Antanas Smetona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Antanas Smetona
Nascimento 10 de agosto de 1874
Užulėnis (Lituânia)
Morte 9 de janeiro de 1944 (69 anos)
Cleveland
Sepultamento Ohio
Cidadania Império Russo, Lituânia
Cônjuge Sofija Smetonienė
Alma mater
Ocupação político, escritor, pedagogo, advogado, jornalista
Prêmios
  • Grã-cruz da Legião de Honra
  • Ordem das Três Estrelas, 1.ª Classe
  • Grã-Cruz da Ordem de Vytautas, o Grande
  • Grand Cross of the Order of the Cross of Vytis
  • Grã-Cruz da Ordem do Grão-Duque Gediminas
  • Grão-Cordão da Ordem de Leopoldo
  • Ordem da Estrela Branca, Classe Colar
  • Grã-Cruz da Ordem do Leão Branco
  • Cavaleiro da Grã-Cruz da Ordem dos Santos Maurício e Lázaro
  • 1st Class of the Order of the Cross of the Eagle
  • Grã-Cruz da Rosa Branca da Finlândia
  • Cavaleiro da Grã-Cruz da Ordem de Pio IX
  • Doctor Honoris Causa at the Vytautas Magnus University
  • Order of Vytautas the Great
  • Order of the Cross of Vytis
  • Order of the Lithuanian Grand Duke Gediminas
  • Ordem de Leopoldo
  • Ordem das Três Estrelas
  • Order of the White Star
  • Ordem do Leão Branco
  • Ordem dos Santos Maurício e Lázaro
  • Ordem da Cruz da Águia
  • Ordem da Rosa Branca da Finlândia
Empregador Universidade de Vilnius, Universidade Vytautas Magnus
Causa da morte incêndio
Assinatura
SigAntanasSmetona.svg

Antanas Smetona (Sobre este sompronúncia , Ukmergė, 10 de agosto de 1874Cleveland, 9 de janeiro de 1944) foi presidente da Lituânia, e é considerado uma das mais importantes figuras políticas daquele país. No período da primeira guerra e segunda guerra mundial, durante o seu governo, se destacou politicamente com ideologias de nacionalismo.

Vida[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Antanas Smetona frequentou a Academia Petrina em Jelgava (hoje Letônia), uma das escolas de ensino médio mais renomadas dos governos do Mar Báltico.[1] Como um estudante do ensino médio, ele protestou que os estudantes católicos em serviços religiosos da Igreja Ortodoxa Russa tinham que comparecer. Foi então encaminhado para a Academia Petrina e teve que se mudar para um colégio em São Petersburgo. Em 1897, ele começou a estudar direito em São Petersburgo. Como membro de um grupo de estudantes clandestinos, ele distribuiu livros lituanos e, portanto, foi brevemente preso. Em 1902 ele se formou e trabalhou em um banco em Vilnius.

Atividade política[editar | editar código-fonte]

Na Vilnius antes da guerra, Antanas Smetona foi um dos primeiros membros do Partido Democrático Lituano, em cujo presidium foi eleito e que depois representou no Seimas. Ao mesmo tempo, escreveu para vários jornais e editores em língua lituana e ensinou lituano nas escolas. Em várias publicações, ele fez campanha por uma Lituânia independente. Juntou-se ao Partido Progressista do Povo, recém-fundado em 1917, e tornou-se um dos seus representantes mais importantes em Vilnius, ocupado pelo Reich alemão desde 1915, juntamente com Agostinho Voldemaras.

Smetona foi co-organizadora da Conferência da Lituânia e membro do seu Presidium. Ao mesmo tempo, ele era membro do Conselho Lituano (mais tarde Conselho de Estado) em Vilnius, que as autoridades de ocupação alemãs permitiram formar. Em 16 de fevereiro de 1918, ele foi um dos signatários da Declaração de Independência da Lituânia.

Presidente da Lituânia[editar | editar código-fonte]

Em 4 de abril de 1919, Smetona foi nomeado o primeiro Presidente da República da Lituânia pelo Conselho de Estado. Em 19 de abril de 1920, ele deu esse cargo a Aleksandras Stulginskis, eleito presidente pelo Seimas. Não foi reeleito para o parlamento, mas foi presidente do Partido Nacional de 1924 a 1940, trabalhou como jornalista e a partir de 1923 como professor na Universidade Vytautas Magnus em Kaunas.

Após a anexação de Memelland[2] se tornou um comissário lá após a retirada dos franceses, mas logo renunciou ao cargo. A partir de 1926 foi professor de teoria e história da arte, mais tarde de filosofia.

Em 17 de dezembro de 1926, Smetona estabeleceu um sistema ditatorial baseado no modelo do fascismo italiano por meio de um golpe militar . Ele nomeou Augustinas Voldemaras como primeiro-ministro. Em 15 de maio de 1928, Smetona desligou o parlamento lituano com a ajuda de uma nova constituição. Em 1929, Smetona depôs Voldemaras e assumiu a liderança do país como único ditador.

Período de ocupação[editar | editar código-fonte]

No verão de 1940, no governo de Josef Stalin, a URSS deu um ultimato à Lituânia. Smetona não conseguiu encontrar a maioria com sua sugestão de resistência armada. Ele confiou suas funções ao primeiro-ministro Antanas Merkys em 15 de junho de 1940 e fugiu secretamente para a Alemanha, depois para a Suíça e os EUA. Dois dias depois, sob pressão soviética, Merkys entregou seu posto a Justas Paleckis, que era leal à URSS.

Nos EUA[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, Smetona escreveu uma extensa história da Lituânia, que não pôde terminar, porém, porque morreu em 9 de janeiro de 1944 em um incêndio na propriedade de seu filho em Cleveland, Ohio.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Mikelis Bukšs, Leonards Latkovskis (ed.): Acta latgalica , vol. 5. Latgaļu izdevnīceiba, Munich 1974, p. 305.
  2. Museum, Stiftung Deutsches Historisches. «Gerade auf LeMO gesehen: LeMO Kapitel: Weimarer Republik». www.dhm.de (em alemão). Consultado em 17 de dezembro de 2020 
  3. Antanas Smetona Dies in Fire: President of Lithuania Dies in Cleveland; Fled Country on Russian Occupation’; The Montreal Gazette; 10. Januar 1944, S. 19

Fontes