António Fonseca (ator)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
António Fonseca
Nome completo António Manuel Ferreira da Fonseca
Nascimento 14 de outubro de 1953 (64 anos)
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Actor e encenador
Atividade 1977–presente
Outros prêmios
Globo de Ouro (2012)
Página oficial
IMDb: (inglês)

António Manuel Ferreira da Fonseca[1] (14 de Outubro de 1953) é um actor e encenador português.

Estudou filosofia e teatro. Actor desde 1977.

Trabalhos mais recentes em teatro: Força Humana a partir d’Os Lusíadas de Luís de Camões, direção de António Fonseca e José Neves; Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, encenação de Rogério de Carvalho; O Contrabaixo, de Patrick Suskind, encenação de António Mercado; Ricardo III, de William Shakespeare, encenação de Tónan Quito; Vermelho, de John Logan (nomeado para os Globos de Ouro e Prémios SPA – melhor ator) encenação de João Lourenço.

Trabalha regularmente em televisão: Os Boys, Rainha das Flores, Mar Salgado, Cidade Despida, Depois do Adeus, Odisseia. No cinema, foi nomeado para os prémios Sophia, na categoria de melhor actor secundário, por Florbela, de Vicente Alves do Ó.

Possui o título de Especialista em Interpretação e é professor no Curso de Teatro e Educação da ESEC.

Há vários anos a trabalhar Os Lusíadas de Luís de Camões, editou em Novembro de 2016, o audiolivro Os Lusíadas como nunca os ouviu com a gravação integral da obra.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Documentário[editar | editar código-fonte]

  • 8816 Versos (2013)[2]

Audiolivro[editar | editar código-fonte]

  • Os Lusíadas como nunca os ouviu (2016) [3]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Lista de associados da Audiogest» (PDF). Actividades Culturais / Ministério da Cultura. 25 de Julho de 2007. Consultado em 24 de Dezembro de 2013. 
  2. «Trailer 8816 Versos». Vimeo. Consultado em 19 de janeiro de 2017. 
  3. «Os Lusíadas como nunca os ouviu»