Lista de governadores do Timor Português

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armas da antiga Província Ultramarina de Timor (em uso de 1935 a 1974).[1]
2:3 Bandeira histórica, não oficial actualmente Estandarte dos Governadores no período do Estado Novo.[2]
A "esfera de influência portuguesa" nas ilhas de Sondas Menores (ou Orientais) durante os séculos XVI e XIX.

A lista de governadores de Timor Português contida na tabela que se segue apresenta uma listagem cronológica das personalidades que exerceram as funções de máxima autoridade no território de Timor português e suas dependências ao longo do período de presença colonial portuguesa naquela região, até ao reconhecimento internacional da independência de Timor-Leste.

Os governantes indicados na lista exerciam a sua autoridade não apenas sobre os estabelecimentos, feitorias e colónias situadas em Timor, mas também, até à sua perda para os Países Baixos, sobre estabelecimentos e territórios localizados em outras ilhas do grupo das Pequenas Ilhas de Sunda (Nusa Tenggara), como Flores, Solor, Adonara, Lomblem, Pantar e Alor.

Na fase inicial da presença portuguesa nas ilhas de Sonda a partir da década de 1570, os capitães de cada uma das expedições eram a mais alta autoridade na região. A partir de 1665, com a nomeação de Simão Luís foi criado o cargo de capitão-mor de Solor e Timor, visando estabilizar a presença portuguesa nas Pequenas Ilhas de Sonda. Depois de sua morte, no mesmo ano, o cargo foi ocupado por António da Hornay, um capitão dos topasses, demonstrando a liderança que naquela região a população mestiça católica tinha assumido. Naquele período de presença portuguesa ainda incipiente, os clãs familiares topasse dos Hornay e dos Costas eram os verdadeiros governantes da colónia.

Dado que os títulos usados, e o enquadramento institucional, se foram alterando ao longo dos tempos, a tabela indica, para além das datas, a designação das funções exercidas. São também incluídos os governantes durante os períodos da ocupações australiana e holandesa e da anexação japonesa, na Segunda Guerra Mundial ou da Guerra do Pacífico, os vinte a quatro anos da incorporação na Indonésia e, finalmente, um administrador brasileiro que conduziu o processo de independência sob supervisão da Organização das Nações Unidas, em 20 de maio de 2002.

As designações utilizadas para os cargos foram:[3]

  • Capitão-mor em Timor (1602-1695), sendo Timor uma dependência do governo da Índia Portuguesa, subordinada ao respectivo vice-rei ou governador;
  • Governador de Timor e Solor (1695-1844), sendo as ilhas de Timor, Ataúro, Solor e suas dependências de Larantuca e de Sica na ilha das Flores subordinadas ao governo da Índia Portuguesa;
  • Governador de Timor e Solor (1844-1850), sendo as ilhas de Timor, Solor e suas dependências subordinadas aos Governo de Macau como parte da Província de Macau, Solor e Timor, criada pelo Decreto de 20 de Setembro de 1844. A partir de então, estes territórios ficaram independentes do Estado da Índia. A sede do governo da província situava-se em Macau, tendo as possessões da Oceania um governador subalterno do que residia naquela cidade.
  • Governador e Comissário Régio (1850-1852), na dependência directa da Metrópole.[4] [5] Em 1852 a ilha de Solor e todas as dependências, com excepção de Ataúro, foram cedidas aos Países Baixos;
  • Governador de Timor (1852-1856), subordinado ao governo de Macau;[6]
  • Governador de Timor (1856-1863), subordinado ao governo do Estado da Índia;[7]
  • Governador de Timor (1863-1866), como Província Ultramarina de Timor, na dependência do governo da Metrópole. Dili foi elevada a cidade, capital de província e sede de governo independente de segunda ordem.[8] [9]
  • Governador de Timor (1866-1896), novamente na dependência do governo de Macau, como distrito da Província de Macau e Timor;[10]
  • Governador de Timor (1896-1909), como distrito autónomo na dependência directa do governo da Metrópole;[11] [12]
  • Governador de Timor (1909-1927), como Província Ultramarina na dependência directa do governo da Metrópole;[13] [14]
  • Governador de Timor (1927-1955), como distrito autónomo, dependente do governo da Metrópole;[15]
  • Governador de Timor (1955-1972), como Província Ultramarina de Timor;[16]
  • Governador de Timor (1972-1975), como Região Autónoma da República Portuguesa, nos termos do artigo 2.º do Estatuto Político-Administrativo da Província de Timor, aprovado pelo Decreto n.º 547/72, de 22 de Dezembro.[17]

