Antahkarana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Antahkarana (do sânscrito Antar: interior; Karana: instrumento) é um símbolo (não reikiano) multidimensional usado em rituais de cura e meditação no Tibet e na China durante milhares de anos, foi de uso exclusivo dos mosteiros. Atualmente popularizado, é usado como ferramenta na evolução espiritual, como um reforço da ligação entre o cérebro e o eu superior (alma).[1] O ideograma significa a ponte entre a mente inferior e a superior (alma).[2]

Um símbolo, que atua em diferentes planos, constituído por três setes (7) representativos: 7 chakras; 7 cores do arco-íris, e; 7 tons da escala musical (também mencionados no livro bíblico Apocalipse como: 7 velas, 7 trombetas e, 7 selos).[2] Unidos ao centro, simbolizando os três aspetos essenciais do ser: corpo, mente e, espírito.[1] Com um poder energético capaz de criar um efeito positivo concentrado sobre os chacras e a aura, realizando cura. Considerado a representação da parte anatômica espiritual, a conexão entre o cérebro físico e o Eu Superior,[3] promovendo a cura e desenvolvimento espiritual. Isto é, possui consciência própria guiado pelo Eu Superior, sempre com efeito benéfico.[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Na língua sânscrito, a palavra ‘Antar’ significa "meio" ou "interior" e ‘Karana’ significa "instrumento" ou "causa". Trazido com o Reiki ao planeta Terra no período Lemuriano (100.000 anos atrás).[2]

Referências

  1. a b Subtil, Anabela. «Antahkarana, um símbolo poderoso». Mood Magazine. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  2. a b c d «Antakarana». Símbolos 
  3. Barbosa Júnior, Ademir. Mestre do Reiki. [S.l.]: Universo dos Livros. ISBN 9788579305245