Lista de governadores da Judeia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

De um modo geral, não havia grande distinção entre os poderes de que dispunham os governadores da Judeia, chamados de prefeitos e procuradores, dependendo da época. Ambos possuíam, por exemplo, o "ius gladium", ou seja, o direito de proferir sentenças de morte. As principais distinções entre ambos eram:

  • O "prefeito" era escolhido entre membros da classe equestre e governava sob a tutela do Procurador da província a que estava vinculado, prestando-lhe contas de sua administração. Era nomeado pelo Imperador, mas podia ser demitido pelo Procurador.
  • O "procurador" era escolhido entre membros da aristocracia senatorial e reportava-se diretamente ao imperador.

Relação de governadores romanos que administraram a província da Judeia entre os anos 6 e 66 foram

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

Procuradores[editar | editar código-fonte]

A província romana da Judeia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Judeia romana

Os romanos começaram a administrar, diretamente, a Judeia, após a deposição de Herodes Arquelau, um dos filhos-herdeiros de Herodes, o Grande. Nesse momento, o termo "Judeia" designava o território correspondente à Judeia, propriamente dita (a antiga Judá, dos tempos davídicos), à Samaria e à Idumeia, esta última incorporada aos domínios judaicos pelo monarca hasmoneu, João Hircano.

De início, ela foi categorizada como um província de segunda categoria, governada por um prefeito (em latim: praefectus), subordinado ao governador da província da Síria.

Após o reinado de Herodes Agripa I (41 a 44), passou a abranger todo o território que constituíra, no passado, o reino de Herodes, o Grande, excetuando-se no breve período em que Herodes Agripa II tornou-se rei de uma parte desse território.

Nessa segunda fase, o governo foi entregue a um Procurador, subordinado, diretamente, ao imperador romano.

Após a grande revolta de 66-70, o território foi anexado à província da Síria.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Borger, Hans - "Uma história do povo judeu", vol.1, São Paulo, Ed. Sefer, 1999.
  • Läple, Alfred - "A Bíblia hoje", 3a. edição, São Paulo, Edições Paulinas, 1984