O cargo de governador de Timor foi formalmente extinto pela Lei n.º 7/75, de 17 de julho, que inseriu disposições relativas à descolonização de Timor.[18] Aquele diploma, que não teve aplicação prática dada a invasão e ocupação de Timor pela Indonésia, determinava a eleição directa, secreta e universal de uma Assembleia Popular representativa do povo de Timor. Este órgão seria eleito no dia 17 de outubro de 1976, "tendo por incumbência "definir, por maioria simples e voto directo e secreto, o estatuto político e administrativo do território".[19] .

Os trabalhos legislativos deveriam realizar-se de forma a permitir que no dia 15 de outubro de 1978 cessassem "todas e quaisquer prerrogativas de soberania e administração da República Portuguesa sobre aquele território, sem prejuízo da continuação de laços de estreita cooperação em todos os domínios, no âmbito de acordos livres e mutuamente aceites".[20]

Para preparar a elite timorense para a independência foram instituídos "órgãos transitórios de representação e de Governo do território de Timor" que entrariam em funções em 24 de outubro de 1975 e se manteriam ate 14 de outubro de 1978.[21] Por outras palavras, durante três anos a elite timorense iria ter a oportunidade de exercer funções executivas para os preparar para a independência.

Os três "órgãos de transitórios de representação e de Governo do território de Timor" seriam: um Alto-Comissário; um governo constituído pelo Alto-Comissário e cinco secretários-adjuntos; um Conselho de Governo "de natureza consultiva constituído por dois membros eleitos por cada Conselho Regional e quatro membros designados por cada uma das associações políticas de Timor, como tais reconhecidas, e que queira exercer esse direito".[22] Em simultâneo foi publicado o "Estatuto Orgânico de Timor", a mini-constituição do território, que estabelecia as regras do jogo político na colónia até à sua independência, dia 15 de outubro de 1978.

Governantes coloniais de Timor-Leste[editar | editar código-fonte]

