Antônio Carlos de Almeida Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Antônio Carlos de Almeida Castro
O senador Demóstenes Torres (esquerda) e seu advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, (direita) durante reunião do Conselho de Ética do Senado.
Nome completo Antônio Carlos de Almeida Castro
Pseudônimo(s) Kakay
Nascimento setembro de 1957 (61 anos)[1]
Patos de Minas, MG, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Valéria Vieira[2]
Filho(s) 3[3]
Alma mater Universidade de Brasília[4] (1981)
Ocupação Advogado

Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido pelo pseudônimo Kakay (Patos de Minas, setembro de 1957)[5], é um advogado criminalista brasileiro, notório pela prestação de serviços advocatícios a políticos envolvidos em escândalos de corrupção no país, como escândalo do Mensalão e Operação Lava Jato, e por defender também celebridades.

Entre 2015 e 2016, então advogado de onze políticos e empresários investigados pela Lava Jato, Kakay afirmou na tentativa de defender a reputação de seus clientes que o país vivia "sem a menor dúvida" um momento de "criminalização da riqueza".[4] Desafeto de Joaquim Barbosa, Kakay afirmou que o ex-ministro "não deixa nenhum legado. Não deixa um livro interessante; um acórdão profundo, uma tese. Nada. Eu, por exemplo, não vou nem criticar mais ele. A partir de agora, eu me nego até a falar dele".[6]

Clientes notórios[editar | editar código-fonte]

Kakay é conhecido como um Bon vivant e advogado de celebridades, grandes empresários e poderosos políticos.[7] Dentre os clientes notórios, constam nomes como Edison Lobão (PMDB-MA), Roseana Sarney (PMDB-MA), Aécio Neves (PSDB-MG), Romero Jucá (PMDB-RR), Ciro Nogueira (PP-PI),[4] o publicitário Duda Mendonça,[8] a atriz Carolina Dieckmann,[9] o cantor Roberto Carlos,[10] e, como ele mesmo afirma, "outros que prefiro não falar".[4] Foi advogado ainda de Antônio Carlos Magalhães e José Dirceu,[5] de quem é amigo pessoal.[11] Kakay defendeu também a empresa Telexfree, acusada de praticar crime de pirâmide financeira.[12]


Referências

  1. «Advogado Kakay comemora pré-aniversário com almoço em Brasília». Glamurama. 19 de setembro de 2015. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  2. «Mulher de Kakay, advogado da Lava Jato, lança livro de gastronomia». Glamurama. 1 de setembro de 2015. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  3. «O Advogado Kakay tenta salvar o restaurante Piantella». Época. 24 de novembro de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  4. a b c d «"Brasil vive criminalização da riqueza", diz advogado de 11 citados na Lava Jato». UOL Notícias. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  5. a b «Leia a transcrição da entrevista de Kakay à Folha e ao UOL». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  6. «Para criminalista, Barbosa humilhou todo mundo e não deixa legado». Folha de S.Paulo. 29 de maio de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  7. «Kakay dará nova cara ao Piantella». UOL. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  8. Fabiano Costa, Mariana Oliveira e Nathalia Passarinho (17 de outubro de 2012). «Duda Mendonça convida advogados para comemorar absolvição na Bahia». G1. Globo.com. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  9. Cecília Ritto. «Advogado de Carolina Dieckmann desiste de processo contra o Google». Veja. Editora Abril. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  10. «Advogado de Roberto Carlos rebate biógrafo: 'Se descumprir acordo, terá problemas'». O Globo. Globo.com. 11 de junho de 2015. Consultado em 9 de agosto de 2016 
  11. «José Dirceu comemora idade nova, e com o discurso de sempre». Glamurama. Consultado em 27 de janeiro de 2016 
  12. Machado da Costa. «Kakay, advogado da Telexfree, diz que origem da acusação não foi a atividade da empresa». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 9 de agosto de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]