António de Sena Faria de Vasconcelos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
António de Sena Faria de Vasconcelos
Nome completo António de Sena Faria de Vasconcelos Azevedo
Nascimento 2 de março de 1880
Castelo Branco
Morte 11 de agosto de 1939 (59 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portugal
Ocupação Pedagogo

António de Sena Faria de Vasconcelos Azevedo ou simplesmente Faria de Vasconcelos ou A. Faria de Vasconcellos [1] (1880 - 1939), bacharel em leis formado pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, no dia em que recebeu esse diploma (12-06-1901) entregou-o ao pai e partiu para Paris e depois para a Bélgica, tendo feito o doutoramento em Ciências Sociais na Universidade Nova de Bruxelas. Tornou-se professor universitário e um prestigiado pedagogo ou pedagogista associado ao movimento Escola Nova[2].

Biobibliografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na Rua de Santo António, freguesia de S. Miguel da Sé, em Castelo Branco, a 2 de março de 1880. Era filho de Luiz Candido de Faria e Vasconcellos (Sabugal, ), bacharel formado em Direito e delegado do Procurador Régio na comarca de Castelo Branco, e de Maria Rita Sena Bello de Vasconcellos (Idanha-a-Nova, ); neto paterno de Luiz José da Fonseca Faria e Maria José Maximina de Vasconcellos Cabral; e materno de Simão Pedro de Sena Bello, bacharel formado em Direito e juiz de Direito, conselheiro, e Emília Augusta d'Andrade Pissarra [3].

Frequentou até 1895 o Colégio do Espírito Santo de Braga (1872-1910), um estabelecimento com internato e externato, fundado em 1872 por missionários franceses[4] da Congregação do Espírito Santo[5], e depois bacharelou-se em Direito pela Universidade de Coimbra[6].

O seu primeiro trabalho académico teve por temática central «o materialismo histórico e a crise religiosa do século XVI». A sua postura é, todavia, a do cientista social, não a do político: a do cientista social empenhado na transformação da sociedade. O vector transformador que vai escolher será o da educação, não o da intervenção política propriamente dita, ou seja, directa. À educação, com este sentido social transformador, dedicou toda a sua vida. O Direito foi apenas o seu ponto académico de partida, na linha da mencionada tradição familiar.

Foi precisamente atraído pelo vector pedagógico da vida social que em seguida partiu para a Bélgica, onde se matriculou na Universidade Nova de Bruxelas e em 1904 obteve o grau de Doutor em Ciências Sociais, com a classificação "la plus grande distinction", tendo defendido a tese Esquisse d'une théorie de la sensibilité sociale. Foi imediatamente contratado como professor da Universidade, passando a reger a cadeira de Psicologia e Pedagogia no Instituto de Altos Estudos (1904 - 1914).

Faria de Vasconcelos é um pedagogo completamente envolvido no Movimento da Escola Nova, que tinha em Genève o seu núcleo mais activo e qualificado, instalado no Instituto Jean-Jacques Rousseau e na Maison des Petits, anexa ao Instituto. Pontificam aí, nessa época, as figuras internacionalmente notáveis de Edouard Claparède, Adolphe Ferrière e Pièrre Bovet. Ferrière é, aliás, o Director do Bureau International des Écoles Nouvelles, cuja sede é precisamente em Genève.

Em outubro de 1912, Faria de Vasconcelos fundou em Bierges-Les-Wavre, perto de Bruxelas, uma Escola Nova que aspirava a realizar tanto quanto possível o modelo proposto pelo Bureau International, com os trinta caracteres definidos por Ferrière.

Desse conjunto perfeito realizou a Escola de Bierges 28; a segunda Escola Nova mais perfeita do mundo, pois só a de Odenwald realizou os 30 pontos. A experiência veio a ser publicada em livro pela famosa editora Delachaux et Niestlé, com o título Une École Nouvelle en Belgique (1915) [trad. Uma escola nova na Bélgica (2015)]. Ferrière traça o justo panegírico do grande pedagogo Faria de Vasconcelos no prefácio que escreveu para o livro[7].

A guerra de 1914-1918 veio, entretanto, interromper essa experiência, com a invasão da Bélgica pela Alemanha. Faria de Vasconcelos dirigiu-se então para Genève, para junto dos seus amigos do Instituto Jean-Jacques Rousseau (Claparède, Ferrière e Bovet), integrando-se na sua equipa. Por indicação de Ferrière às autoridades cubanas, dirigiu-se para Cuba, onde realizou uma obra notável, e daqui para a Bolívia, onde essa obra deve ser qualificada de notabilíssima[8].