Período Incumbente Notas
1541 - 1642: Capitão das feitorias das ilhas de Sonda Menores ou Orientais, subordinado ao vice-rei da Índia Portuguesa
1571 - ? Aires de Saldanha[23]
1575 (ou 1576) Duarte da Costa[24]
1587–1590 António Viegas[23]
1591–? Gaspar da Silva[23]
1595–1600 António Andria[23]
1601–1603 Jerónimo Correia da Silva[23]
1605-? Salvador Correira da Costa[24]
1613 Manuel Álvares[23]
1618–? António de Sá[23]
? Gonçalo de Proença[23]
1632 Francisco Pereira da Cunha[24]
1632–1634 Estácio Pereira[23]
1634–1642 Francisco Fernandes[23]
1642–? António Carneiro de Sequeira[23]
1646–? João Calaça Tenreiro[23]
1647–1649 António de São Jacinto[25] Capitão em Cupão.
1651–1652 Francisco Carneiro de Sequeira[23] Capitão em Cupão.
1652–1665 Simão Luís[23] Capitão em Lifau.
1665 - 1695: Capitão-mor nas ilhas de Timor, Solor, Flores e outras Sondas Menores ou Orientais, e suas dependências, subordinado ao vice-rei da Índia Portuguesa
1665 † Simão Luís Em Lifau; faleceu antes de empossado.[26]
1666 - 1669 António da Hornay Topasse; capitão-mor interino (1.º mandato).
1669 - 1670 Fernão Martins da Ponte Capitão-mor interino.
1671 - 1673 Mateus da Costa Topasse; capitão-mor interino.
1673 - 1693 António Hornay Topasse; capitão-mor interino (2.º mandato).
1680 João Antunes Portugal Capitão-mor; enviado de Portugal, mas recusado pelas autoridades locais.
1694 - 1696 Francisco Hornay Topasse; capitão-mor interino; manteve funções apesar da chegada do 1.º governador.
1695 - 1844: Governador nas ilhas de Timor, Solor, Flores e suas dependências, nomeado pelo vice-rei da Índia Portuguesa
1695 - 1697 António de Mesquita Pimentel 1.º Governador; residência em Lifau; expulso em 1697 pelos topasse liderados por Domingos da Costa.[27] [28]
1697 - 1702 Domingos da Costa Topasse; expulsou o Governador António de Mesquita Pimentel e assumiu o cargo de capitão-mor interino.
1698 André Coelho Vieira Capitão-mor; cargo não confirmado.
1702 - 1705 António Coelho Guerreiro 2.º Governador.
1705 - 1706 Lourenço Lopes 3.º Governador.
1706 - 1708 Manuel Ferreira de Almeida 4.º Governador (1.º mandato).
1708 - 1709 Jácome de Morais Sarmento 5.º Governador.
1709 - 1714 Manuel de Souto-Maior 6.º Governador.
1714 Manuel Ferreira de Almeida Governador (2.º mandato).
1714 - 1718 Domingos da Costa Governador; topasse.
1718 - 1719 Francisco de Melo e Castro Governador.
1719 - 1722 Manuel de Santo António Governador.
1722 - 1725 António de Albuquerque Coelho Governador.
1725 - 1729 António Moniz de Macedo Governador (1.º mandato).
1729 - 1731 Pedro de Melo Governador.
1731 - 1734 Pedro de Rego Barreto da Gama e Castro Governador.
1734 - 1739 António Moniz de Macedo Governador (2.º mandato).
1741 - 1745 Manuel Leonís de Castro Governador.
1745 - 1748 Francisco Xavier Doutel Governador.
1748 - 1751 Manuel Correia de Lacerda Governador.
1751 - 1756 Manuel Doutel de Figueiredo Sarmento Governador
1756 - 1759 Vicente Ferreira de Carvalho Governador[29]
1759 - 1760 Sebastião de Azevedo e Brito Governador.
1760 - 1763 Frei Jacinto da Conceição, O.P., Vicente Ferreira de Carvalho e D. José Rodrigues Pereira (dito "rei de Alas", mas que era régulo de Díli) Governo interino.
1763 - 1765 Dionísio Gonçalves Rebelo Galvão Governador.
1765 - 1768 Sem governo nomeado ----
1768 - 1776 António José Teles de Meneses Governador (em Díli).
1776 - 1779 Caetano de Lemos Telo de Meneses Governador.
1779 - 1782 Lourenço de Brito Correia Governador.
1782 - 1785 João Anselmo de Almeida Soares Governador.
