Anna Gabriel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Anna Gabriel
Anna Gabriel (2016)
Deputada do Parlamento da Catalunha
por Barcelona
Período 26 de outubro de 2015
a 28 de outubro de 2017
Regidora de Sallent[1]
Período 2003 a 2011
Dados pessoais
Nome completo Anna Gabriel i Sabaté
Nascimento 1975 (44 anos)
Sallent
Nacionalidade espanhola
Alma mater Universidade Autônoma de Barcelona
Partido Candidatura de Unidade Popular
Assinatura Assinatura de Anna Gabriel

Anna Gabriel i Sabaté (Sallent, 1975) é uma educadora social, professora de direito e política da Catalunha, Espanha.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Sallent e pertence a uma família mineira. Seu pai emigrou desde Minas de Riotinto[2], província de Huelva, e chegou a Sallent para trabalhar na mina. Sua mãe, nascida ali, pertence a uma família mineira de Múrcia[2] e militou no Partido Socialista Unificado da Catalunha (PSUC)[3]. Seu avô era da Confederação Nacional do Trabalho (CNT), igual ao seu bisavô[4]. Anna Gabriel e seu irmão foram os primeiros independentistas da família[5].

Após estudar Educação Social, licenciou-se posteriormente em Direito e realizou um mestrado em Direitos Sócio-laborais na Universidade Autônoma de Barcelona, onde atualmente é professora associada de História do Direito[6]. Milita desde 2002 na CUP, onde defende dentre outras coisas o feminismo[7].

Foi portavoz da campanha Independència per canviar-ho tot (Independência para mudar tudo, em português) e regidora da Prefeitura de Sallent entre os anos de 2003 e 2011. Em 2004, se apresenta juntamente a CUP às eleições para o Parlamento Europeu. Durante a legislatura 2012-2015 trabalhou como coordenadora do grupo parlamentário da CUP[8]. Nas eleições ao Parlamento da Catalunha de 2015, vai ser candidata da coalizão "Candidatura de Unidade Popular - Crida Constituent", após ser eleita nas primárias[9], e escolhida para ser deputada por Barcelona.

Referências

  1. Grau, Xavier (5 de novembro de 2015). «Anna Gabriel (CUP) afirma que els polítics han atorgat impunitat a Iberpotash». Diari Ara. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  2. a b «El origen onubense de la portavoz de la CUP». Diario de Huelva. 11 de janeiro de 2016. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  3. Amatller, Guillem (27 de setembro de 2017). «Anna Gabriel: "Si no se puede votar, quizás haya que volver a dinámicas de clandestinidad"». Publico. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  4. Lozano, Javier (12 de maio de 2016). «Autorretrato de Anna Gabriel: separatista, feminista, chavista,'malfollada', … y cavernícola». Actuall. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  5. «Anna Gabriel: "No hem sabut llançar prou el missatge que la CUP és un projecte on molta més gent hi té cabuda"» (em catalão). El crític. 18 de dezembro de 2015. Consultado em 29 de setembro de 2015 
  6. Segura, Cristian (4 de outubro de 2015). «Filla del PSUC i néta de bruixa». El País. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  7. Tomàs, Neus (13 de maio de 2016). «Anna Gabriel: "A las mujeres de la CUP nos insultan por nuestra ideología"». El Periodico. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  8. «Los diez diputados electos». La Vanguardia, 04-10-2015, pág. 21.
  9. Escudé, Jordi (6 de agosto de 2015). «La CUP tria la sallentina Anna Gabriel de número dos per a "l'etapa clau" que obre el 27-S». Regió 7. Consultado em 4 de novembro de 2017