Anna Sewell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Anna Sewell
Cerca de 1840
Nascimento 30 de março de 1820
Great Yarmouth, Norfolk, Reino Unido
Morte 25 de abril de 1878 (58 anos)
Old Catton, Norfolk, Reino Unido
Nacionalidade britânico
Ocupação escritora
Gênero literário literatura infantil
Magnum opus Black Beauty (1877)

Anna Sewell (Great Yarmouth, 30 de março de 1820 – Old Catton, 25 de abril de 1878) foi uma escritora inglesa.

É mais conhecida por seu livro de 1877 Black Beauty, seu único trabalho publicado que atualmente é considerado um dos dez livros mais vendidos para o público infantil, ainda que a autora visasse a audiência adulta. Anna morreu cinco meses depois da publicação de Black Beauty, sem saber que seu livro seria um grande sucesso.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anna nasceu em Great Yarmouth, em 1820, no seio de uma devota família Quaker. Seu pai era Isaac Phillip Sewell (1793–1879), um comerciante que não conseguia ganhar o suficiente para garantir o sustento da família, e sua mãe era Mary Wright Sewell (1798–1884), uma bem-sucedida poeta e escritora de livros infantis. Anna tinha um irmão, Phillip, que junto da irmã, foram educados em casa, principalmente por sua mãe, já que a família não tinha dinheiro para enviá-los a uma escola.[1] Quando a situação financeira da família se complicou, Mary mandou os filhos para morar com a avó e assim a família mudava com frequência.[2]

Em 1822, a pequena loja de Isaac faliu e a família então se mudou para Dalston, em Londres.[3] A vida era muito difícil para a família nessa época, que passou a enviar as crianças para os avós com mais frequência para terem melhores cuidados.[1]

Em 1832, quando Anna tinha 12 anos, eles se mudaram para Stoke Newington e as crianças frequentaram a escola pela primeira vez.[4] Dois anos depois, enquanto caminhava para casa voltando da escola, Anna caiu e machucou gravemente os dois tornozelos. O tratamento foi doloroso e ela nunca se recuperou do ferimento. Pelo resto da vida, ela precisou usar muletas para se locomover e não conseguia ficar em pé sem usar uma bengala. Para ter uma maior mobilidade, ela utilizava carruagens a cavalo, o que contribuiu muito para o seu amor por cavalos e as preocupações com o tratamento dispensado a eles.[1][2]

Em 1836, quando tinha 16 anos, seu pai conseguiu um emprego em Brighton, esperando que o clima mais ameno fosse benéfico para a saúde de Anna. Nessa época, ela seguiu os desejos da mãe, abandonando a comunidade quaker pela Igreja Anglicana.[2] Sua mãe escreveu vários livros infantis com temas evangélicos e Anna a ajudava na edição. As duas também trabalharam juntas em várias obras sociais, como a abolição da escravidão. Mary foi uma grande influência na vida dos filhos, especialmente na de Anna.[1][2]

Em 1845, a família se mudou novamente, para Lancing. Como a saúde de Anna não melhorava, ela viajou pela Europa em busca de tratamento. Quando voltou, continuou morando com seus pais, seguindo-os a cada nova mudança, como para Bath, em 1864. Em 1866, a esposa de seu irmão Philip morreu, deixando sete crianças pequenas para ele cuidar. No ano seguinte, a família se mudaria para a vila de Old Catton, nos arredores de Norwich, para poder ajudá-lo com os filhos.[1][2]

Black Beauty[editar | editar código-fonte]

Enquanto vivia em Old Catton, Anna escreveu o rascunho de Black Beauty, entre 1871 e 1877. Neste período sua saúde piorou muito, estando quase sempre confinada à cama. Escrever era um desafio para quem mal conseguia se sentar, então ela ditava para sua mãe e em 1876 começou a escrever em pequenos pedaços de papel que depois sua mãe transcrevia na máquina de escrever.[1]

O livro foi o primeiro livro inglês a ser escrito pela perspectiva de um animal. Atualmente é considerado um clássico infantil, mas originalmente Anna escreveu para educar profissionais que trabalhassem com cavalos. Ela queria semear a simpatia, a bondade e a compreensão para com os cavalos. Em muitos aspectos, o livro pode ser lido com um guia para o cuidado com cavalos, a limpeza dos estábulos e práticas humanas de treinamento. Considera-se que ele tenha levado a uma redução na crueldade dispensada aos cavalos. Por exemplo, o uso de correias para impedir o animal de levantar a cabeça era considerado muito doloroso para o cavalo e a prática foi criticada no livro. Nos anos seguintes, o uso das correias começou a cair em desuso até ser abandonado.[1][2]

O livro foi vendido para a editora Jarrolds, de Norwich, em 24 de novembro de 1877. Ela recebeu apenas £40 por ele (cerca de £3,500 atualmente) e o livro foi publicado no mesmo ano.[1]

Morte[editar | editar código-fonte]

Após a publicação de seu único livro, Anna ficou muito doente. Ela sofria de dores fortes e ficou completamente restrita à cama nos meses seguintes. Anna morreu em 25 de abril de 1878, aos 58 anos, devido à uma tuberculose ou uma hepatite, apenas cinco meses após a publicação de Black Beauty. Ela foi sepultada no cemitério quaker de Lamas, em Norfolk.[5]

Referências

  1. a b c d e f g h i «Anna Sewell». Literary Norfolk. Consultado em 9 de março de 2021 
  2. a b c d e f Nava Atlas (ed.). «Anna Sewell». Literary Ladies Guide. Consultado em 9 de março de 2021 
  3. Guest, Kristen (2011). Black Beauty: His Grooms and Companions: the Autobiography of a Horse. [S.l.]: Cambridge Scholars Publishing. ISBN 978-1-4438-3382-0 
  4. Hodges, Jack (2009). The maker of the omnibus. São Paulo: Faber & Faber. p. 85. ISBN 978-0571255108 
  5. «Anna Sewell Memorial». Sole. Consultado em 9 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Anna Sewell
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Anna Sewell