1785 - 1788 João Baptista Vieira Godinho Governador; coronel de artilharia.
1788 - 1790 Feliciano António Nogueira Lisboa Governador; capitão-tenente.
1790 - 1794 Joaquim Xavier de Morais Sarmento Governador; tenente-coronel.
1794 - 1800 João Baptista Verquaim Governador; capitão-de-mar-e-guerra.
1800 - 1804 José Joaquim de Sousa Governador; capitão-de-mar-e-guerra.
1804 - 1807 João Vicente Soares da Veiga Governador; capitão-de-mar-e-guerra.
1807 - 1810 António de Mendonça Corte-Real Governador; tenente-coronel; faleceu em 2 de junho de 1810.
1810 Frei José de Anunciaçao (governador do bispado), D. Gregório Rodrigues Pereira (coronel-régulo de Motael e Joaquim de António Veloso (tenente-coronel da guarnição) Governo interino.
1810 - 1815 Vitorino Freire da Cunha Gusmão Governador; capitão-de-mar-e-guerra.
1815 - 1819 José Pinto Alcoforado de Azevedo e Sousa Governador; tenente-coronel de artilharia; faleceu em Díli aos 13 de novembro de 1819.
1819 - 1821 António Caetano Dinis (ouvidor eclesiástico), D. Gregório Rodrigues Pereira (coronel-régulo de Motael) e frei Bartolomeu Pereira (vigário de Díli Governo interino.
1821 - 1832 Manuel Joaquim de Matos e Góis Governador; capitão-de-fragata; faleceu em Díli aos 14 de abril de 1832.
1832 - 1832 Miguel da Silveira e Lorena Governador; tenente de infantaria; faleceu em Díli aos 26 de maio de 1832.
1832 - 1834 Fr. Vicente Ferreira Varela, José Pereira de Azevedo (tenente-coronel) e Francisco Inácio de Seabra (ouvidor) Governo interino.
1834 - 1839 José Maria Marques Governador; tenente.
1839 - 1844 Frederico Leão Cabreira Governador; tenente-coronel de artilharia.
1844 - 1852: Governador de Timor e Solor, subordinado ao Governo de Macau como parte da Província de Macau, Solor e Timor[30]
1844 - 1848 Julião José da Silva Vieira Governador; coronel de artilharia (n. 1793 - m. 1855).
22 de agosto de 1848 - 24 de março de 1851 António Olavo Monteiro Torres Governador; capitão-tenente; faleceu em Díli aos 24 de março de 1851.
23 de junho de 1851 - 8 de setembro de 1852 José Joaquim Lopes de Lima Governador e Comissário régio para os limites portugueses; capitão-de-mar-e-guerra (n. 1797 - faleceu em Batávia, hoje em dia Jacarta, em 8 de novembro de 1852).
Colónia portuguesa de Timor, subordinada a Goa. As possessões das pequenas ilhas das Sondas Menores ou Orientais ficam para os Países Baixos
1852 - 1856 Capitão de cavalaria Manuel de Saldanha da Gama, Governador.
1856 - 1859 Tenente-coronel Luís Augusto de Almeida Macedo, Governador.
8 de setembro de 1859 - 11 de abril de 1863 Capitão de infantaria Afonso de Castro, Governador. (n. 1824 - m. 1855)
Colónia portuguesa de Timor
11 de abril de 1863 - 8 de abril de 1864 Capitão de infantaria José Manuel Pereira de Almeida, Governador.
8 de abril de 1864 Juiz da câmara Bento Sertório Mascarenhas, como presidente, pelo padre Gregório Maria Barreto, superior da missão, e pelo tenente Pinto de Noronha, comandante do Batalhão Defensor de Díli, Governador interino.
1864 - 1865 José Eduardo da Costa Meneses, Governador.
Colónia portuguesa de Timor, subordinada a Macau
12 de setembro de 1865 - 24 de abril de 1869 Capitão-de-fragata Francisco Teixeira da Silva, Governador.
24 de abril de 1869 - 23 de agosto de 1870 Capitão da guarnição de Macau António Joaquim Garcia, Governador interino.
23 de agosto de 1870 - 1871 Capitão-tenente da armada João Clímaco de Carvalho, Governador. (n. 1856- m. 1873)
1871 - 1873 Capitão de infantaria Manuel de Castro Sampaio, Governador interino.
