Evolução do PIB do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2017).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde dezembro de 2016).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e dire(c)ta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Compreende-se por Produto Interno Bruto (PIB) como a soma (em valores monetários) de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região. Este artigo demonstra a evolução do PIB brasileiro de 1962 a 2016 (incluindo informações adicionais).

Evolução do PIB brasileiro de 1995 a 2014
Crescimento do PIB trimestralmente Ano Câmbio (USDBRL) PIB (nominal) PIB (USD) Tamanho do crescimento (real) Posição na economia mundial Dívida pública bruta (em % do PIB) PIB per capita (USD) Inflação (IPCA) Presidente
4º tri. (1 mar 18)[1] 2017 Mínimo:

R$ 3,06[2]

Máximo:

R$ 3,28[3]

Não disponível US$ 1,954 trilhões[4](estimativa) 0,2%[5]

(estimativa)

8° (estimativa) Não disponível US$

9.408,51[6]

(estimativa)

4,76%[7] (fevereiro); acumulado

0,71%

Michel Miguel Elias Temer Lulia
3º tri. (1 dez 17)[8]
2º tri. (1 set 17)[9]
1º tri. (1 jun 17)[10]
4º trimestre: ⇩0,9% 2016 Mínimo:

R$ 3,11[11]

Fechamento:

R$ 3,25[12]

Máximo:

R$ 4,16[13]

R$ 6,266[14] trilhões US$ 1,769 trilhões[15](estimativa) ⇩ 3,6%[16] 9° (estimativa) 69,49%[17] US$ 8.586,55[18](estimativa) 6,29%[19] Michel Temer desde 31 de agosto de 2016;

Dilma Rousseff até 31 de agosto de 2016

3º trimestre: ⇩0,7%
2º trimestre: ⇩0,3%
1º trimestre: ⇩0,6%
4º trimestre: ⇩1,2% 2015 Mínimo:

R$ 2,57[20]

Fechamento:

R$ 3,96[21]

Máximo:

R$ 4,18[22]

R$ 5,904 trilhões [23] US$ 1,772 trilhões[24] ⇩ 3,8%[25] [26] 65,45%[27] US$ 11.159,25 10,67%[28] Dilma Vana Rousseff
3º trimestre: ⇩1,5%
2º trimestre: ⇩2,2%
1º trimestre: ⇩1,0%
4º trimestre: 0,2% 2014 Mínimo:

R$ 2,19[29]

Fechamento:

R$ 2,66[30]

Máximo:

R$ 2,74[31]

R$ 5,521 trilhões[32] US$ 2,416 trilhões 0,5%[33][34][35] [36] 56,28%[37] US$ 11.705,43 6,41%[38] Dilma Vana Rousseff
3º trimestre: 0,0%
2º trimestre: ⇩1,2%
1º trimestre: 0,6%
4º trimestre: 0,1% 2013 Mínimo:

R$ 1,94

Fechamento:

R$ 2,36

Máximo:

R$ 2,44

R$ 5,316 trilhões US$ 2,465 trilhões 3% 51,54%[39] US$ 11.797,44 5,91% Dilma Vana Rousseff
3º trimestre: 0,3%
2º trimestre: 2,2%
1º trimestre: 0,0%
4º trimestre: 0,4% 2012 Mínimo:

R$ 1,69

Fechamento:

R$ 2,05

Máximo:

R$ 2,13

R$ 4,806 trilhões US$ 2,460 trilhões 1,9% [40] 53,67%[41] US$ 11.557,26 5,84% Dilma Vana Rousseff
3º trimestre: 1,5%
2º trimestre: 0,6%
1º trimestre: 0,1%
4º trimestre: 0,4% 2011 Mínimo:

R$ 1,53

Fechamento:

R$ 1,86

Máximo:

R$ 1,90

R$ 4,375 trilhões[32][34] US$ 2,614 trilhões 4%[33][34][42] 51,27%[43] US$ 11.446,60 6,50% Dilma Vana Rousseff
3º trimestre: 0,0%
2º trimestre: 1,0%
1º trimestre: 1,3%
4º trimestre: 1,3% 2010 Mínimo:

