Anna Laetitia Barbauld

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Anna Laetitia Barbauld
Nascimento 20 de junho de 1743
Leicestershire
Morte 9 de março de 1825 (81 anos)
Stoke Newington
Cidadania Reino Unido
Ocupação poetisa, escritora, escritora de literatura infantil, crítico literário, ensaísta

Anna Laetitia Barbauld (née Aikin; 20 de junho de 1743 - 9 de março 1825) foi uma proeminente poeta inglesa, ensaísta, crítica literária, editora e autora de livros infantis.

Uma "mulher de letras", que publicou em vários gêneros, Barbauld teve uma carreira bem sucedida na escrita em um momento em que escritoras profissionais eram raras. Ela era uma professora notável na Academia Palgrave e uma inovadora escritora infantil com Lessons for Children; seus pensamentos forneceram um modelo para a pedagogia por mais de um século.[1] Seus ensaios demonstraram que era possível para uma mulher ser acoplada ao público na política, e outras autoras como Elizabeth Benger foram influenciadas por ela.[2] A carreira literária de Barbauld estendeu por vários períodos na história da literatura britânica: seu trabalho promoveu valores tanto do Iluminismo e da sensibilidade, e a sua poesia era fundamental para o desenvolvimento do romantismo britânico.[3] Barbauld também foi uma crítica literária, e sua antologia de romances britânicos do século XVIII ajudou a estabelecer o cânone como é conhecido hoje.

A carreira de Barbauld como poeta terminou abruptamente em 1812 com a publicação de Eighteen Hundred and Eleven, que criticou a participação da Grã-Bretanha nas Guerras Napoleônicas. As resenhas venenosas chocaram Barbauld, e ela não publicou mais nada durante sua vida.[4] Sua reputação foi danificada ainda mais quando muitos dos poetas românticos que ela havia inspirado no auge da Revolução Francesa se voltaram contra ela em seus posteriores, mais conservadores, anos. Barbauld foi lembrada apenas como escritora pedante das crianças durante o século XIX, e em grande parte esquecida durante o século XX, mas o surgimento da crítica literária feminista na década de 1980 renovou o interesse em suas obras e restaurou o seu lugar na história da literatura.[5]

Referências

  1. McCarthy, William. "Mother of All Discourses: Anna Barbauld's Lessons for Children." Culturing the Child, 1690–1914: Essays in Memory of Mitzi Myers. Ed. Donelle Ruwe. Lanham, MD: The Children's Literature Association and the Scarecrow Press, Inc. (2005).
  2. Armstrong, Isobel. "The Gush of the Feminine: How Can we Read Women's Poetry of the Romantic Period?" Romantic Women Writers: Voices and Countervoices. Eds. Paula R. Feldman and Theresa M. Kelley. Hanover: University Press of New England (1995) and Anne K. Mellor. "A Criticism of Their Own: Romantic Women Literary Critics." Questioning Romanticism. Ed. John Beer. Baltimore: Johns Hopkins Univ. Press (1995).
  3. Janowitz, Anne. Women Romantic Poets: Anna Barbauld and Mary Robinson. Tavistock: Northcote House (2003).
  4. Barbauld, Anna Letitia. Anna Letitia Barbauld: Selected Poetry and Prose. Eds. William McCarthy and Elizabeth Kraft. Peterborough: Broadview Press Ltd. (2002), 160.
  5. McCarthy, William. "A 'High-Minded Christian Lady': The Posthumous Reception of Anna Letitia Barbauld." Romanticism and Women Poets: Opening the Doors of Reception. Eds. Harriet Kramer Linkin and Stephen C. Behrendt. Lexington: University Press of Kentucky, (1999).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Anna Laetitia Barbauld
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.