Marvel Comics

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aniquilador (Marvel Comics))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a editora de banda desenhada (quadrinhos) que usa este nome desde 1961. Para a série de revistas anterior, veja Marvel Mystery Comics.
Marvel Comics
Gênero Editora
Fundação 1939 (como Timely Comics)
Fundador(es) Martin Goodman
Sede 135 W. 50th Street, Nova York, NY, Estados Unidos
Proprietário(s) The Walt Disney Company, dona da Marvel Entertainment, LLC], companhia à qual pertence a Marvel Comics.
Pessoas-chave
Produtos Revistas, Filmes e Livros
Renda líquida Aumento US$125.7 milhões (2007)
Website oficial www.marvel.com

Marvel Comics, anteriormente Marvel Publishing Inc e Marvel Comics Group é uma editora de quadrinhos americanos e mídia relacionada a este ramo. Hoje, a Marvel Comics é considerada atualmente a maior editora de histórias em quadrinhos dos Estados Unidos e do mundo. Em 2009, a The Walt Disney Company adquiriu a Marvel Entertainment, a empresa-mãe da Marvel Worldwide.

A Marvel começou em 1939 como Timely Comics, e no início da década de 1950, geralmente se tornou conhecida como Atlas Comics. A marca Marvel começou em 1961, ano em que a empresa lançou Quarteto Fantástico e outros títulos de super-heróis criados por Stan Lee, Jack Kirby, Steve Ditko e muitos outros.

A empresa conta com diversos personagens bem conhecidos como: Homem-Aranha, Homem-Formiga, Falcão, Capitã Marvel, Homem de Ferro, Capitão América, Vespa, Punho de Ferro, Motoqueiro Fantasma, Feiticeira Escarlate, Viúva Negra, Soldado Invernal, Máquina de Combate, Pantera Negra, Gavião Arqueiro, Wolverine, Hulk, Thor, Falcão e Doutor Estranho, incluindo suas equipes como: Vingadores, Defensores, X-Men, Quarteto Fantástico, Guardiões da Galáxia, Jovens Vingadores, Agentes da S.H.I.E.L.D., Inumanos e Fugitivos, e os antagonistas como: Thanos, Duende Verde, Doutor Destino, Rei do Crime, Magneto e Loki.

A maioria dos personagens fictícios de Marvel operam em uma única realidade conhecida como o Universo Marvel, com a maioria dos locais refletindo lugares da vida real; Muitos personagens principais ficam em Nova York, Estados Unidos.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

Apache Kid nº19 (1956).

Início[editar | editar código-fonte]

A Marvel Comics foi fundada por volta de 1930 e 1940 por Martin Goodman, com o nome de Timely Comics.[3] Goodman, um editor de revistas pulp[4] que começou a vender histórias de faroeste em 1933, expandiu suas atividades para um emergente - e até então bastante popular - mercado de revistas de histórias em quadrinhos originais.[5] Goodman começou a empresa na 330 West 42nd Street, New York City, New York. Ele oficialmente detinha os títulos de editor, editor-executivo e gerente de negócios, com Abraham Goodman ocupando oficialmente o cargo de publisher.[5] A primeira publicação ocorreu em 1939, com o número um da revista Marvel Comics, onde se deram as primeiras aparições do super-herói Tocha Humana e do anti-herói Namor, o Príncipe Submarino. A equipe por trás desse sucesso de vendas veio de uma outra publicação, Funnies, Inc., mas no ano seguinte, a própria equipe da editora ocupou o lugar. Com a segunda edição, o título da série mudou para Marvel Mystery Comics.[6]

O primeiro editor de quadrinhos da Marvel, o também roteirista e desenhista Joe Simon, se juntou com Jack Kirby, para criar o primeiro herói patriota, o Capitão América, em Captain America Comics #1. (Março de 1941). Capitão América logo virou um sucesso com uma circulação de quase um milhão. Portanto, nos anos 40 a Timely tornou-se muito conhecida.

Em 1939, Goodman contratou o primo de sua esposa,[7] Stan Lee, como auxiliar de escritório em geral.[8] Quando o editor Simons deixou a companhia no final de 1941, Goodman fez de Lieber - até então a escrevendo sob pseudônimo como "Stan Lee" - editor provisório da linha de quadrinhos, uma posição que Lee manteve durante décadas, exceto por três anos durante o serviço militar na II Guerra Mundial. Lee escreveu extensivamente para a Timely Comics, contribuindo para vários títulos diferentes.