R$ 1,64

Fechamento:

R$ 1,66

Máximo:

R$ 1,88

R$ 3,887 trilhões[32][34][44] US$ 2,208 trilhões 7,5%[33][45] 51,77%[46] US$ 11.121,42 5,91% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 1,0%
2º trimestre: 1,5%
1º trimestre: 1,9%
4º trimestre: 2,4% 2009 Mínimo:

R$ 1,70

Fechamento:

R$ 1,74

Máximo:

R$ 2,44

R$ 3,328 trilhões[32][34][47] US$ 1,667 trilhões ⇩ 0,1%[33][34] 59,21%[48] US$ 10.443,31 4,31% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 2,5%
2º trimestre: 2,1%
1º trimestre: ⇩1,7%
4º trimestre: ⇩3,8% 2008 Mínimo:

R$ 1,56

Fechamento:

R$ 2,31

Máximo:

R$ 2,50

R$ 3,108 trilhões[32][34][49] US$ 1,695 trilhões 5,1%[33][50] 55,98%[51] US$ 10.560,21 5,90% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 1,4%
2º trimestre: 1,9%
1º trimestre: 1,6%
4º trimestre: 1,9% 2007 Mínimo:

R$ 1,73

Fechamento:

R$ 1,77

Máximo:

R$ 2,15

R$ 2,718 trilhões[32][52] US$ 1,397 trilhões 6,1%[33][53] 10° 56,72%[54] US$ 10.151,84 4,45% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 0,9%
2º trimestre: 1,7%
1º trimestre: 2,0%
4º trimestre: 1,2% 2006 Mínimo:

R$ 2,05

Fechamento:

R$ 2,13

Máximo:

R$ 2,40

R$ 2,410 trilhões[32][55] US$ 1,107 trilhões 4%[33][56] 10° 55,48%[57] US$ 9.675,38 3,14% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 1,5%
2º trimestre: 0,4%
1º trimestre: 1,6%
4º trimestre: 1,0% 2005 Mínimo:

R$ 2,16

Fechamento:

R$ 2,32

Máximo:

R$ 2,73

R$ 2,172 trilhões[32][58] US$ 891,63 bilhões 3,2%[33][59] 10° Não disponível US$ 9.416,36 5,69% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: ⇩0,8%
2º trimestre: 2,3%
1º trimestre: ⇩0,3%
4º trimestre: 0,9% 2004 Mínimo:

R$ 2,65

Fechamento:

R$ 2,65

Máximo:

R$ 3,20

R$ 1,959 trilhão[32][60] US$ 669,32 bilhões 5,8%[33][61] 13° Não disponível US$ 9.240,04 7,60% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 1,4%
2º trimestre: 2,0%
1º trimestre: 1,9%
4º trimestre: 1,2% 2003 Mínimo:

R$ 2,82

Fechamento:

R$ 2,88

Máximo:

R$ 3,66

R$ 1,720 trilhão[32][62] US$ 558,32 bilhões 1,1%[33][63] 15°[64] Não disponível US$ 8.855,15 9,30% Luiz Inácio Lula da Silva
3º trimestre: 1,0%
2º trimestre: ⇩0,3%
1º trimestre: ⇩1,2%
4º trimestre: 1,1% 2002 Mínimo:

R$ 2,27

Fechamento:

R$ 3,53

Máximo:

R$ 3,95

R$ 1,491 trilhão[32][65] US$ 507,96 bilhões 3%[33][66] 13° Não disponível US$ 8.880,16 12,53% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: 1,2%
2º trimestre: 1,5%
1º trimestre: 1,3%
4º trimestre: 0,2% 2001 Mínimo:

R$ 1,93

Fechamento:

R$ 2,32

Máximo:

R$ 2,80

R$ 1,316 trilhão[32][67] US$ 559,37 bilhões 1,6%[33][68] 11° Não disponível US$ 8.743,90 7,67% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: ⇩0,6%
2º trimestre: ⇩0,4%
1º trimestre: 0,4%
4º trimestre: 1,3% 2000 Mínimo:

R$ 1,72

Fechamento:

R$ 1,95

Máximo:

R$ 1,98

R$ 1,202 trilhão[32][69] US$ 655,42 bilhões 4,1%[33][70] 10° Não disponível US$ 8.730,14 5,97% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: 1,1%
2º trimestre: 0,5%
1º trimestre: 1,7%
4º trimestre: 1,5% 1999 Mínimo:

R$ 1,20

Fechamento:

R$ 1,78

Máximo:

R$ 2,16

R$ 1,092 trilhão[32][71] US$ 599,39 bilhões 0,5%[33][72] 10° Não disponível US$ 8.512,82 8,94% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: 0,3%
2º trimestre: 0,6%
1º trimestre: ⇩0,2%
4º trimestre: ⇩1,1% 1998 Mínimo:

R$ 1,11

Fechamento:

R$ 1,20

Máximo:

R$ 1,20

R$ 1,006 trilhão[32][73] US$ 863,72 bilhões 0,3%[33][74] Não disponível US$ 8.604,09 1,66% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: 0,2%
2º trimestre: 1,6%
1º trimestre: ⇩2,0%
4º trimestre: 0,8% 1997 Mínimo:

R$ 1,03

Fechamento:

R$ 1,11

Máximo:

R$ 1,11

R$ 955,5 bilhões[32][75] US$ 883,2 bilhões 3,4%[33] Não disponível US$ 8.709,02 5,22% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: 1,1%
2º trimestre: 1,0%
1º trimestre: 0,8%
4º trimestre: ⇩1,1% 1996 Mínimo:

R$ 0,97

Fechamento:

R$ 1,03

Máximo:

R$ 1,04

R$ 857,9 bilhões[32][76] US$ 850,43 bilhões 2,2%[33][77] Não disponível US$ 8.555,07 9,56% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: 4,0%
2º trimestre: 0,3%
1º trimestre: 0,1%
4º trimestre: N/D 1995 Mínimo:

R$ 0,83

Fechamento:

R$ 0,97

Máximo:

R$ 0,97

R$ 705,6 bilhões[78] US$ 785,64 bilhões 4,4% Não disponível US$ 8.501,34 22,41% Fernando Henrique Cardoso
3º trimestre: N/D
2º trimestre: N/D
1º trimestre: N/D

* Nota: Ao dividir o PIB de um ano pelo ano anterior não resulta o valor do crescimento. Isto se deve a diferença entre o PIB nominal e o PIB real que desconta a inflação. O tamanho do crescimento é medido pelo PIB real que desconta a inflação.

Assim, apesar de haver, em vários anos, um crescimento do PIB real muito baixo, o PIB nominal ainda cresceu bastante devido à inflação alta, que aumenta o valor nominal dos preços. Desta forma, considerar apenas o PIB nominal para avaliar a saúde de uma economia inclui distorções.

Em março de 2015, o IBGE revisou a série histórica do PIB desde 1995, adotando nova metodologia de cálculo, aprimorando a medição. Com isso, as taxas de crescimento ou retração de anos anteriores sofreram modificações.[79]

PIB em valores correntes e atualizados e em dólares correntes desde 1962[editar | editar código-fonte]

