António Duarte Ramada Curto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde junho de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
António Duarte Ramada Curto
Nascimento 1849
Morte 1921 (72 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação médico
Prêmios Comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Grã-Cruz da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa

António Duarte Ramada Curto GCNSC (Sesimbra, 25 de Janeiro de 1849Lisboa) foi médico, militar naval e político, Governador-Geral de Angola por dois períodos.

Obras[editar | editar código-fonte]

António Duarte Ramada Curto nasceu em 25 de Janeiro de 1849, em Sesimbra.[1] [2]

Filho de José Rodrigues Curto,[1][2] Bacharel formado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Médico em Sesimbra, onde nasceu e morreu, e de sua mulher Cláudia Maria Ramada[1][2] e tio paterno de Amílcar da Silva Ramada Curto.[3]

Viria a casar com María del Carmen Zanoletti y Soler (Madrid - Lisboa), filha de José María Zanoletti e de sua mulher María de los Reyes Soler, com geração.[3]

Ramada Curto formou-se na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, em 1874.[1] [2]

Licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Coronel-Médico do Exército.[3]

Ramada Curto foi nomeado director do Museu Colonial de Lisboa, desempenhando estas funções entre 1890 e 1892.[4]

Exerceu por duas vezes o cargo de 96.º e 100.º Governador-Geral da Província de Angola, a primeira entre 1897 e 1900, tendo sido antecedido em 1897 por um conselho governativo e sucedido por Francisco Xavier Cabral de Oliveira Moncada. O segundo mandato, agora como Governador-Geral interino, ocorreu entre 1904 e 1906, tendo sido antecedido por Custódio Miguel de Borja e sucedido por Ernesto Augusto Gomes de Sousa.[5][6][7]

Foi, também, 56.º Governador Civil do Distrito de Lisboa de 11 de Janeiro de 1910 a 25 de Junho de 1910.[3][8]

Entre outras honrarias, Ramada Curto foi feito Comendador da Ordem de Cristo.[1][2]

Conselheiro de Sua Majestade Fidelíssima, Comendador e Grã-Cruz da dinástica Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.[3][9]

António Duarte Ramada Curto morreu em 1921, em Lisboa.[carece de fontes?]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • O acido phenico nas febres paludosas. Tese/dissertação. Lisboa: [s.n.] 1874. OCLC 800681653 
  • L'alcoolisme dans les colonies portugaises. com Ayres Kopke; Visconde de Giraul. Lisboa: Imprimerie "A Editora". 1910. OCLC 48526544 

Bibliografia passiva[editar | editar código-fonte]

  • Martins, A. Rita (1938). Conselheiro Ramada Curto. Col: Congresso da Historia da Expansão Portuguesa no Mundo, 5.ª secção. Lisboa: Sociedade Nacional de Tipografia. OCLC 83760986 
  • Lapa, Albino (1940). Conselheiro Ramada Curto. Col: Colecção pelo Império, n.º 61-62. Lisboa: Divisão de Publicações e Biblioteca, Agência Geral das Colónias. OCLC 3060048 

Referências

  1. a b c d e «A nossas Gravuras : Conselheiro António Duarte Ramada Curto». O Occidente n.º 692, Hemeroteca municipal de Lisboa. 20 de Março de 1898. p. 0058. Consultado em 8 de junho de 2016 
  2. a b c d e Portugal em Africa: revista scientifica, Volume 5. Lisboa: Typ. da Companhia Nacional Editora. 1898. p. 138. Consultado em 8 de junho de 2016 
  3. a b c d e "Costados", D. Gonçalo de Mesquita da Silveira de Vasconcelos e Sousa, Livraria Esquina, 1.ª Edição, Porto, 1997, N.º 63 e N.º 83
  4. «Museu Colonial de Lisboa». Sociedade Geografia de Lisboa. Consultado em 8 de junho de 2016 
  5. «Angola». Rulers.org. Consultado em 8 de junho de 2016 
  6. «Angola». Worldstatesmen.org. Consultado em 8 de junho de 2016 
  7. African States and Rulers, John Stewart, McFarland
  8. Júlia Nunes; Madalena Bobone (coord.) (Julho de 2008). «Governadores Civis (1835 - 2008)» (PDF). Lisboa: Divisão de Documentação e Arquivo, Ministério da Administração Interna, Secretaria-Geral. p. 57. Consultado em 8 de junho de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 22 de janeiro de 2011 [ligação inativa]
  9. "A Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa", Francisco Belard da Fonseca, Fundação da Casa de Bragança, Lisboa, 1955, pp. 26 e 120

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]