O mercado americano de quadrinhos de super-heróis caiu no pós-guerra. A Editora de Goodman deixou de publicar a maior parte, e expandiu-se para uma ampla variedade de gêneros que a Timely Comics ainda não havia publicado, com ênfase no gênero de horror, faroeste, humor, animais, crime, quadrinhos de guerra, e posteriormente, acrescentando uma porção de revistas da selva, títulos de romance e até mesmo espionagem, aventura medieval, histórias da Bíblia e esportes. Como outras editoras, Goodman também cortejou as leitoras com quadrinhos principalmente humorístico sobre modelos e mulheres famosas.

A estratégia de negócios do editor Martin Goodman envolvido com suas várias revistas publicadas por várias empresas que operavam a partir do mesmo escritório e com a mesma equipe.[4][9] Uma dessas empresas de fachada foi chamada de Marvel Comics. Algumas capas revistas, como All Surprise Comics #12(Inverno de 1946/1947), traziam a frase "A Marvel Magazine" (uma revista Marvel) muitos anos antes Goodman formalmente adotar o nome em 1961.[10]

Década de 1950[editar | editar código-fonte]

Nos anos 50, a Marvel atravessou tempos difíceis, da mesma maneira que as outras editoras. Goodman começou a publicar com o nome de Atlas, uma distribuidora de sua propriedade, em Novembro de 1951. Atlas, ao invés de inovar, seguia as tendências populares na televisão e no cinema - faroestes e dramas de guerra em vigor por um tempo, monstros de cinema drive-in em outro - e mesmo outras revistas em quadrinhos, especialmente a linha de terror da EC Comics.[11] A Atlas também publicou uma infinidade de títulos para crianças e humor adolescente, incluindo Homer the Happy Ghost de Dan DeCarlo (fantasma à la Gasparzinho) e Homer Hooper (adolescente à la Archie Andrews). A editora tentou sem sucesso ressuscitar super-heróis entre 1953 e 1954, como o Tocha Humana (arte de Syd Shores e Dick Ayers, alternadamente), Namor (quase todas histórias escritas e desenhadas por Bill Everett) e Capitão América (escritor Stan Lee e desenhada John Romita Sr.). A Atlas tinha no minímo cinco escritores oficiais(chamados oficialmente de editores) além de Stan Lee: Hank Chapman, Paul S. Newman, Don Rico, Carl Wessler e o futuro cartunista da Revista MAD, Al Jaffee.

No final dos anos 50 e início dos 60, o sucesso inicial da DC Comics ao reviver o gênero de super-heróis nas histórias em quadrinhos (principalmente com a Liga da Justiça) fez com que a Marvel seguisse o mesmo caminho.[12] Os principais expoentes desta época foram os seus empregados Stan Lee (edição e argumento) e Jack Kirby (arte), responsáveis pela criação do Quarteto Fantástico. A revista foi um enorme sucesso o que levou a Marvel a publicar outros títulos de super-heróis, entre os quais se destacou o gibi do personagem Homem-Aranha, criado por Stan Lee e Steve Ditko.

As histórias da Marvel distinguiam-se das demais pelo universo em que se desenvolviam ter características mais próximas da realidade, sendo muito mais humanizado. A Editora explorava a caracterização dos personagens, principalmente em problemas pessoais. Como no grupo X-Men que surgiu originalmente para tratar-se sobre o preconceito na época, ilustrados nos mutantes. No caso do Homem-Aranha, ele era um jovem herói com alguma falta de autoestima e muitos problemas mundanos, semelhantes ao de muitos adolescentes. O Demolidor era cego e enfrentava alguns problemas relacionados à sua deficiência física. Este novo olhar acabou por incentivar uma revolução nas histórias em quadrinhos (banda desenhada) estadunidenses com o passar do tempo.

Décadas de 1970 e 1980[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1970, uma série de novos directores trabalharam para a empresa em mais uma época não favorável para esta indústria. No entanto, no final dessa década, a Marvel estava novamente de boa saúde, graças a novos números de hq e principalmente pela à renovação do título dos X-Men, arquitetado principalmente por Chris Claremont e John Byrne.

Na década de 1980, Jim Shooter era o diretor. Apesar da sua personalidade controversa, conseguiu eliminar alguns dos males da empresa - como a não publicação das revistas no prazo devido - e promover mais um renascimento criativo na Marvel, fazendo com que seus gibis tornassem-se ainda mais vendidos .

