António Teles de Meneses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
António Teles de Meneses, Conde de Vila Pouca de Aguiar.

António Teles de Meneses, 1.º Conde de Vila Pouca de Aguiar (cerca de 1600 — julho de 1657) foi um nobre e administrador colonial português.

Inicialmente serviu como capitão de Diu, como general das armadas de remo e de alto bordo[1], depois foi nomeado como 46.º Governador da Índia em 1639, onde ficou até 1640.

Devia ter regressado no final desse ano ao Reino de Portugal pois a História o descreve como sendo um dos Quarenta Conjurados que, na revolução do 1 de Dezembro de 1640, restabeleceram a Independência de Portugal em relação ao jugo de Castela.

Tomou posse na Bahia como 18º governador do Brasil em 26 de dezembro de 1647.

Era o primeiro conde de Vila Pouca de Aguiar e levava a incumbência de socorrer a capitania na ameaça do coronel Sigismund van Schkoppe, para p desalojar da cidade de Salvador. Este mais os restantes sitiados holandeses que acabaram por abandonar a capitania para ir socorrer Pernambuco. A conjugação dos esforços diplomáticos e militares resultou na batalha dos Guararapes, a 19 de Abril de 1648, na qual os Holandeses saíram derrotados. O acontecimento marcou o governo do conde de Vila Pouca[2].

Foi também durante o seu governo que foi criada, em Lisboa, a Companhia Geral do Comércio do Brasil em moldes semelhantes aos da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais[3].

Depois de governar o Brasil, prestou socorro a Angola, onde esteve como governador até 1652[4].

De regresso ao Reino, foi nomeado alferes-mor do D. João IV de Portugal e, novamente, vice-rei da Índia, funções que não chegou a exercer pois foi surpreendido pela morte quando viajava para a Índia para tomar posse do novo cargo.

Com a morte do rei, no ano de 1656, foi um dos fidalgos que carregou o caixão do soberano[5].

Em várias terras de Portugal, diz Veríssimo Serrão em «História de Portugal», volume V, página 115, "fizeram-se levas de homens para a sua armada. Em Coimbra e Esgueira houve soldados que fugiram e outros que se escusaram, invocando terem a seu cargo os pais e as mães viúvas. (…) Ordenou-se, ao mesmo tempo, o embarque para o Maranhão dos presos degredados do Limoeiro, devido à falta de gente que havia naquela capitania (decreto de 30 de julho de 1648)".

Vice-rei (1657)[editar | editar código-fonte]

"Para fazer frente à ofensiva holandesa contra o Estado Português da Índia, em 1657, decidiram a Regente e os seus ministros tomar a medida que se impunha: a reconstituição da nossa armada de alto bordo da Índia. Para o cargo de Vice-Rei foi nomeado António Teles de Meneses (que já tinha sido governador), um dos raros chefes de mar que havia em Portugal". Partiu a armada em 4 de Abril, mas "durante a viagem faleceu. A armada ia toda junta, o que era caso raro, chegou a salvamento a Mormugão a 5 de Setembro e à barra do Mandovi dois dias mais tarde[6]."

Dados genealógicos[editar | editar código-fonte]

D. António Teles de Meneses foi o quinto filho de Rui Teles de Meneses (c. 1560¬1616), 8º senhor de Unhão, e de D. Mariana da Silveira.

Casou duas vezes, mas não teve qualquer descendência legítima.

  • 1º com D. Maria de Castelo Branco, filha herdeira de D. Jorge de Castelo Branco, que fora capitão de Ormuz, e de D. Maria de Mendonça.
  • 2ª com sua prima D. Helena de Castro, filha de Álvaro da Silveira, cavaleiro da Ordem de Cristo, e de D. Ana de Castro.

Apenas teve um filho, ilegítimo, de D. Maria Landrove, D. Aires Teles de Meneses. Este viria a unir-se a D. Joana Maria de Castro que foi a 2º condessa de Vila Pouca de Aguiar[7].

Fontes[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. [1/1 A António Teles de Meneses, por Rita Domingues, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa,]
  2. [1/1 A António Teles de Meneses, por Rita Domingues, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa,]
  3. [1/1 A António Teles de Meneses, por Rita Domingues, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa,]
  4. [1/1 A António Teles de Meneses, por Rita Domingues, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa,]
  5. [www.fcsh.unl.pt/cham/eve/content.php?printconceito=933 D. António Teles de Meneses, por Nuno Vila-Santa,Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa, 17/02/2016]
  6. http://www.ancruzeiros.pt/anchistoria-comb-1657.html
  7. [www.fcsh.unl.pt/cham/eve/content.php?printconceito=933 D. António Teles de Meneses, por Nuno Vila¬-Santa,Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), Universidade Nova de Lisboa, 17/02/2016]
Precedido por
Pero da Silva
Governador da Índia Portuguesa
16391640
Sucedido por
João da Silva Telo e Meneses
Precedido por
Antônio Teles da Silva
Governador-geral do Brasil
16471650
Sucedido por
João Rodrigues de Vasconcelos e Sousa