Androção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Androção
Pseudônimo(s) Androtion
Nascimento c. 410 a.C.
Morte Século IV a.C.
Nacionalidade grego
Cidadania Atenas
Ocupação orador

Androção (em grego clássico: Ἀνδροτίων, genitivo: Ἀνδροτίωνος; c. 410 a. C. — 340 a. C.)[1] foi um orador e atidógrafo grego, e uma das lideranças políticas de seu tempo, foi discípulo de Isócrates e contemporâneo de Demóstenes.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele é conhecido principalmente através do discurso de Demóstenes, no qual foi acusado de ilegalidade em propor a honra usual de uma coroa para o Conselho dos Quinhentos, no término de seu mandato. Androção ocupou vários cargos importantes, e durante a Guerra Social foi nomeado comissário extraordinário para recuperar certos impostos atrasados. Demóstenes e Aristóteles falam favoravelmente de suas qualidades como orador.[2] Segundo María Cruz Herrero Ingelmo, "se opôs a Demóstenes na questão de uma aliança contra a Macedônia e foi favorável em combinar uma política externa moderadamente conservadora com uma enérgica política externa contra a Pérsia".[1]

É dito que Androção foi mandado para o exílio em Mégara, e de ter composto um Atthis em oito livros, anais de Ática desde os primeiros anos até sua época.[3] Discute-se se o cronista e orador são a mesma pessoa, uma vez que um Androção que escreveu sobre a agricultura é certamente outra pessoa. O professor Gaetano De Sanctis atribui a Androção, o atidógrafo, um fragmento histórico do século IV,[4] descoberto por B. P. Grenfell e A. S. Hunt.[5] Fortes argumentos contra essa visão são defendidos por E. M. Walker no Classical Review de maio de 1908. Parte de suas obras foram publicadas por Müller em sua obra Fragmente der griechischen Historiker (1841).

Notas

  1. a b Pausânias (1994). Descripción de Grecia, tomo II, introd, trad, y notas de María Cruz Herrero Ingelmo, Editorial Gredos:Madrid, p. 317, nota 52. ISBN 978-84-249-1656-5
  2. Aristóteles, Retórica III.4
  3. Pausânias, Descrição da Grécia VI.7.6-7, X.8
  4. Gaetano De Sanctis. L'Attide di Androzione e un papiro di Oxyrhynchos, Turim, 1908
  5. Papiros de Oxirrinco, vol. V

Referências

  • Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  • Wikisource-logo.svg Vários autores (1911). «Androtion». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  • Eduard Schwartz: Androtion. Em: Paulys Realencyclopädie der classischen Altertumswissenschaft (RE). vol 1,2, Stuttgart 1894, p. 2173–2175.
  • Franz Kiechle: Androtion. Em: Der Kleine Pauly (KlP). vol 1, Stuttgart 1964, p. 351.