António José da Silva Paulet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
António José da Silva Paulet
Nascimento 1778
Azeitão (São Lourenço e São Simão)
Morte 1837 (59 anos)
Cidadania Portugal
Ocupação engenheiro
Carta da Capitania do Ceará (Antônio José da Silva Paulet, 1818).

Antônio José da Silva Paulet (Vila Nogueira de Azeitão, 17781837) foi um engenheiro militar português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

De ascendência francesa, com a patente de Tenente-coronel do Real Corpo de Engenheiros, chegou em 1812 à então Província do Ceará para o cargo de ajudante de ordens do seu novo governador, o coronel Manuel Inácio de Sampaio e Pina Freire. [2] [3] [4] [5] [6] [7]

Foi o autor do primeiro plano urbanístico para a cidade de Fortaleza, em 1812. Entre as obras que executou na cidade, destacam-se a Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção e o Passeio Público. A ideia central do seu plano urbanístico para Fortaleza (o sistema de traçado em xadrez), é mantido no plano urbanístico de Adolfo Herbster de 1875.[8] [9] [10] [11] [12]

Foi elevado à patente de Coronel Efetivo do Real Corpo de Engenheiros, passando a comandar a província de Missões, em lugar do Marechal de Campo Francisco das Chagas Santos, por ordem real de 12 de fevereiro de 1820. Regressou com o Governador Sampaio em 1820, retornando ao Reino de Portugal. [13]

No contexto da Guerra Civil Portuguesa, entre 1828 e 1834, envolveu-se politicamente, tendo mesmo chegado a pegar em armas. Detido, foi julgado e condenado à morte, tendo logrado escapar à punição. [14][15][16]

Em sua homenagem, uma rua de Fortaleza, no bairro da Aldeota, recebeu o seu nome: Rua Silva Paulet.[17]

Referências

  1. «Contribuiçào de Adolpbo Herbster à forma urbana da Cidade da Fortaleza» (PDF). Revista do Instituto do Ceará. 1994. Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  2. Nogueira, Gabriel Parente (9 de fevereiro de 2018). Viver à Lei da Nobreza. [S.l.]: Appris Editora e Livraria Eireli - ME. ISBN 9788547306052 
  3. Ceará, Instituto do (1953). Historia do Ceara. [S.l.: s.n.] 
  4. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. [S.l.: s.n.] 1865 
  5. Diário do governo: 1822. [S.l.]: Impressa Nacional. 1822 
  6. Ceará, Instituto do (1955). Revista do Instituto do Ceará. [S.l.: s.n.] 
  7. A praça. [S.l.]: Gráfica Editora R. Esteves Tiprogresso. 1989 
  8. «Cadastro Patrimônio Edificado Fortaleza Centro». Oficina de Projetos. 2002. Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  9. Dantas, Eustógio Wanderley Correia; Silva, José Borzachiello da; Costa, Maria Clélia Lustosa (2009). De cidade a metrópole: (trans)formações urbanas em Fortaleza. [S.l.]: Eustogio Wanderely Correia. ISBN 9788572823517 
  10. Rodrigues, Antonio Paiva (1 de novembro de 2006). Crônicas E Relatos. [S.l.]: Clube de Autores 
  11. Nascimento, José Clewton do (1 de janeiro de 2011). (Re)descobriram o Ceará? Representações dos sítios históricos de Icó e Sobral: entre areal e patrimônio nacional. [S.l.]: SciELO - EDUFBA. ISBN 9788523211509 
  12. Farias,Airton, de (26 de janeiro de 2016). História do Ceará. [S.l.]: Armazém da cultura. ISBN 9788584920174 
  13. Gazeta de Lisboa. [S.l.]: Na officina de Antonio Correa Lemos. 1820 
  14. Diario do Porto. [S.l.: s.n.] 1828 
  15. «Antigos Comandantes». Exército Português. 2007. Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  16. «Paulet condenado a morte». ceara.com.br. 2008. Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  17. «Google Maps». Google Maps. Consultado em 2 de abril de 2018. 

Ver também[editar | editar código-fonte]