30 de agosto de 1873 - 7 de novembro de 1876 Major de cavalaria Hugo Goodair de Lacerda Castelo Branco, Governador. 1.º mandato
7 de novembro de 1876 - 18 de janeiro de 1878 Capitão da guarnição de Moçambique Joaquim António da Silva Ferrão, Governador. Faleceu em Díli aos 18 de janeiro de de 1878
3 de julho de 1878 - 1 de setembro de 1880 Major de cavalaria Hugo Goodair de Lacerda Castelo Branco, Governador. 2.º mandato
1 de setembro de 1880 - 30 de dezembro de 1881 Capitão-tenente da Armada Augusto César Cardoso de Carvalho, Governador. (n. 1836 - m. 1905)
30 de dezembro de 1881 - 3 de maio 1882 Major José dos Santos Vaquinhas, Governador interino.
3 de maio de 1882 - 1883 Capitão de cavalaria Bento da França Pinto de Oliveira, Governador. (n. 1833 - m. 1889)
1883 Capitão da guarnição de Macau Porfírio Zeferino de Sousa, Governador interino.
1883 Major da guarnição de Macau Francisco de Paula da Cruz, Governador interino.
4 de agosto de 1883 - 3 de junho de 1885 Capitão de cavalaria João Maria Pereira, Governador.
1883 - 1885 Capitão de cavalaria Cipriano Forjaz, Governador interino.
26 de setembro de 1885 - 3 de março de 1887 Capitão-tenente da armada Alfredo de Lacerda Maia, Governador. (n. 1850 - Assassinado em Díli aos 3 de março de 1887
1887 Capitão de infantaria Adriano Augusto do Rego, Governador interino.
1887 Coronel da guarnição de Macau António Joaquim Garcia, Governador interino.
1 de agosto de 1887 - 1888 Major de cavalaria António Francisco da Costa, Governador.
4 de outubro de 1888 - 4 de março de 1890 Capitão-tenente da armada Rafael Jácome Lopes de Andrade, Governador. (n. 1851 - m. 1900)
1890 - 1891 Capitão da guarnição de Macau Porfírio Zeferino de Sousa, Governador interino.
5 de fevereiro de 1891 - 19 de abril de 1894 Major de cavalaria Cipriano Forjaz, Governador.
1894 Capitão da guarnição de Macau Porfírio Zeferino de Sousa, Governador interino.
11 de maio de 1894 - 16 de junho de 1908 Tenente-coronel de cavalaria José Celestino da Silva, Governador (n. 1894 - m. 1911)
Colónia portuguesa de Timor como distrito autónomo, em 15 de outubro de 1896
16 de junho a 30 de agosto de 1908 Capitão de artilharia Jaime Augusto Vieira da Rocha, Governador interino
30 de agosto de 1908 - 27 de agosto de 1909 Capitão do Estado-Maior do Exército Eduardo Augusto Marques, Governador. (n. 1867 - m. 1944)
27 de agosto de 1909 - 25 de fevereiro de 1910 Capitão de infantaria Gonçalo Pereira Pimenta de Castro, Governador interino. (n. 1868 - m. 1952). 1.º mandato
Colónia portuguesa de Timor com o estatuto de província de pleno direito, no dia 9 de dezembro de 1909
5 de fevereiro a 26 de novembro de 1910 1.º tenente da armada Alfredo Cardoso de Soveral Martins, Governador. (n. 1869 - m. 1938)
26 de novembro - 13 de dezembro de 1910 Capitão de infantaria Anselmo Augusto Coelho de Carvalho, Secretário interino do governo.
13 de dezembro de 1910 - 22 de janeiro de 1911 Capitão de infantaria José Carrazedo de Sousa Caldas Viana e Andrade, Governador.
22 de janeiro de 1911 - 18 de agosto de 1913 1.º tenente da armada Filomeno da Câmara de Melo Cabral, Governador. (n. 1873 - m. 1934)
18 de agosto de 1913 - 22 de janeiro 1914 Capitão de infantaria Gonçalo Pereira Pimenta de Castro, Governador interino. (n. 1868 - m. 1952). 2.º mandato
22 de janeiro 1914 - 14 de fevereiro de 1914 Capitão de infantaria António Baptista Justo, Encarregado do governo.
15 de fevereiro de 1914 - 28 de setembro de 1917 1.º tenente da armada Filomeno da Câmara de Melo Cabral, Governador. (n. 1873 - m. 1934). 2.º mandato
