Roberto Paulino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Roberto Paulino
Roberto Paulino
46° Governador da Paraíba Bandeira da Paraíba.svg
Período 6 de Abril de 2002 até
1 de Janeiro de 2003
Antecessor José Maranhão
Sucessor Cássio Cunha Lima
32º Prefeito de Bandeiraguarabira.svg Guarabira
Período 1 de janeiro de 1977 até
31 de dezembro de 1982
Antecessor João de Farias Pimentel Filho
Sucessor Zenóbio Toscano de Oliveira
34º Prefeito de Bandeiraguarabira.svg Guarabira
Período 1 de janeiro de 1989 até
31 de dezembro de 1992
Antecessor Zenóbio Toscano de Oliveira
Sucessor Jáder Soares Pimentel
Vice-governador da  Paraíba
Período 1 de janeiro de 1998 até
6 de abril de 2002
Deputado Federal pela  Paraíba
Período 1 de fevereiro de 1995 até
31 de dezembro de 1998
Deputado Estadual da  Paraíba
Período 1 de fevereiro de 1987 até
31 de dezembro de 1989
Dados pessoais
Nascimento 20 de junho de 1951 (67 anos)
Guarabira,  Paraíba
Cônjuge Maria de Fátima de Aquino Paulino
Filhos Roberta de Aquino Paulino, Diógenes de Aquino Paulino e Roberto Raniery de Aquino Paulino
Partido MDB


Antônio

Roberto de Sousa Paulino (Guarabira, 20 de julho de 1951) é um político brasileiro, ex-governador da Paraíba.

Filiado ao MDB e nascido em Guarabira, aonde é considerado uma liderança política expressiva, Paulino foi prefeito de sua cidade natal por duas vezes, (1977-1983 e 1989-1992), em 1994 é eleito deputado federal, tendo mandato entre 1995 e 1998 e se firmando assim no cenário político estadual.

Entre 1999 e 2002, foi vice-governador da Paraíba durante o segundo governo de José Maranhão. Em 2002, com Maranhão tendo renunciado ao governo da Paraíba para candidatar-se a senador, assume o posto de governador do estado. No mesmo ano, concorre a reeleição. Tendo o deputado estadual Gervásio Maia como vice-governador, leva a disputa para o segundo turno, mas acaba sendo derrotado, por uma diferença pequena, para Cássio Cunha Lima.

Vida pós-governo[editar | editar código-fonte]

Após a eleição para governador em 2002, manteve alto prestígio político em seu estado. Sua esposa, Fátima Paulino foi eleita e reeleita prefeita de Guarabira em 2004 e 2008, respectivamente. Seu filho, Raniery Paulino é deputado estadual na Paraíba desde 2007, sendo reeleito nas eleições de 2010, 2014 e 2018.

Foi novamente candidato a deputado federal em 2010, obtendo 41.053 votos, não foi eleito.

Em 2014 foi mais uma vez candidato a vice-governador na chapa encabeçada por Vital do Rêgo Filho, do PMDB, ficando em terceiro lugar, com 106.162 (5,22%).

Em 2018 foi candidato a senador. Tendo como suplentes o advogado Higor Fialho e o ex-deputado Ariano Fernandes, obtiveram 262.998 votos (7,67%).

Ideologia[editar | editar código-fonte]

A ideologia pregada por Roberto Paulino, era uma sociedade e mercado liberais e tolerância zero contra criminosos. Apoiava a diminuição de maioridade penal, diminuição de impostos de mercados e desburocratização de centrais do livre comércio.

Período 1977 até 1982[editar | editar código-fonte]

Foi um dos responsáveis a conseguir sanear 87% da Paraíba, com um investimento de pequenos impostos e do seu próprio dinheiro. Em 1981, criou o projeto Mercado Liberal, porém, foi rejeitado pelo congresso nordestino.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.