António Segadães Tavares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
António Segadães Tavares
Nome completo António Segadães Madeira Tavares
Nascimento 3 de dezembro de 1944 (76 anos)
Vila Teixeira de Sousa, Angola colonial
Nacionalidade português Angola
Ocupação engenheiro civil

António Segadães Madeira Tavares (Vila Teixeira de Sousa, 3 de dezembro de 1944[1]) é um engenheiro civil de nacionalidade angolana e portuguesa.

Figura incontornável da engenharia em Portugal, terminou o ensino liceal em Nova Lisboa e matriculou-se em engenharia electrotécnica, no Instituto Superior Técnico, em 1961. A sua chegada à metrópole faz com que não fique indiferente ao movimento associativo contra a ditadura, envolvendo-se nas greves de 1962, quando foi decretado o luto académico. Um ano depois muda de curso e de cidade, primeiro para Coimbra, depois para o Porto, onde conclui finalmente a licenciatura em engenharia civil, em 1968. Recebe na ocasião o Prémio da Fundação Eng.º António de Almeida[2] e é convidado para assistente no Instituto Superior Técnico, onde lecionou até 1973. Ao mesmo tempo colaborou com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil, ente 1969 e 1975, que lhe editou o livro Análise Matricial de Estruturas, em 1972.

Apoiante do MPLA, regressa a Angola, onde se torna docente na Faculdade de Engenharia de Luanda. Porém, um assalto à sua casa, ocorrido em outubro de 1975, fá-lo regressar de imediato. Mais tarde vem a lecionar na Universidade Nova de Lisboa, exercendo ainda as funções de director do Departamento de Estudos e Projectos da Teixeira Duarte (1976-1980), de director técnico da Triede (1980-1986) e de director da Segadães Tavares & Associados, a partir de 1986.

Destacam-se entre os seus projetos o premiado "Projecto da Ampliação da Pista do Aeroporto da Madeira, a emblemática pala do Pavilhão de Portugal, o Centro Cultural de Belém, o Centro Vasco da Gama, o Hotel Le Méridien de Lisboa, a sede do Montepio Geral, a reconstrução da zona ardida do Chiado, o reforço do túnel do Rossio, em Lisboa, e o edifício do Banco de Portugal em Évora. Em Luanda assinou o Instituto Karl Marx (atual Instituto Médio de Economia), o Estádio da Cidadela e a sede do BES Angola. Segadães Tavares, que advoga uma engenharia funcional, considera incontornável a sua simbiose com a arquitetura.

Distinções[editar | editar código-fonte]

A 18 de agosto de 2000, Jorge Sampaio condecorou-o com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Mérito e a 5 de janeiro de 2006 com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.[3]

Em 2004 foi o primeiro português a vencer o prémio OStrA[4], o nobel da engenharia, pela ampliação do Aeroporto da Madeira.

Em Abril de 2012 a Universidade Nova de Lisboa concede-lhe o "Doutoramento Honoris Causa".

Referências

  1. Artigo CM 29.08.2004, O Super Engenheiro
  2. «Os Grandes Portugueses». Consultado em 26 de março de 2011. Arquivado do original em 2 de julho de 2011 
  3. «Entidades Nacionais Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António Segadães Madeira Tavares". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  4. Artigo sobre o prémio OStrA Arquivado em 2 de setembro de 2012, no Wayback Machine. na revista Pública nº 431 de 29-08-2004.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre engenharia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.