28 de setembro - 29 de outubro de 1917 César Augusto Rocha de Abreu Castelo Branco, Governador interino.
29 de outubro de 1917 - 18 de março de 1918 Capitão de infantaria José Machado Duarte Júnior, Governador interno.
18 de março de 1918 - 1 de abril de 1919 Capitão de infantaria Luís Augusto de Oliveira Franco, Governador interino. 1.º mandanto
1 de abril - 11 de outubro de 1919 Capitão de infantaria Manuel José de Meneses Fernandes Costa, Encarregado do governo. 1.º mandanto
11 de outubro de 1919 - 14 de fevereiro 1921 Capitão-tenente da marinha Manuel Paulo de Sousa Gentil, Governador. (n. 1870 - m. 1937)
14 de fevereiro a 11 de junho de 1921 Capitão Luís Augusto de Oliveira Franco, Encarregado do governo. 2.º mandato
11 de junho a 7 de julho de 1921 Capitão Manuel José de Meneses Fernandes Costa, Encarregado do governo. 2.º mandato
7 de julho a 11 de julho de 1921 Major-médico José Paiva Gomes, Encarregado do governo. 1.º mandato
11 de julho a 9 de novembro de 1921 Capitão Manuel José de Meneses Fernandes Costa, Encarregado do governo. 3.º mandato
9 de novembro a 14 de novembro de 1921 1.º tenente da marinha Humberto dos Santos Leitão, Encarregado do governo. 1.º mandato
14 de novembro de 1921 - 27 de abril de 1923 Major-médico José de Paiva Gomes, Encarregado do governo. 2.º mandato
27 de abril de 1923 - 16 de outubro de 1924 1.º tenente da marinha Humberto José dos Santos Leitão, Encarregado do governo. 2.º mandato
16 de outubro de 1924 - 1 de julho de 1926 Coronel da artilharia Raimundo Enes Meira, Governador. (n. 1866 - m. 1946)
1 de julho a 30 de setembro de 1926 Capitão Eduardo Rodrigues Areosa Feio, Encarregado do governo.
30 de setembro de 1926 - 22 de dezembro de 1928 Tenente Teófilo Duarte, Governador. (n. 1898 - m. 1958)
Colónia portuguesa de Timor como distrito autónomo, em 19 de novembro de 1927
22 de dezembro de 1928 - 12 de abril de 1929 Coronel médico Abel Teixeira da Costa Tavares, Encarregado do governo.
12 de abril de 1929 - 2 de novembro de 1930 Coronel do CEM Cesário Augusto de Almeida Viana, Governador.
2 de novembro a 5 de dezembro de 1930 Coronel médico Abel Teixeira da Costa, Governador interino.
5 de dezembro de 1930 - 23 de março de 1933 Brigadeiro António Baptista Justo, Governador.
23 de março a 14 de junho de 1933 Dr. Miguel Xavier Mártires Dias, Encarregado de governo.
14 de junho de 1933 - 1 de janeiro de 1934 Capitão José Luís Fontoura de Sequeira, Encarregado de governo.
1 de janeiro de 1934 - 3 de julho de 1936 Major Raúl de Antas Manso Preto Mendes Cruz, Governador.
3 de julho de 1936 - 11 de setembro de 1937 Capitão de artilharia Eduardo Berardo Lapido Loureiro, Encarregado do Governo (n. 1895 - m. 1961)
11 de setembro de 1937 - 10 de maio de 1940 Major de infantaria Álvaro Eugénio Neves da Fontoura, Governador (n. 1891 - m. 1975)
30 de março de 1939 - 10 de maio de 1940 Capitão de engenharia António Jacinto Magro, Encarregado do Governo (n. 1899 - m. 1970)
10 de maio de 1940 - 17 de dezembro de 1941 Capitão de infantaria Manuel de Abreu Ferreira de Carvalho, Governador (n. 1893 - m. 1968). 1.º mandato 10 de maio de 1940 - 17 de dezembro de 1941
Ocupação pelos Holandeses e Australianos
17 de dezembro de 1941 - 1942 William Watt Leggatt (Comandante das forças australianas) (n. 1894 - m. 1968)
17 de dezembro de 1941 - 1942 Nico Leonard Willem van Straten (Comandante das forças holandesas) (n. 1897 - m. 1968)
Anexação pelos Japoneses
20 de fevereiro de 1942 - 20 de fevereiro de 1942 Ito Takeo (Comandante das forças de desembarque japonesas) (n. 1889 - m. 1965)