A sua primeira obra, que é o seu primeiro trabalho académico, intitula-se O Materialismo Histórico e a Reforma Religiosa do Século XVI. Este trabalho, datado de 1900, constitui um extracto de uma dissertação para a 10ª cadeira da Faculdade de Direito, com ligeiras modificações e acrescentamento de uma rápida introdução[9].

Em 1902 publica Faria de Vasconcelos o livrinho O Pessimismo (Semiologia e Terapêutica).Procurando desenhar as grandes linha da terapêutica, combate o que chama a ética individualista e propugna uma visão diferente, de identificação do interesse particular com o interesse social, do indivíduo com a Sociedade, subordinando a perfeição daquele à perfeição desta[10].

Nesse mesmo ano na noite de 18 de Outubro de 1902 fez uma conferência no Ateneu Comercial de Lisboa sobre "O ensino ético-social das multidões".

Em 1902 escrevia: "No nosso país infelizmente nada há. A lepra do analfabetismo corrói o povo."[11].

Em 1903, apresenta ao Laboratoire de Sociologie de l'Université Nouvelle de Bruxelles uma Mémoire intitulada La psychologie des foules infantiles[12].

Logo no ano seguinte, 1904, elabora e apresenta a tese Esquisse d'une théorie de la sensibilité sociale[13].

No ano de 1909 dá uma série de lições sobre pedologia que professou na Sociedade de Geografia de Lisboa, sob os auspícios da Liga de Educação Nacional, e das quais resulta a publicação do livro Lições de Pedologia e Pedagogia Experimental[14].

A 1ª Guerra Mundial alterou profundamente a vida de Faria de Vasconcelos. Com a invasão da Bélgica pelo exército alemão, o pedagogo viu-se forçado a cessar a experiência da Escola de Bierges-Lez-Wawre, rumando a Genève, para junto dos seus amigos do Instituto Jean-Jacques Rousseau.[15]

Algum tempo depois, e por diligência de Adolphe Ferrière, rumou primeiro a Cuba e depois à Bolívia, onde veio a realizar uma notável obra pedagógica. A sua acção, aliás, veio a estender a sua influência a toda a América Latina, com a sua Didactica de la Escuela Nueva.

Lá escreve as Obras Completas que incluem um primeiro grande texto que correspondente ao livro Une École Nouvelle em Belgique, publicado em Genève em 1915[16], traduzido em 1919 para inglês, em 1920 para espanhol e em 2015 para português: Uma escola nova na Bélgica.

Lá no prefácio que Adolphe Ferrière escreveu, segundo as suas palavras, o mestre Faria de Vasconcelos é qualificado como “ce pionnier de l’education de l’avenir[17]. Igualmente aí refere os trinta caracteres requeridos para a Escola Nova ideal. É claro que esses trinta caracteres não eram requeridos na sua totalidade para que fosse permitido a uma escola instituir-se como Escola Nova – diz Ferrière. A de Odenwald realizou os trinta; a de Bierges-Lez-Wawre realizou, segundo o prefaciador, vinte e oito e meio. Foi a segunda, muito próxima do programa máximo e só não porque o Estado belga não lhe o tinha permitido satisfazer ter coeducação (ponto 5) nem casas unifamiliares separadas para grupos de 10 a 15 alunos (ponto 4)[18].

O programa mínimo deveria obedecer aos seguintes princípios:

  • a escola devia estar situada no campo;
  • fazer o ensino a partir da experiência e enriquecido pelo trabalho manual;
  • funcionar em regime de autonomia dos escolares.
  • Quanto aos caracteres, deveria aplicar pelo menos metade dos traços característicos da Escola nova típica – ou seja, 15 caracteres[19].

O segundo texto intitula-se «Syllabus» del Curso de Dirección y Organización de las Escuelas. Trata-se de um livro publicado pela Escola Normal de Sucre (Bolívia), em 1919, sendo Faria de Vasconcelos seu professor e Director nessa data.

Segue-se um conjunto de artigos publicado na Bolívia, em Sucre[20]. São ao todo dez artigos, centrados na circunstância pedagógica e escolar boliviana.

