquisa sobre a relação de vacinas e autismo.[11]


Referências

  1. «Profile: Dr Andrew Wakefield» (em inglês). BBC. 27 de janeiro de 2010. Consultado em 9 de janeiro de 2011. 
  2. Smith, Rebecca (29 de janeiro de 2010). «Andrew Wakefield – the man behind the MMR controversy». The Daily Telegraph. London. Consultado em 19 de fevereiro de 2010. 
  3. Godlee F, Smith J, Marcovitch H (2011). «Wakefield's article linking MMR vaccine and autism was fraudulent». BMJ. 342: c7452. PMID 21209060. doi:10.1136/bmj.c7452 
  4. Fang FC; Steen RG; Casadevall A (outubro de 2012). «Misconduct accounts for the majority of retracted scientific publications». Proceedings of the National Academy of Sciences. 109: 17028–17033. PMC 3479492Acessível livremente. PMID 23027971. doi:10.1073/pnas.1212247109 
  5. "Great Science Frauds". Time Magazine, 13 January 2012
  6. «GMC LRMP». Consultado em 31 de maio de 2014. 
  7. «briandeer.com» (pdf). Consultado em 31 de maio de 2014. 
  8. Andrew J Wakefield. «MMR vaccination and autism». The Lancet. 354 (9182). 11 de setembro de 1999. pp. 949 – 950. doi:10.1016/S0140-6736(05)75696-8. Consultado em 31 de maio de 2010. 
  9. «Médico britânico que ligou vacina a autismo perde registro profissional» (em português). G1. 24 de maio de 2010. Consultado em 9 de janeiro de 2011. 
  10. «Artigo que associa vacina a autismo é condenado». Estadão. 3 de fevereiro de 2010. Consultado em 31 de maio de 2010. 
  11. Park, Alice. «Doctor behind vaccine-autism link loses license». Time (em inglês). ISSN 0040-781X 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.