Evolução do PIB brasileiro em milhões de dólares (1962-2014)
Ano PIB em R$ correntes PIB em R$ de 2014 PIB US$ milhões correntes
2014 5.521.256.074.049,36[78] 5.521.256.074.049,36[80] 2.345.378,73[81]
2013 5.157.568.999.999,99[78] 5.513.184.283.642,93[80] 2.387.873,98[81]
2012 4.713.095.979.500,00[78] 5.366.041.805.765,59[80] 2.411.530,89[81]
2011 4.374.765.000.000,00[78] 5.273.049.150.163,67[80] 2.613.516,34[81]
2010 3.886.835.000.000,00[78] 5.074.363.774.005,85[80] 2.210.312,77[81]
2009 3.328.173.595.670,00[78] 4.717.238.663.550,67[80] 1.670.182,97[81]
2008 3.107.530.777.000,00[78] 4.728.319.780.411,54[80] 1.691.909,83[81]
2007 2.718.031.637.470,00[78] 4.502.390.103.102,08[80] 1.395.651,68[81]
2006 2.409.802.753.950,00[78] 4.247.298.925.433,15[80] 1.107.293,46[81]
2005 2.171.735.600.840,00[78] 4.083.929.947.789,85[80] 892.506,31[81]
2004 1.958.705.300.290,00[78] 3.959.246.924.486,30[80] 669.665,73[81]
2003 1.720.069.281.000,00[78] 3.747.165.458.153,57[80] 560.155,43[81]
2002 1.491.183.210.450,00[78] 3.701.872.785.631,24[80] 508.918,88[81]
2001 1.316.318.050.810,00[78] 3.591.393.873.639,52[80] 559.801,84[81]
2000 1.202.377.215.770,00[78] 3.546.144.863.607,69[80] 657.503,81[81]
1999 1.092.275.943.849,00[78] 3.397.271.556.309,45[80] 601.804,93[81]
1998 1.005.985.509.838,00[78] 3.380.725.962.790,96[80] 867.004,66[81]
1997 955.464.313.587,00[78] 3.368.757.330.795,50[80] 886.412,76[81]
1996 857.857.415.532,00[78] 3.258.324.326.399,87[80] 854.099,38[81]
1995 705.640.892.091,87[78] 3.130.367.661.398,26[80] 770.350,32[81]
1994 349.204.679.181,00[78] 3.003.597.253.789,12[80] 543.086,59[81]
1993 14.097.114.181,82[78] 2.837.520.773.871,09[80] 429.685,27[81]
1992 640.958.767,64[78] 2.704.338.429.055,98[80] 387.294,94[81]
1991 60.285.999,27[78] 2.719.119.012.150,31[80] 405.679,23[81]
1990 11.548.794,55[78] 2.691.357.995.774,93[80] 469.317,52[81]
1989 425.595,31[78] 2.813.756.399.137,41[80] 415.915,80[81]
1988 29.375,63[78] 2.727.565.334.565,15[80] 305.706,64[81]
1987 4.037,81[78] 2.729.202.856.278,92[80] 282.356,86[81]
1986 1.273,68[78] 2.636.146.871.707,64[80] 257.811,78[81]
1985 475,53[78] 2.452.457.783.707,91[80] 211.092,10[81]
1984 126,50[78] 2.273.952.511.551,15[80] 189.743,70[81]
1983 39,78[78] 2.157.450.200.712,66[80] 189.459,23[81]
1982 17,70[78] 2.222.571.547.040,96[80] 271.251,68[81]
1981 8,73[78] 2.204.276.055.778,01[80] 258.553,47[81]
1980 4,55[78] 2.302.115.985.146,74[80] 237.772,06[81]
1979 2,17[78] 2.107.585.814.471,06[80] 223.476,50[81]
1978 1,32[78] 1.974.134.333.524,79[80] 201.204,01[81]
1977 0,91[78] 1.880.665.269.624,45[80] 177.246,91[81]
1976 0,59[78] 1.792.304.650.361,62[80] 153.958,62[81]
1975 0,38[78] 1.625.525.712.281,54[80] 129.890,83[81]
1974 0,27[78] 1.545.617.297.976,17[80] 110.390,51[81]
1973 0,19[78] 1.429.142.208.022,35[80] 84.086,40[81]
1972 0,13[78] 1.253.963.506.205,45[80] 58.752,50[81]
1971 0,09[78] 1.120.210.386.104,56[80] 49.161,78[81]
1970 0,07[78] 1.006.116.746.995,30[80] 42.575,59[81]
1969 0,06[78] 911.337.633.147,91[80] 37.391,70[81]
1968 0,04[78] 832.271.811.093,99[80] 34.134,85[81]
1967 0,03[78] 757.988.898.992,70[80] 31.262,46[81]
1966 0,02[78] 727.436.563.332,73[80] 28.540,00[81]
1965 0,02[78] 681.758.728.521,77[80] 22.765,21[81]
1964 0,01[78] 665.780.008.322,04[80] 21.664,46[81]
1963 0[78] 643.887.822.361,74[80] 24.014,36[81]
1962 0[78] 640.047.537.138,91[80] 19.967,84[81]