Segue-se um conjunto de oito textos de conferências feitas e publicadas na América do Sul, sobre temas de educação, de moral, de política na circunstância boliviana e ainda de ordem cultural e espiritual.

Na Bolívia, Faria de Vasconcelos envolveu-se em algumas intervenções políticas, em defesa da causa boliviana, focalizando principalmente a perda do acesso da Bolívia ao mar, consequência da apropriação pelo Chile de todo o litoral, no âmbito da chamada Guerra do Pacífico, em 1879[21].

O último grupo de textos deste volume é constituído por inéditos escritos na América Latina. O último corresponde a uma carta dirigida por Faria de Vasconcelos ao Reitor da Universidade, em 1920[22].

Em Dezembro de 1920 regressou a Portugal onde exerceu o cargo de Professor de Pedagogia na Escola Normal Superior[23].

Assinala então a sua integração no Grupo Seara Nova, de que foi co-fundador, e a colaboração que consequentemente publicou na revista Seara Nova; assinala ainda o seu envolvimento na Universidade Popular Portuguesa através da revista Educação Popular, e no jornal A Batalha, porta-voz da CGT (Confederação Geral do Trabalho).

Por ela, saíram duas séries dos Problemas Escolares (a 1ª em 1921, a 2ª em 1929)[24].

Em 1922 foi nomeado Assistente da Faculdade de Letras de Lisboa[25].

Publica uma série de importantíssimos artigos sob o título geral de “Bases para a Solução dos Problemas da Educação Nacional”, os quais vão constituir a medula da proposta de Lei de Bases da Educação Nacional apresentada pelo Ministro João Camoesas ao Congresso da República em 1923[26].

A mesma preocupação demopédica percorre o notável artigo publicado nos Anais das Bibliotecas e Arquivos sobre “A biblioteca, Nicolau Roubakine e a sua obra[27].

Ainda como professor na Faculdade de Letras de Lisboa, com a regência do curso de Psicologia Geral, publicou em 1924 o livro Lições de Psicologia Geral, que correspondia a uma parte do curso professado[28].

A data de 1925 antecede o arranque e desenvolvimento do Instituto de Orientação Profissional, fundando-o em Lisboa[29]. A sua vida e publicações exprimem fielmente essa realidade[30].

Há, ainda assim, textos que incidem sobre outros assuntos. Um deles intitula-se “Monographie de L’Institut de Rééducation Mentale et Pédagogique”, datado de 1931.

Nessa linha e no mesmo ano de 1931, e em articulação com o referido Instituto de Reeducação Mental e Pedagógica[31], vemo-lo envolvido na organização do Instituto “Dr. Navarro de Paiva”, destinado “a menores do sexo masculino anormais delinquentes dos 9 aos 16 anos […] susceptíveis de educação e capazes de fornecer um rendimento social pela prática dum ofício adequado às suas capacidades”.

Encontra-se colaboração da sua autoria nas revistas Homens Livres [32] (1923) e Lusitânia [33] (1924-1927).

Morreu em Lisboa, na freguesia de Benfica, a 11 de agosto de 1939, com 59 anos de idade.

Obras de Faria de Vasconcelos[editar | editar código-fonte]

A Fundação Calouste Gulbenkian, com apresentação de J. Ferreira Marques (1936-2015), editou as Obras Completas de Faria de Vasconcelos, em 7 volumes: I - 1900-1909 (1986), II - 1915-1920 (2000), III - 1921-1925 (2006), IV - 1925-1933 (2009), V - 1933-1935 (2010), VI - 1936-1939 (2010), VII - Adenda (2011).

  • Lições de Pedologia e Pedagogia Experimental [1] Lisboa: Antiga Casa Bertrand, 1908.
  • Uma escola nova na Bélgica / A. Faria de Vasconcellos; prefácio de Adolphe Ferrière; posfácio e notas de Carlos Meireles-Coelho; trad. Carlos Meireles-Coelho, Ana Cotovio, Lúcia Ferreira. - 1ª ed. - Aveiro: Universidade de Aveiro, 2015. - 320 p. [2] Tradução de Une école nouvelle en Belgique. Préface de M. Adolphe Ferrière. Neuchâtel: Delachaux & Niestlé, 1915. - Tradução para inglês: A New School in Belgium. With an Introduction by Adolphe Ferrière. Translated from the French by Eden and Cedar Paul. London: George G. Harrap & Co., 1919. - Tradução para espanhol: Una escuela nueva en Bélgica. Prefacio de Adolphe Ferrière. Traducción de Domingo Barnés. Madrid: Francisco Beltrán, 1920.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PATRÍCIO, Manuel Ferreira. «A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos» in Seara Nova n.º 1712 (verão de 2010) e n.º 1713 (outono de 2010).

