António Elísio Capelo Pires Veloso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
António Elísio Capelo Pires Veloso
Nascimento 10 de agosto de 1926
Gouveia
Morte 17 de agosto de 2014 (88 anos)
Porto
Nacionalidade Portugal Portuguesa

António Elísio Capelo Pires Veloso OA (Gouveia, 10 de agosto de 1926Porto, 17 de agosto de 2014)[1] foi um major-general do Exército português, conhecido como o "vice-rei do Norte" pelo seu desempenho militar no Golpe de 25 de Novembro de 1975 e pelo livro de memórias que escreveu em 2009.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Gouveia, frequentou o Liceu Nacional Alexandre Herculano, no Porto, até 1944, ano em que se matriculou no Curso de Preparatórios Militares da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Aos vinte anos ingressou na Escola do Exército, concluindo o curso de Infantaria, a que se seguiu o tirocínio na Escola Prática de Infantaria. Em 1949 iniciou efetivamente a sua carreira militar, como alferes em Macau, onde permaneceu até 1951. Em 1961, com o eclodir da Guerra do Ultramar, prestou serviço em Angola, até 1964, e em Moçambique, entre 1965 e 1974. A 20 de Junho de 1962 foi feito Oficial da Ordem Militar de Avis.[2]

Após o 25 de Abril de 1974, Pires Veloso foi nomeado governador de São Tomé e Príncipe, passando, a 18 de dezembro do mesmo ano, a alto comissário, função que manteve até à independência do território, a 12 de julho de 1975.[3] Em setembro de 1975 foi designado comandante da Região Militar do Norte, com quartel-general no Porto.

Pires Veloso foi um dos protagonistas do Golpe de 25 de Novembro de 1975 que pôs fim ao chamado Verão Quente de 1975. Nesse dia, em que Portugal esteve a um passo da guerra civil, o então comandante da Região Militar do Norte mobilizou as suas tropas no apoio aos "moderados", disponibilizando-se mesmo para acolher no Porto um governo provisório.[1]

Pires Veloso integrou o Conselho da Revolução entre 1975 e 1977, ano em que também terminou a sua missão de comandante da Região Militar do Norte. Candidatou-se a Presidente da República Portuguesa, como independente, nas eleições de 1980, mas não obteve mais do que 0,78% dos votos, num sufrágio em que foi reeleito Ramalho Eanes.[4] Com a frequência do Curso Superior de Comando e Direção do Instituto de Altos Estudos Militares, Pires Veloso ascendeu à patente de oficial general em 1988.

No dia 25 de abril de 2006 foi agraciado pelo então presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Rio, com a Medalha Municipal de Mérito (Grau Ouro), pelo seu "desempenho militar" e "papel fundamental na consolidação da democracia nacional durante o período em que comandou a Região Militar do Norte".[5] Publicou o livro Vice-rei do Norte: memórias e revelações, em 2009. Pires Veloso era irmão mais novo de Aureliano Veloso, o primeiro presidente da Câmara Municipal do Porto eleito democraticamente após o 25 de Abril de 1974, e tio do cantor Rui Veloso.

Faleceu a 17 de agosto de 2014, no Hospital Militar do Porto, em decorrência de um acidente vascular cerebral.

A 16 de Setembro de 2014 foi noticiado que foi entregue na Assembleia Municipal do Porto uma proposta para dar à Praça da República o nome do general Pires Veloso, pelo seu papel no golpe de 25 de Novembro de 1975.[6]

Referências

  1. a b Leonete Botelho (17 de agosto de 2014). «Morreu Pires Veloso, o "vice-rei do Norte"». Público. Consultado em 17 de agosto de 2014. 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Elísio Capelo Pires Veloso". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 7 de março de 2015. 
  3. «List of colonial heads of São Tomé and Príncipe» (em inglês). Worldstatesmen.org 
  4. «CNE Resultados Eleitorais». Comissão Nacional de Eleições 
  5. «Boletim da Câmara Municipal do Porto» (PDF). Câmara Municipal do Porto 
  6. «Nome do "vice-rei do Norte" proposto para praça do Porto». Diário de Notícias. 16 de setembro de 2014. Consultado em 16 de setembro de 2014. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CRUZ, Carlos Benigno, S. Tomé e Príncipe, do colonialismo à independência, Moraes Editores, 1975, 159 pp.
  • SANTOS, Carlos Pinto, Mil dias: diário de uma revolução, volume 1, Mil Dias Editora, 1978, 376 pp.
  • VELOSO, António Pires, Vice-rei do Norte: memórias e revelações, Âncora Editora, 2009, 465 pp.
  • General Pires Veloso - Democrata e Patriota, Âncora Editora, 2016, 208 pp.
Precedido por
João Cecílio Gonçalves
Governador de São Tomé e Príncipe
1974
Sucedido por
o próprio
Precedido por
o próprio
Alto Comissário de São Tomé e Príncipe
1974 — 1975
Sucedido por
Independência de São Tomé e Príncipe
Ícone de esboço Este artigo sobre Personalidades, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.