Referências

  1. «IBGE :: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística». www.ibge.gov.br. Consultado em 9 de março de 2017 
  2. «Câmbio R$ 3,057 - 15 fev 2017.» 
  3. «Câmbio R$ 3,285 - 02 jan 2017.» 
  4. Brasil voltará a ter o oitavo maior PIB global em 2017, prevê FMI Folha de S.Paulo, 5/10/2016
  5. «IMF World Economic Outlook (WEO) Update, January 2017: A Shifting Global Economic Landscape». www.imf.org. Consultado em 8 de março de 2017 
  6. «Report for Selected Countries and Subjects». www.imf.org (em inglês). Consultado em 8 de março de 2017 
  7. «Inflação oficial desacelera e é a mais baixa para fevereiro desde 2000». G1 
  8. «IBGE :: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística». www.ibge.gov.br. Consultado em 9 de março de 2017 
  9. «IBGE :: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística». www.ibge.gov.br. Consultado em 9 de março de 2017 
  10. «IBGE :: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística». www.ibge.gov.br. Consultado em 9 de março de 2017 
  11. «Câmbio R$ 3,113 - 25 out 2016.» 
  12. «Câmbio R$ 3,254 - 31 dez 2016.» 
  13. «Câmbio R$ 4,157 - 21 jan 2016.» 
  14. «PIB recua 3,6% em 2016, e Brasil  tem pior recessão da história». G1 
  15. «Report for Selected Countries and Subjects». www.imf.org (em inglês). Consultado em 8 de março de 2017 
  16. «PIB recua 3,6% em 2016, e Brasil  tem pior recessão da história». G1 
  17. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  18. «Report for Selected Countries and Subjects». www.imf.org (em inglês). Consultado em 8 de março de 2017 
  19. «Inflação oficial fecha 2016 em 6,29%, diz IBGE». G1 
  20. «Câmbio R$ 2,573 - 27 jan 2015.» 
  21. «Câmbio R$ 3,961 - 31 dez 2015.» 
  22. «Câmbio R$ 4,177 - 23 set 2015.» 
  23. IBGE: PIB fecha 2015 com queda de 3,8% Agência Brasil, 3/3/2016
  24. «Lista de países por PIB nominal». Wikipédia, a enciclopédia livre. 29 de dezembro de 2016 
  25. «PIB do Brasil cai 3,8% em 2015 e tem pior resultado em 25 anos». Economia. 3 de março de 2016 
  26. «Lista de países por PIB nominal». Wikipédia, a enciclopédia livre. 29 de dezembro de 2016 
  27. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  28. «Inflação oficial fica em 10,67% em 2015, a maior desde 2002». Economia. 8 de janeiro de 2016 
  29. «Câmbio R$ 2,190 - 10 abr 2014.» 
  30. «Câmbio R$ 2,658 - 31 dez 2014.» 
  31. «Câmbio R$ 2,738 - 16 dez 2014.» 
  32. a b c d e f g h i j k l m n o p q IBGE, Planilha "Tab_Compl_CNT_4T14.xls" (aba "Valores Correntes", coluna R ("PIB"), soma dos 4 trimestres de cada ano). Acesso em 28/03/2015.
  33. a b c d e f g h i j k l m n o p q IBGE, Planilha "Tab_Compl_CNT_4T14.xls" (aba "Tx. Acumulada ao Longo do Ano", coluna R ("PIB"), valor do quarto trimestre de cada ano). Acesso em 28/03/2015.
  34. a b c d e f g Produto Interno Bruto e taxas médias de crescimento - Banco Central do Brasil (21/01/2015 - valores antes da revisão de março de 2015)
  35. PIB de 2013 é revisado de crescimento de 2,3% para alta de 2,5% Valor Econômico, 30/5/2014
  36. «Lista de países por PIB nominal». Wikipédia, a enciclopédia livre. 29 de dezembro de 2016 
  37. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  38. «Inflação fecha 2014 em 6,41%, abaixo do teto da meta». Economia. 9 de janeiro de 2015 
  39. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  40. PIB de 2012 confirma queda do Brasil no ranking das maiores economias Veja.com, 1/3/2013
