Totó Caiado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Antônio Ramos Caiado)
Totó Caiado
Senador de Goiás
Período 1921-1930
Deputado federal de Goiás
Período 1909-1920
Dados pessoais
Nome completo Antonio Ramos Caiado
Nascimento 15 de maio de 1874
Cidade de Goiás
Morte 14 de janeiro de 1967 (92 anos)
Goiânia
Progenitores Mãe: Claudina Fagundes Caiado
Pai: Torquato Ramos Caiado
Alma mater Faculdade de Direito da Cidade de São Paulo

Antônio Ramos Caiado (Goiás, 15 de maio de 1874Goiânia, 14 de janeiro de 1967) conhecido também por Totó Caiado, foi um político brasileiro, famoso por sua atuação na política do Estado de Goiás, no período anterior à Revolução de 1930[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bacharel pela Faculdade de Direito da Cidade de São Paulo, foi intendente municipal, secretário do Interior de Justiça e Segurança Pública e deputado estadual. Lutou ao lado das forças legalistas contra a Revolta da Armada em 1893.[2]

Foi fundador e dirigente do jornal A República. Um dos chefes da Revolução de 1909, que marcou a queda do grupo chefiado por José Xavier de Almeida e o início da etapa de domínio político do Partido Democrata (1909-1930). Em 1909 elegeu-se deputado federal por Goiás, reelegendo-se em diversas legislaturas. Defendeu Goiás da Coluna Prestes em 1925.

Com o advento da Revolução de 1930, Washington Luís designou o então senador Antônio Ramos Caiado como interventor de Goiás para executar o estado de sítio[3]. Após serem interceptadas comunicações de Caiado em que se revelava a intenção de invadir o Triângulo Mineiro, Getúlio Vargas resolveu agir, arregimentando forças em Minas Gerais para combater a frente goiana[3].

O então presidente de Minas Gerais, Olegário Maciel, aliado de Getúlio Vargas, concedeu a Quintino Vargas, fazendeiro e político de Paracatu, a patente de coronel, equipamentos e autorização para conscrever soldados[4]. Quintino Vargas formou a Coluna Artur Bernardes e, juntamente a outros batalhões mineiros oriundos de Uberlândia e arredores, marchou por solo goiano até chegar à capital, a cidade de Goiás. Caiado foi deposto e formou-se junta governativa composta por Mário de Alencastro Caiado, Francisco Emílio Póvoa e Pedro Ludovico Teixeira, sendo o último posteriormente nomeado por Getúlio Vargas como interventor federal[3], cargo que ocuparia por quinze anos. Maciel chegou a sugerir que Quintino Vargas fosse nomeado interventor de Goiás, o que esse rejeitou, alegando que o estado deveria ser governado por goianos[4].

Totó teve diversos filhos e netos que se levou ao lado da política, como por exemplo o neto Ronaldo Caiado, atual governador de Goiás.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.