20 de fevereiro de 1942 - agosto de 1942 Sadashichi Doi (Comandante das forças de ocupação japonesas) (n. 1889 - m. 1968)
agosto de 1942 - novembro de 1944 Yuichi Tsuchihashi (Comandante das forças de ocupação japonesas) (n. 1891 - m. 1972)
novembro de 1944 - 5 de setembro de 1945 Kunitaro Yamada (Comandante das forças de ocupação japonesas) (n. 1894 - 1984)
Colónia portuguesa, como província ultramarina
1 de setembro - 7 de dezembro de 1945 Capitão de infantaria Manuel de Abreu Ferreira de Carvalho, Governador (n. 1893 - m. 1968). 2.º mandato 1 de setembro até 7 de dezembro de 1945
7 de dezembro de 1945 - 8 de junho de 1950 Capitão Óscar Freire de Vasconcelos Ruas, Governador (n. 1899 - m. 1982)
8 a 13 de junho de 1950 Capitão-tenente António da Cunha Aragão, Encarregado do Governo (n. 1904 - m. 1974)
13 de junho - 31 de dezembro de 1950 Major de cavalaria Arnaldo Dionísio Carneiro de Sousa e Meneses, Encarregado do Governo (n. 1903 - m. 1970)
31 de dezembro de 1950 - 14 de julho de 1958 Capitão de infantaria César Maria de Serpa Rosa, Governador (n. 1899 - m. 1968)
14 de julho de 1958 - 20 de junho de 1959 Tenente-coronel Manuel Albuquerque Gonçalves de Aguiar, Encarregado do Governo (n. 1909 - m. 1981)
22 de junho de 1959 - 3 de abril de 1963 Major Filipe José Freire Themudo Barata, Governador (n. 1918 - m. 2003)
3 de abril - 12 de junho de 1963 Brigadeiro Francisco António Pires Barata, Encarregado do Governo (n. 1906 - m. 1987)
12 de junho de 1963 - 27 de maio de 1967 Coronel do CEM José Alberty Correia, Governador (n. 1917 - m. 2011)
27 de maio de 1967 - 6 de fevereiro de 1968 Juiz de Direito Manuel Fernandes, Encarregado do Governo
6 de fevereiro de 1968 - 23 de setembro de 1971 Brigadeiro José Nogueira Valente Pires, Governador (n. 1914 - m. 2010)
23 de setembro de 1971 - 26 de janeiro de 1972 Tenente-coronel Fernando Alves Aldeia, Encarregado do Governo (n. 1925 - m. 1993)
26 de fevereiro de 1972 - 15 de julho de 1974 Tenente-coronel Fernando Alves Aldeia, Governador (n. 1925 - m. 1993)
15 de julho de 1974 - 18 de novembro de 1974 Tenente-coronel Níveo José Ramos Herdade, Encarregado do Governo (n. 1922 - m. 2006)
18 de novembro de 1974 - 26 de agosto de 1975 Coronel Mário Lemos Pires, Governador (n. 1930 - m. 2009)
Presidentes (após a Proclamação de Independência, Timor foi invadido pela Indonésia a 7 de dezembro de 1975 e, a 17 julho de 1976, a Indonésia anexou Timor como província Timor (Timur)
28 de novembro de 1975 - 29 de setembro de 1978 Francisco Xavier do Amaral, 1.º Presidente da República (n. 1937 - m. 2012)
29 de setembro de 1978 - 31 de dezembro de 1978 Nicolau dos Reis Lobato, Primeiro-Ministro e 2.º Presidente da República (n. 1946 - m. 1978)
Presidente do Governo Provisório da Indonésia
17 de Dezembro de 1975 - 17 de Julho de 1976 Arnaldo dos Reis Araújo, Presidente do Governo Provisório (n. 1913 - m. 1988)
Governadores da Indonésia
1976 - 1978 Arnaldo dos Reis Araújo, Governador (n. 1913 - m. 1988)
1978 - 1982 Guilherme Maria Gonçalves, Governador (n. 1919 - m. 1999)
18 de setembro de 1983 - 18 de setembro de 1992 Mário Viegas Carrascalão, Governador (n. 1937)
18 de setembro de 1992 - outubro de 1999 Abílio Osório Soares, Governador (n. 1947 - m. 2007)
Administração pela Organização das Nações Unidas
25 de outubro de 1999 - 19 de maio de 2002 Sérgio Vieira de Mello, Administrador (Brasil) (n. 1948 - m. 2003)
Reconhecimento da Independência de Timor-Leste no dia 20 de maio de 2002.