Em 1981, a Marvel comprou os estúdios de animação DePatie-Freleng Enterprises do famoso animador do desenho da A Pantera Cor-de-Rosa, Friz Freleng. A empresa foi rebatizada de Marvel Productions Ltd. e produziu séries de desenhos animados bastante conhecidas, como G.I. Joe, Transformers e Muppet Babies.

Em 1988, a Marvel foi comprada pelo investidor/empresário Ronald Perelman, que colocou a empresa na Bolsa de Nova Iorque e promoveu o aumento do número de títulos publicados. Entretanto, a empresa vendeu o seu catálogo de animação à Saban Entertainment e fechou permanentemente o estúdio de animação, optando por contratar terceiros para produzir seus projetos de animação.

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

A Marvel ganhou bastante dinheiro no início dos anos 90 devido ao boom das histórias em quadrinhos (banda desenhada) nos Estados Unidos, mas no meio da década enfrentou graves problemas financeiros, com acusações de que Perelman havia tirado todo o dinheiro da empresa em proveito próprio. Como consequência, a Marvel anunciou que o seu distribuidor exclusivo passaria a ser o Heroes World, que fez com que toda a indústria de distribuição de revistas de histórias em quadrinhos (banda desenhada) sofresse um grande abalo. A perda potencial da maior empresa da indústria, originou o encerramento das atividades da maioria dos distribuidores. No momento, existe apenas uma grande distribuidora de histórias em quadrinhos (banda desenhada) nos Estados Unidos: a Diamond Distribution. Muitos peritos julgam que esse fato causou um imenso dano à indústria das histórias em quadrinhos (banda desenhada).

No auge da crise, o investidor Carl Icahn tentou obter o controle da Marvel, mas após arrastadas batalhas jurídicas, o controle da empresa foi entregue em 1997 à Isaac Perlmutter, proprietário da Toy Biz, uma das empresas do grupo. Com o seu sócio Avi Arad e os seus nomeados (e controversos) editor Bill Jemas e diretor Joe Quesada, Perlmutter reergueu a Marvel. Além da revitalização das revistas da empresa, alguns dos seus personagens foram licenciados para se tornarem filmes de sucesso, principalmente X-Men, X-Men Origins: Wolverine, Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Hulk, Homem de Ferro, Thor, Justiceiro, Demolidor e Blade.

A Marvel manteve-se por décadas como a principal editora estadunidense de histórias em quadrinhos (banda desenhada), mesmo numa altura em que a indústria é apenas uma fração do que foi décadas atrás. Há pelo menos três décadas, a principal concorrente, DC Comics, está muito abaixo da Marvel em vendas e fracassa constantemente em suas tentativas de aproximar-se da Marvel em vendas. Enquanto os personagens da DC que podem ser considerados famosos jamais ultrapassam o número de seis, os da Marvel continuam crescendo constantemente, à medida que a mesma apresenta ao público não-leitor de quadrinhos seus originais, interessantes e bem-bolados personagens. Enquanto há duas décadas o grande público conhecia apenas alguns dos mais famosos e bem-sucedidos personagens da Marvel (como o Homem-Aranha, Hulk, Homem-de-Ferro, Capitão América, Tocha Humana, Thor e Surfista Prateado) hoje são famosos entre os não-leitores de quadrinhos personagens como Wolverine e os X-Men, Justiceiro, Demolidor e Motoqueiro Fantasma. Além disso, principalmente através do cinema e desenhos animados, a Marvel vem apresentando, sempre com enorme sucesso, ano após ano, seu gigantesco acervo de personagens maravilhosos.

Stan Lee já não está oficialmente ligado à empresa, mas permanece sendo o nome mais conhecido e importante na indústria e ocasionalmente demonstra o seu carinho pelos personagens, em edições especiais ou declarações públicas.