  41. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  42. Economia brasileira cresce 2,7% em 2011, mostra IBGE G1 Economia, 6/3/2012
  43. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  44. PIB brasileiro fecha 2010 com crescimento de 7,5%, maior desde 1986, aponta IBGE O Globo, 3/3/2011
  45. Economia brasileira cresce 7,5% em 2010, mostra IBGE G1 Economia, 4/3/2011
  46. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  47. PIB do Brasil fecha 2009 com retração de 0,2%, a primeira queda anual em 17 anosEstadão Economia & Negócios, 11/3/2010
  48. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  49. IBGE revisa PIB 2008 e aponta crescimento de 5,2% Portal Brasil, 28/7/2014
  50. IBGE revisa PIB de 2008 e eleva crescimento para 5,2% Folha de S.Paulo, 5/11/2010
  51. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  52. PIB brasileiro cresceu 6,1% em 2007, mostra IBGE O Globo, 4/11/2009
  53. Economia brasileira cresce 5,4% em 2007, aponta IBGE UOL Economia, 12/3/2008
  54. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  55. IBGE revisou para cima valor do PIB de 2006 Veja.com, 5/11/2008
  56. Economia do Brasil cresce 2,9% em 2006 G1 Economia e Negócios, 28/2/2007
  57. «Brasil - Dívida Pública % PIB». pt.tradingeconomics.com. Consultado em 11 de março de 2017 
  58. Novo cálculo faz valor do PIB de 2005 ser 10,9% maior, indica o IBGE UOL Economia, 21/3/2007
  59. IBGE revela que economia brasileira fechou 2005 com crescimento de 2,3% Agência Brasil, 24/2/2008
  60. PIB brasileiro somou R$ 1,769 trilhão em 2004, diz IBGE Folha de S.Paulo, 31/3/2005
  61. PIB cresce 5,2% em 2004, o melhor desempenho desde 1994, diz IBGE Folha de S.Paulo, 1/3/2005
  62. IBGE [ligação inativa]
  63. PIB tem a primeira queda desde 92 Folha de S.Paulo, 28/2/2004
  64. Em dólar, PIB do Brasil cai da 12ª para a 15ª colocação Folha de S.Paulo, 1/4/2004
  65. PIB brasileiro somou R$ 1,32 trilhão em 2002 Agência Brasil, 27/3/2003
  66. PIB brasileiro entre 2002 e 2005 sofre revisão para cima UOL, 21/3/2007
  67. PIB brasileiro somou R$ 1,184 tri em 2001 28/3/2002
  68. IBGE anuncia crescimento do PIB em 2001 Agência Brasil, 11/12/2002
  69. PIB do Brasil cresce 4,46% em 2000 e atinge R$1,089 tri março/2001
  70. PIB de 2000 cresce 4,2%, acima das previsões 15/2/2001
  71. A economia brasileira Banco Central do Brasil
  72. PIB de 1996 e 1999 são revisados para baixo G1, 21/3/2007
  73. PIB 1996-2006 Seplan
  74. Evolução do PIB 1970-2014
  75. Boletim do Banco Central do Brasil - Relatório 1997 Banco Central do Brasil
  76. Boletim do Banco Central do Brasil - Relatório 1996 Banco Central do Brasil
  77. Déficit de crescimento econômico Folha de S.Paulo, 9/3/1997
  78. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb Sistema Gerador de Séries Temporais - Série 1207 (Produto interno bruto em R$ correntes). Banco Central do Brasil. Acesso em 11/04/2015.
  79. Entenda o novo cálculo que aprimora e muda o tamanho do PIB. G1 (27/03/2015). Acesso em 28/03/2015.
  80. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba Sistema Gerador de Séries Temporais - Série 1208 (Produto interno bruto em R$ do último ano). Banco Central do Brasil. Acesso em 11/04/2015.
  81. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba Sistema Gerador de Séries Temporais - Série 7324 (Produto interno bruto em US$ milhões correntes). Banco Central do Brasil. Acesso em 11/04/2015.