António Tavares (escritor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
António Tavres
Nascimento 1960 (57 anos)
Lobito, Angola colonial
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Escritor
Principais trabalhos As Palavras que Me Deverão Guiar um Dia (2014)
O Coro dos Defuntos (2015)
Prémios Prémio LeYa (2015)

António Tavares (Lobito, 1960) é um escritor, jornalista, professor e político português.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

António Tavares nasceu em 1960, na cidade de Lobito, na então província ultramarina portuguesa de Angola.[3] Em 1975, na sequência do processo de descolonização de África, mudou-se para Portugal e passou a frequentar o liceu no Porto. Fez a licenciatura em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Exerceu a atividade docente no ensino secundário na Escola Secundária Domingos Rebelo, em Ponta Delgada, e na Escola Dr. Joaquim de Carvalho, na Figueira da Foz.

Foi autarca no município da Figueira da Foz de 2005 a 2009 como não executivo, e entre 2009 a 2013 como executivo nos pelouros da Cultura, Urbanismo e Ambiente. Atualmente (mandato 2013-2017) é vice-presidente da autarquia, com os pelouros da Cultura, Educação e Ação Social.[1][2]

António Tavares já tinha sido finalista do Prémio Leya 2013, com o romance As Palavras Que Me Deverão Guiar Um Dia, editado pela Teorema. Foi o primeiro que escreveu, em 2012, já com 52 anos de idade.[3]

Algumas obras[editar | editar código-fonte]

  • Trilogia da Arte de Matar (teatro)
  • Gémeos 6 (teatro)
  • O Menino Rei (teatro)
  • Luís Cajão, O Homem e o Escritor (ensaio)
  • Manuel Fernandes Thomás e a Liberdade de Imprensa (ensaio)
  • Redondo Júnior e o Teatro (ensaio, ed. Caleidoscópio)[1]
  • Arquétipos e Mitos da Psicologia Social Figueirense (ensaio, ed. Livraria Alfarrabista)
  • Figueira da Foz, Erros do Passado, Soluções para o Futuro (2013 - edição de autor)
  • As Palavras que Me Deverão Guiar um Dia (Ed. Teorema, finalista do prémio Leya, em 2013)
  • O Coro dos Defuntos (Ed. Leya, Prémio Leya 2015)
  • Todos os Dias Morrem Deuses (2017)

Referências

  1. a b c Joana Amaral Cardoso (13 de outubro de 2015). «António Tavares vence Prémio Leya com romance sobre a Cova da Beira entre 1968 e o 25 de Abril». Público. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  2. a b Alexandra Simões de Abreu (13 de outubro de 2015). «António Tavares vence Prémio LeYa». Expresso. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  3. a b Sara Otto Coelho (13 de outubro de 2015). «António Tavares vence Prémio Leya 2015». Observador. Consultado em 30 de outubro de 2016