A relação prossegue por lista de presidentes de Timor-Leste e lista de primeiros-ministros de Timor-Leste.

Notas

  1. O brasão consistia num campo gironado de prata e negro, uma cruz florida em contraste, carregada com um dos escudetes da dextra. Cruz igual àquela que simboliza a ordem dos Dominicanos, responsáveis em grande parte pela colonização de Timor.
  2. Foto von 1965–1967
  3. Figueiredo, Fernando Augusto. Timor : a presença portuguesa (1769-1945). FLUP, Porto, 2004.
  4. Em Outubro de 1850 foi nomeado governador de Timor, com prerrogativas de comissário régio para a demarcação dos limites, o conselheiro José Joaquim Lopes de Lima (1851-1852). Em consequência, durante o tempo do seu exercício, a governação da colónia da Oceania ficava independente da de Macau.
  5. Instrucções para o Conselheiro Lopes de Lima, encarregado do Governo das Ilhas de Timor e Solôr, por Decreto de 30 de Outubro de 1850, Paço, 6 de Novembro de 1850.
  6. Pelo decreto de 15 de Setembro de 1851. Cf. Collecção Official da Legislação Portugueza, ano de 1851, Decreto annexando novamente ao Governo de Macáo o das Ilhas de Timor e Solôr, Lisboa, Imprensa Nacional, 1852, p. 338.
  7. Por decreto de 25 de Setembro de 1856. Cf. Collecção Official da Legislação Portugueza, ano de 1856, Decreto separando do Governo de Macau o das Ilhas de Timor e Solor ..., Lisboa, Imprensa Nacional, 1856, pp. 389-390.
  8. A «Reforma Administrativa de 1863» apostou na descentralização da administração ultramarina, pelo que Timor foi desanexado do Estado da índia, passando a constituir uma Província Ultramarina.
  9. Pelo decreto de 17 de Setembro de 1863. Cf. Collecção Official da Legislação Portugueza, ano de 1863, Decreto elevando à categoria de província o território portuguez de Timor, e a cidade a povoação de Dilly como capital da província,..., Lisboa, Imprensa Nacional, 1864, p. 472.
  10. Pelo decreto de 26 de Novembro de 1866. Cf. Collecção Official da Legislação Portugueza, ano de 1866, Decreto supprimindo o governo geral de Timor, formando d'este território e do de Macau uma província sob o nome de Macau e Timor, e organisando aqui o serviço administrativo, judicial e fiscal, Lisboa, Imprensa Nacional, 1867, p. 490.
  11. Por Decreto de 15 de Outubro de 1896, foi constituído o distrito de Timor, passando este a ser autónomo e a ficar directamente ligado ao governo da Metrópole. As razões para esta determinação e os efeitos de que se fazia acompanhar constavam no próprio diploma legal que a determinou: dificuldade e demora nas comunicações entre as duas colónias, com prejuízo para o desenvolvimento do distrito; ausência de razões de ordem económica, política ou administrativa que justificassem a dependência.
  12. Cf. Collecção Official de Legislação Portugueza, ano de 1896, Decreto declarando o districto de Timor independente da província de Macau para todos os efeitos políticos e administrativos, Lisboa, Imprensa Nacional, 1896, pp. 968-969.
  13. Em 1909 o Distrito Autónomo de Timor foi elevado à categoria de Província Ultramarina com argumentos de carácter político e económico-financeiro.
  14. Pelo Decreto de 9 de Dezembro de 1909. Cf. Boletim Official do Governo da Província de Macau, n.° 6, de 5 de Fevereiro de 1910, p. 35.
  15. Pelo decreto n.° 11744, de 16 de Junho de 1926. Cf. Boletim Oficial do Governo da Província de Timor, n.° 33, 14 de Agosto de 1826, pp. 261-262.
  16. Decreto n.º 40228, de 5 de Julho de 1955, que promulga o Estatuto da Província de Timor.
  17. Decreto n.º 547/72, de 22 de Dezembro, que aprova o Estatuto Político-Administrativo da Província de Timor.
  18. Lei n.º 7/75, de 22 de julho, que insere disposições relativas à descolonização de Timor.
  19. Mário Lemos Pires (1981), Relatório do Governo de Timor: Período de 13 de novembro de 1974 a 7 de dezembro de 1975, Lisboa, Presidência do Conselho de Ministros, p. 211
  20. Ibid., p. 212
  21. Ibid.
  22. Ibid..
  23. a b c d e f g h i j k l m n Marques, A.H. de Oliveira: História de Portugal, Band II, Lissabon, Palas Editores, 1984, S. 474.
  24. a b c Geoffrey C. Gunn: Historical Dictionary of East Timor, S. 181
  25. Gunn: History of Timor, S. 20
  26. Chronologie de l’histoire du Timor (1512-1945) suivie des événements récents (1975-1999) (em francês; PDF-Datei; 867 kB)
  27. History of Timor, Lisboa, ISEG-UTL, p. 31.
  28. Expulso em 1697 na sequência de um levantamento dos topasses liderado por Domingos da Costa.
  29. History of Timor, p. 45 e Colonial Voyage
  30. Província criada pelo Decreto de 20 de Setembro de 1844.