Angelina Agostini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Angelina Agostini (Rio de Janeiro, 1888 — Rio de Janeiro, 1973) foi uma pintora, escultora e desenhista brasileira, filha do também pintor e caricaturista Angelo Agostini e da pintora Abigail de Andrade.[1] Foi aluna de Zeferino da Costa, Baptista da Costa e Eliseu Visconti na Escola Nacional de Belas Artes (ENBA). A partir de 1911, estuda no ateliê de Henrique Bernardelli. [2] Recebeu menção honrosa na 18ª Exposição Geral de Belas Artes de 1911 e, nas edições seguintes, ganhou, respectivamente, a pequena medalha de prata (1912) e o prêmio de viagem à Europa (1913), com a tela Vaidade, atualmente pertencente ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes.[3] Em 1914, viaja para a Europa e se estabelece em Londres.[4]

Em Londres, expôs na Academia Real Inglesa, na Society of Women Artists e no Imperial War Museum. Em Paris, expôs na Société Nationale des Beaux Arts e no Salão da América Latina. Em 1953, ganhou a medalha de ouro no Salão Nacional de Belas Artes.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

CAVALCANTI e Ayala. Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos. MEC/INL, 1973-77. RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. Editora Nacional, São Paulo, 1941.

Referências

  1. «Enciclopédia Itaú Cultural». Itaú Cultural. Consultado em 10 de março de 2018..  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. «Warburg - Banco Comparativo de Imagens: Artistas». warburg.chaa-unicamp.com.br. Consultado em 10 de março de 2018.  line feed character character in |titulo= at position 40 (ajuda)
  3. «Vaidade (imagem)». Museu Nacional de Belas Artes. Consultado em 10 de março de 2018. 
  4. «Warburg - Banco Comparativo de Imagens: Artistas». Unicamp. Consultado em 10 de março de 2018. 
  5. Cultural, Instituto Itaú. «Angelina Agostini | Enciclopédia Itaú Cultural». Enciclopédia Itaú Cultural