Referências

  1. nome pelo qual é conhecido internacionalmente, sobretudo por ser o do Autor de Une école nouvelle en Belgique e suas traduções em inglês (A New School in Belgium), espanhol (Una escuela nueva en Bélgica) e português (Uma escola nova na Bélgica).
  2. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  3. Arquivo Distrital de Castelo Branco: Nº: ADCTB_11_S/014026 - Classificação: 270.10.20-ADCTB\003723 Vol.02
  4. Ferreira Gomes (1928-2002), Joaquim (1984). Estudos de História e de Pedagogia. Coimbra: Almedina. p. 119 
  5. Torres Neiva (1932-2010), Adélio (2005). Congregação do Espírito Santo e do Imaculado Coração de Maria: A História da Província Portuguesa (1867-2004). Lisboa: CESICM. p. 61-78; 207-215. ISBN 972-99547-0-4 
  6. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  7. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  8. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  9. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  10. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  11. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  12. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  13. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  14. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  15. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010
  16. Prefaciado por Adolphe Ferrière, é constituído por quatro capítulos, a saber: o primeiro, sobre o meio e a educação física; o segundo, sobre a educação intelectual; o terceiro, sobre alguns procedimentos de ensino (as ciências naturais, a matemática, as línguas, a geografia e a história); o quarto, sobre a educação moral, social e artística (o meio material e social, o self-government, o conjunto liberdade-autoridade-sanções-mestres, o gosto, a arte, a música, o canto, a educação sexual e a coeducação). O texto corresponde a um conjunto de conferências proferidas por Faria de Vasconcelos em Genève, no Instituto Jean-Jacques Rousseau, em 1915, no período que se seguiu à sua forçada retirada da BélgicaA Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010.
  17. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010
  18. «Para uma Análise da Escola Nova de Faria de Vasconcelos (1880-1939), Carlos Meireles Coelho e Abel Martins Rodrigues, Universidade de Aveiro» (PDF). Consultado em 9 de fevereiro de 2014. Arquivado do original (PDF) em 21 de fevereiro de 2014 
  19. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010
  20. Revista Pedagógica
  21. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010
  22. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010
  23. Albicastrenses Ilustres - XXXII, Castelo Branco - O Albicastrense, 20 de Maio de 2013
  24. A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos, por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1712 - Verão 2010
  25. Albicastrenses Ilustres - XXXII, Castelo Branco - O Albicastrense, 20 de Maio de 2013
  26. Lembremos que Camoesas foi elemento do Grupo Seara Nova e da Universidade Popular PortuguesaA Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010.
  27. Faria de Vasconcelos conhecera pessoalmente o Dr. Nicolau Roubakine na Suíça, o qual lhe foi apresentado por um amigo comum, Adolphe FerrièreA Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010.
  28. A obra aparece dedicada a Luís da Câmara Reis, companheiro e amigo, como ele pertencente ao Grupo Seara NovaA Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010.
  29. Albicastrenses Ilustres - XXXII, Castelo Branco - O Albicastrense, 20 de Maio de 2013
  30. A ideia e o projecto vinham de trás. Puderam agora concretizar-se, graças ao legado que para o efeito doou D. Francisca Barbosa de Andrade, o qual permitiu materialmente a criação do Instituto de Orientação Profissional Maria Luísa Barbosa de CarvalhoA Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010
  31. O Instituto tinha sido criado em Maio de 1930, tendo começado a funcionar 5 meses depois, ou seja, em Outubro. A sua finalidade consistia na reeducação mental e pedagógica das crianças que não atingem o desenvolvimento “de que são capazes”A Seara Nova no itinerário pedagógico de Faria de Vasconcelos (conclusão), por: Manuel Ferreira Patricio, Seara Nova Nº 1713 - Outono 2010.
  32. Rita Correia (6 de fevereiro de 2018). «Ficha histórica:Homens livres (1923)» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de março de 2018 
  33. Rita Correia (5 de Novembro de 2013). «Ficha histórica: Lusitania : revista de estudos portugueses (1924-1927)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 03 de Dezembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)