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Cosplays fantasiados de personagens da Marvel (da esquerda para direita: Homem-Aranha, Demolidor, Ms. Marvel e Sr. Fantástico)

Em 2001, a Marvel Comics retirou-se da Comics Code Authority e estabeleceu o seu próprio sistema de classificação para as suas revistas.[13] Criou também novas linhas editoriais, incluindo uma destinada a adolescentes mais velhos (Marvel Knights) e outra a adultos: a (MAX). Outro fator marcante na história da Marvel no início do novo milênio foi sua parceria com Hollywood, que resultou em várias adaptações de sucesso, iniciadas com o filme do Homem-Aranha, em 2002.[14]

Em 2006, a Marvel lançou uma megassaga intitulada Guerra Civil, onde a comunidade heroica viu-se dividida, devido a uma Lei de Registro de Super-Humanos.[15] Essa saga discutiu, de maneira profunda, vários fatores políticos e éticos, aumentando ainda mais a verossimilhança do Universo Marvel com o universo real. Nestes mesmo ano a empresa criou sua própria enciclopédia wiki em seu website.[16]

Em 2007 a empresa inovou novamente, anunciando a Marvel Digital Comics Unlimited, um arquivo digital de cerca de 2.500 edições de histórias em quadrinhos antigas, disponíveis para leitura após o pagamento de uma pequena taxa mensal ou anual.[17]

Em 2009, a Walt Disney Company comprou a Marvel Entertainment por 4 bilhões de dólares em dinheiro e ações.[18][19]

A editora norte-americana apresentou em fevereiro de 2014 uma nova personagem de banda desenhada: a super-heróina Kamala Khan, uma pacata adolescente de Jersey, capaz de mudar de forma e que é muçulmana.[20]

Editores-chefe[editar | editar código-fonte]

O editor-chefe supervisiona as decisões criativas de maior escala dentro da companhia. O cargo evoluiu lentamente. Nos primeiros anos, a empresa teve um único editor a supervisionar a linha inteira. Com o crescimento da companhia, tornou-se cada vez mais comum para os títulos ser inspecionado em separado. O conceito de "escritor-editor" evoluiu com Stan Lee, que escrevia e geria mais de uma linha de produção. Porém, enquanto Lee deteve grande poder dentro da empresa durante sua gestão, quando o editor Martin Goodman promoveu as mudanças na estrutura de sua empresa e os quadrinhos tornaram-se um divisão relativamente pequena, seus sucessores tiveram participações de escalas variáveis dentro da gestão corporativa.

A década de 70 foi marcada por uma grande quantidade de editores-chefe. Com grande rotatividade de nomes, parece que alguns foram nomeados como mera extensão de suas funções editoriais. Somente quando Jim Shooter assumiu em 1978, o cargo foi claramente definido.

Em 1994, a Marvel aboliu o cargo, substituindo Tom DeFalco por um grupo de 5 editores, que receberam cada um o título de editor-chefe, tendo outros editores subordinados a si. Porém, no mesmo ano, o cargo foi restaurado, sendo entregue a Bob Harras. Em 2000, Joe Quesada assumiu a sua posição.

Nos países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Marvel Comics em evento no Pentágono.

Os personagens da Marvel Comics têm sido, ao longo dos anos, publicadas nas mais diferentes editoras brasileiras e portuguesas. Em Abril de 1940, Namor estreia em Gibi Mensal 142 da RGE (atual Editora Globo) [22] (tornando errônea a comemoração de 40 anos da Marvel no Brasil, já que a mesma celebra 70 anos em 2009, contando os anos da Timely).[23][24] A partir de 1967 foram lançados pelo EBAL como estratégia de uma grande campanha publicitária da companhia Shell, que distribuía exemplares das revistas gratuitamente nos postos de gasolina. No filme brasileiro O Homem Nu (1968), produzido com parte do patrocínio obtido pela citada companhia, pode-se ver com destaque pôsteres com os 5 super-heróis Marvel do desenho animado de 1966, colocados em uma vitrine: Capitão América, Hulk, Thor, Namor e Homem de Ferro. No Brasil, os quadrinhos da Marvel são publicados atualmente pela editora Panini Comics e em Portugal pela Levoir e G Floy Studio.

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Várias séries televisivas, tanto live-action como animadas, foram baseadas nos personagens da Marvel Comics, como Homem-Aranha, X-Men e Quarteto Fantástico. Os pioneiros foram a animação The Marvel Super Heroes, produzida pelo estúdio Grantray-Lawrence Animation, conhecida como desenhos desanimados por animação limitada geralmente tirando a arte dos quadrinhos,[25] e The Incredible Hulk, com Lou Ferrigno como o Hulk e Bill Bixby como seu alter-ego Dr. Banner.

Em meados dos anos 90, foram produzidas várias séries animadas de diversos personagens Marvel, todos pertencentes ao mesmo Universo Animado Marvel.

