Antíoco Híerax

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Janeiro de 2010).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Antíoco Híerax (ou Hierace; em grego: Αντίοχος Ιέραξ; ? — 226 a.C.) foi um governante selêucida do século III a.C., filho de Antíoco II Teos e Berenice, a sua segunda esposa [carece de fontes?] ou, segundo Eusébio de Cesareia, filho de Antíoco II Teos e Laódice I, filha de Aqueu.[1]

Família[editar | editar código-fonte]

Seu pai era filho de Antíoco I Sóter e Estratonice, filha de Demétrio.[1] Segundo Eusébio, sua mãe Laódice era filha de Aqueu,[1] que outras fontes dão como filho de Seleuco I Nicator, fundador da dinastia selêucida e pai de Antíoco I Sóter.

Deve a sua alcunha ("falcão") ao seu caráter ambicioso. À morte do seu pai em 246 a.C., o reino selêucida passou ao seu irmão Seleuco II Calínico, que mandou matar a Berenice, e aos seus filhos, exceto ao próprio Híerax. Seleuco entregou-lhe o governo do norte de Anatólia, a pedido da sua mãe Laódice I, mas pronto começou a agir como um soberano independente, enquanto o rei selêucida se via envolvido na Segunda Guerra Síria contra Ptolemeu II.

Uma vez conseguida a paz, Seleuco II visou a recuperar os territórios governados por Híerax, pelo qual estourou a chamada Guerra dos Irmãos (241-235 a.C.). Esta guerra fratricida degenerou num conflito mais amplo, porque implicou aos gálatas e a Mitrídates I do Ponto, que apoiaram a Híerax. Em 235 a.C, Seleuco II foi derrotado e abandonou a Ásia Menor. Contudo, então entrou em cena Átalo I de Pérgamo, que se liberou da vassalagem gálata e atacou-lhes, o mesmo que a Antíoco Híerax. Entre 230 e 228 a.C., Híerax foi derrotado três vezes e foi expulso de Anatólia.

Então dirigiu-se para o Alto Eufrates com a intenção de criar um novo reino, aproveitando que Seleuco II estava lutando contra os partos, mas este abandonou a Pártia e derrotou-o, morrendo pouco depois.

Referências

  1. a b c Eusébio de Cesareia, Crônica, 95, Os reis da Ásia Menor depois da morte de Alexandre, o Grande

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grimal, Pierre. El helenismo y el auge de Roma. Siglo XXI de España Editores. ISBN 84-323-0066-7.

Referências