Antônio Mouro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Auto-retrato.

Antônio Mouro (Utrecht, c. 1520 - entre 1576 e 1578) foi um pintor e retratista holandês, muito requisitado nas cortes européias. É referido como Antonis, Antoon, Anthonius, Anthonis, ou Mor van Dashorst, Antonio Moro, Anthony More, etc.1

Biografia[editar | editar código-fonte]

Pouco se sabe sobre sua vida, embora tenha-se a informação de que iniciou seus estudos artísticos com Jan van Scorel. Um dos seus primeiros trabalhos é um retrato em Estocolmo, datado de 1538.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Sua autoria é apontada como do grupo de Cavaleiros de São João, em Utrecht, que supõe-se pintada por volta de 1541, e um quadro de dois peregrinos, em Berlim, datado de 1544, junto a um retrato de uma mulher desconhecida, da galeria Lille, todos possivelmente integrando seus mais antigos trabalhos, embora a autoria não tenha sido provada.

Patronato[editar | editar código-fonte]

Em 1547 tornou-se membro da venerável Guilda de São Lucas, da Antuérpia, e logo depois (cerca de 1548) chamou a atenção do Cardeal Granvelle, Bispo de Arras, que tornou-se-lhe protetor, e apresentou-o ao Imperador Carlos V.

Dos retratos executados durante o começo do mecenato de Granvelle, dois são especialmente notáveis: o do próprio bispo (hoje na Galeria Imperial, de Viena) e o de Fernando Álvarez de Toledo, terceiro Duque de Alba, hoje pertencente à Hispanic Society of New York.

Ele possivelmente visitou a Itália, primeiro em 1550, pois há notícias suas ali, onde teria copiado alguns trabalhos de Ticiano, notadamente a Dânae.

Visita a Portugal e outros países[editar | editar código-fonte]

Ele foi enviado a Portugal pela Rainha Maria da Hungria, sem dúvida na primeira visita sua àquele país. Dentre os resultados notáveis dessa estadia é o retrato da Infanta D. Maria e outro da Rainha Catarina, ambos hoje no Museu do Prado, e ainda um retrato com o Rei D. João III e sua esposa Catarina, preservados em Lisboa. Depois disso viajou a Madri, onde retratou Maximiliano da Boêmia; em 1552 estava em Roma.

Alguns sugerem, embora sem suficientes evidências, que uma das obras-primas pertencentes ao Museu do Prado, retratando um jovem cardeal desconhecido, e que se atribui a Rafael seja na verdade de autoria de Mouro.

De Roma seguiu para Gênova, e dali novamente para Madri. Em 1553 foi enviado para a Inglaterra onde pintou o retrato da Rainha Maria I, talvez um de seus maiores trabalhos. Ali realizou inúmeros outros retratos de personalidades e nobres.

Últimos trabalhos[editar | editar código-fonte]

Por este tempo já se encontrava casado, embora pouco se saiba sobre sua esposa, a não ser que seu nome era Metgen, e que talvez fosse viúva. Tornara-se um homem abastado e com propriedades. Quando residiu em Utrecht era conhecido por Moro van Dashorst.

No final de 1554 ele voltou para a Holanda, quando pintou o retrato do Príncipe Guilherme I de Orange e outros notáveis trabalhos. Pouco mais tarde executou seu auto-retrato, hoje pertencente ao acervo da Galleria degli Uffizi

Vários de seus trabalhos importantes foram realizado perto do final de sua vida, como o retrato da Rainha Elizabeth da Espanha, o retrato de Jacopo Trezzo e outros.

O último documento que lhe faz referência foi feito na Antuérpia, em 1573. Provavelmente morreu ali, pouco depois.

Antologia[editar | editar código-fonte]

  • Retrato de Filipe II (c. 1549-1550) - óleo sobre madeira, 107.5 x 83.3 cm, Museus de Belas Artes de Bilbao
  • Cardeal Granvelle Dwarf com um cachorro (1549-1553) - óleo sobre tela, 126 x 92 cm, Museu do Louvre, Paris
  • Retrato de homem (c. 1550) - óleo sobre tela, 100 x 80 cm, Museu do Louvre, Paris
  • Retrato de Giovanni Battista di Castaldo (c. 1550) - painel a óleo, 107.6 x 82.2 cm, Museu Thyssen-Bornemisza, Madrid
  • Retrato de Maria I da Inglaterra (1554) - painel a óleo, 8.6 x 6.4 cm, National Portrait Gallery, London
  • Retrato de um Homem (c. 1560) - óleo sobre madeira, 97.8 x 71.2 cm, National Gallery of Canada, Ottawa
  • Retrato de Homem com Armadura (1558) - óleo sobre tela, John Paul Getty Museum
  • Retrato de um Rapaz (1558) - painel a óleo, 97.5 x 69.9 cm, National Gallery of Art, Washington
  • Retrato de uma Dama (c. 1560) - óleo sobre madeira, 116.8 x 86.9 cm, National Gallery of Canada, Ottawa
  • Retrato de Philipp de Montmorency (c. 1560) - painel a óleo, Rijksmuseum, Amsterdam
  • Retrato de Filipe II (c. 1560) - óleo sobre madeira, 99 x 73 cm, Rijksmuseum, Amsterdam
  • Retrato de Sir Gresham (1560-1565) - painel a óleo, 90 x 75.5 cm, Rijksmuseum, Amsterdam
  • Retrato de Philipp de Montmorency (1562) - painel a óleo, Rijksmuseum, Amsterdam
  • Retrato de Lady Gresham (1565-1565) - óleo sobre madeira, Rijksmuseum, Amsterdam
  • Retrato de um homem (1560-1577) - óleo sobre madeira, 49.5 x 40.6 cm, National Gallery, London
  • Retrato de Sir Henry Lee (1568) - painel a óleo, 64.1 x 53.3 cm, National Portrait Gallery, London
  • Retrato de um cavalheiro (1569) - óleo sobre tela, 119.7 x 88.3 cm, National Gallery of Art, Washington
  • Retrato de Goltzius (c. 1570) - óleo sobre madeira, 66 x 50 cm, Royal Museums of Fine Arts of Belgium
  • Retrato de um cavalheiro (c. 1570) - painel a óleo, 122 x 98.5 cm, North Carolina Museum of Art
  • Retrato de Maria I da Inglaterra - óleo sobre madeira, 109 x 84 cm, Museo del Prado, Madrid
  • Retrato de uma senhora - painel em óleo sobre madeira, 107 x 72.1 cm, National Gallery of Victoria
  • Retrato de Margaret de Parma - painel a óleo transferido para tela, 97.8 x 71.7 cm, Philadelphia Museum of Art

Galeria[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. The Getty Union index lists a record 29 variants [1]
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antônio Mouro

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.