Após o estabelecimento da Marvel Studios, novos seriados com atores foram feitos em duas frentes. A companhia-irmã ABC transmite duas séries ligadas ao Universo Marvel Cinematográfico, Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D. (seguindo um esquadrão da S.H.I.E.L.D. liderado pelo agente Phil Coulson, interpretado por Clark Gregg), e Marvel's Agent Carter (os primórdios da S.H.I.E.L.D. na década de 1940, sob a ótica de Peggy Carter, interpretada por Hayley Atwell), exibida em Portugal pelas emissoras FOX e SIC, e no Brasil pela Sony e a Globo. Já o serviço online Netflix distribui séries mais realistas com heróis e anti-heróis baseados em Nova York, que se reunem no grupo Defensores. Formados por Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage e Punho de ferro.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Muitos personagens Marvel foram adaptados para o cinema, principalmente a partir do final dos anos 90. O sucesso de franquias baseadas em nos personagens Blade, X-Men e Homem-Aranha levaram a Marvel a transformar seu estúdio Marvel Films em uma produtora autossuficiente, com distribuição da Paramount Pictures, cuja primeira produção foi Iron Man.

Referências

  1. Sanderson, Peter (20 de Novembro de 2007). The Marvel Comics Guide to New York City. Gallery Books.
  2. "8 Real & Fictional Addresses of Superheroes in New York City". Dorkly. 27 de Abril de 2011.
  3. «DC versus Marvel - A comparison of Comic Book Publishers». BBC News. Consultado em 15 de setembro de 2010 
  4. a b Sérgio Codespoti (25 de fevereiro de 2013). «Ka-Zar, um dos personagens mais antigos da Marvel». Universo HQ 
  5. a b Per statement of ownership, dated October 2, 1939, published in Marvel Mystery Comics #4 (February 1940), p. 40; reprinted in Marvel Masterworks: Golden Age Marvel Comics Volume 1 (Marvel Comics, 2004, ISBN 0-7851-1609-5), p. 239
  6. Shirrel Rhoades (2008). A complete history of American comic books. [S.l.]: Peter Lang. 30 páginas. ISBN 1433101076, ISBN 9781433101076 Verifique |isbn= (ajuda) 
  7. unpublished Martin Goodman biography by Joseph Lovece
  8. Simon, Joe, with Jim Simon. The Comic Book Makers (Crestwood/II Publications, 1990), p. 208. ISBN 1-887591-35-4
  9. Daniels, Les (1991). Marvel: Five Fabulous Decades of the World's Greatest Comics. Nova Iorque: Harry N. Abrams. 27, 32–33 p.
  10. Robert M. Overstreet (1989). Comic Book Price Guide. [S.l.]: Random House. pp. A–12. ISBN 9780876377918 
  11. Per Les Daniels in Marvel: Five Fabulous Decades of the World's Greatest Comics (Harry N. Abrams, New York, 1991) ISBN 0-8109-3821-9, pp. 67-68: "The success of EC had a definite influence on Marvel. As Stan Lee recalls, 'Martin Goodman would say, "Stan, let's do a different kind of book," and it was usually based on how the competition was doing. When we found that EC's horror books were doing well, for instance, we published a lot of horror books'".
  12. Alter Ego #43 (Dez. 2004, p. 43-44
  13. «Marvel rompe com o Código de Ética». Universo HQ (em português). 25 de maio de 2001. Consultado em 15 de maio de 2010 
  14. «Box Office Moho: Marvel Comics» 
  15. «Guerra Civil - Guia de Leitura». Panini Comics 
  16. «Marvel Universe wiki» 
  17. «USA Today Article» 
  18. Goldman, David. «Disney to buy Marvel for $4 billion». CNNMoney. Consultado em 14 de setembro de 2010 
  19. Barnes, Brooks; Cieply, Michael. «Disney Swoops Into Action, Buying Marvel for $4 Billion». New York Times. Consultado em 14 de setembro de 2010 
  20. Marvel lança em 2014 super-heroína muçulmana, Diário de Notícias
  21. «Marvel anuncia novo Editor-Chefe». IGN Brasil. 18 de novembro de 2017 
  22. «Título ainda não informado (favor adicionar)». Arquivado do original em 2 de junho de 2012 
  23. «Marvel Comics comemora seus 70 anos». Arquivado do original em 26 de janeiro de 2009 
  24. A breve história do Novo Universo
  25. «Lembra desse? Desenhos desanimados da Marvel» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Marvel Comics