Antônio João de Orléans e Bragança

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pretendente
Príncipe Antônio João
Reivindicação
Título Príncipe do Brasil
País Brasil e França
Período 24 de junho de 1950presente
Último monarca Pedro II do Brasil
Luís Filipe I de França
Vida
Cônjuge Cristina de Ligne
Descendência Pedro Luís
Amélia Maria
Rafael Antônio
Maria Gabriela
Casa Orleães e Bragança
Pai Pedro Henrique de Orléans e Bragança
Mãe Maria Isabel da Baviera
Nascimento 24 de junho de 1950 (66 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Família imperial brasileira
Ramo de Vassouras
COA Dinasty Orleães-Bragança.svg

Antônio João Maria José Jorge Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleáns e Bragança (Rio de Janeiro, 24 de junho de 1950), príncipe do Brasil e príncipe de Orléans e Bragança, é um engenheiro civil e aquarelista franco-brasileiro.

É o sétimo filho e sexto varão de Pedro Henrique de Orléans e Bragança (1909-1981), ex-chefe da Casa Imperial do Brasil, e de Maria Isabel da Baviera (1914–2011). Seus padrinhos foram o arquiduque Jorge da Áustria (1905–1952) e a tia materna princesa Eleonora da Baviera (1918–2009). Antônio João é bisneto da princesa Isabel, a última princesa imperial do Brasil, e do príncipe imperial consorte Gastão de Orléans, conde d'Eu, e trineto do imperador Dom Pedro II do Brasil e de Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, imperatriz do Brasil.

É atualmente o terceiro na linha de sucessão ao trono brasileiro, como herdeiro imediato dos direitos dos irmãos Bertrand de Orléans e Bragança, atual príncipe imperial do Brasil, de jure, e Luís Gastão de Orléans e Bragança, atual chefe da casa imperial brasileira e, portanto, de jure, imperador do Brasil.

Formação[editar | editar código-fonte]

Antônio passou grande parte de sua juventude numa fazenda em Jacarezinho, Paraná, onde o ramo de Vassouras da família imperial brasileira viveu de 1951 a 1964. Lá, ele e seus onze irmãos receberam de seus pais uma educação austera, baseada nos mais genuínos valores morais e religiosos brasileiros. Preocupava-se sobretudo Pedro Henrique com a transmissão aos filhos da fidelidade aos princípios monárquicos e cristãos que eles, como príncipes do Brasil, ainda que o país estivesse sob o regime republicano, deveriam não só representar mas encarnar.

Concluiu os estudos secundários em Vassouras e formou-se na Faculdade de Engenharia Civil de Barra do Piraí, atual UGB, realizando estágio em Erlangen, Alemanha. É também um conceituado aquarelista.[1]

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Casou-se, em 26 de setembro de 1981, com a sua prima (duas vezes) em oitavo grau, a princesa Cristina de Ligne, filha do 13.º príncipe-titular de Ligne, Antônio de Ligne, e da princesa Alice Maria do Luxemburgo, filha de Carlota, grã-duquesa do Luxemburgo. O casamento foi celebrado na Igreja de São Pedro pelo núncio apostólico em Bruxelas, monsenhor Eugène Cardinale, com as bênçãos do papa João Paulo II.

Eles tiveram quatro filhos:

A família reside em Petrópolis.

Títulos[editar | editar código-fonte]

O príncipe é Grã-Cruz das Imperiais Ordens de D. Pedro I, da Rosa e da Ordem Constantiniana de São Jorge, da Casa Real das Duas Sicílias, possuindo muitas condecorações das mais variadas cidades brasileiras que já visitou.

Referências

  1. Notícias de Coimbra: Príncipe do Brasil e de Orléans e Bragança visita a Universidade de Coimbra | Notícias de Coimbra, accessdate: February 1, 2017
  2. Andréa Christina Silva Panaro Caldas (2011). Genealogia da Família Imperial Brasileira. [S.l.]: Clube de Autores. p. 117 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]