Antidepressivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Antidepressivos)
Ir para: navegação, pesquisa
Estrutura química da fluoxetina, um Inibidor selectivo da recaptação da serotonina (ISRS).

Antidepressivo são fármacos eficazes para tratar transtornos depressivos[1], mas também utilizados para tratar diversa outras doenças, como transtornos de ansiedade, transtornos alimentares, distúrbios do sono, disfunção sexual, dor crônica, adicção e mal de Parkinson.[2]

A maioria das pessoas não se adapta ao primeiro antidepressivo e devem mudar a medicação até encontrar o antidepressivo com o qual responde com melhor efeito e menores efeitos colaterais. O melhor remédio e a dose ideal dependem do organismo e ambiente de cada indivíduo. Combinações com outro antidepressivo, com remédios para ansiedade, com estabilizantes de humor ou neurolépticos podem ser necessários. Os efeitos são melhores quando associados a terapia cognitivo-comportamental, a psicoterapia com melhor evidências científicas.[3]

Tipos[editar | editar código-fonte]

Podem ser classificados em[2][1][4]:

  • Antidepressivos tricíclicos: Os primeiros a serem inventados, muito eficientes, mas causavam muitos efeitos colaterais anticolinérgicos. Os novos antidepressivos tricíclicos causam menos efeitos colaterais. Atuam aumentando a disponibilidade de noradrenalina e serotonina no cérebro.[5]
  • inibidores da monoaminoxidase (IMAO): Os segundos a serem inventados, atuam inibindo a degradação da serotonina, noradrenalina e dopamina pela enzima monoaminoxidase (MAO). Seu uso foi limitado pelo risco da interação com a tiramina, comum em diversos queijos, carnes e bebidas alcoólicas, causando crises hipertensivas.[6]
  • Inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS): Incluem os antidepressivos mais usados atualmente (citalopram, fluoxetina, paroxetina e sertralina). A recaptação de serotonina pelo neurônio que a libera inibe a liberação de mais serotonina (é um feedback negativo), assim ao inibir essa inibição o medicamento aumenta a disponibilidade de serotonina para ativar seus receptores. A seletividade por receptores específicos é a principal diferença entre os membros desse grupo, receptores distintos ativam efeitos diferentes.[7]
  • Inibidor seletivo da recaptação de noradrenalina(ISRN): Uma nova classe de antidepressivos, cujo principal representante é a reboxetina. Uma alternativa aos pacientes que não respondem aos ISRS. Inibe um mecanismo de inibição da noradrenalina.[8]
  • Inibidor seletivo da recaptação de dopamina(ISRD): Uma alternativa para os que sofrem com efeitos colaterais serotoninérgicos, como ejaculação retardada. Geralmente bem tolerado, pois não inibe a monoaminoxidase e tem pouca afinidade pelo sistema serotoninérgico e colinérgico. Se tomado junto ao álcool ou outras drogas pode causar convulsão.[9]
  • Inibidor selectivo da recaptação da serotonina e da noradrenalina (ISRSN): Similares aos tricíclicos, mas sem os efeitos colaterais anticolinérgicos. Apresenta fraca atividade sobre a dopamina, perceptível apenas em grandes doses. Seu principal representante é a venlafaxina.[10]
  • Antidepressivos tetracíclicos: Atuam em um grande número de receptores, como antagonistas ou agonistas inversos dos receptores: 5-HT1A, 5-HT2A (serotoninérgicos), α1, α2 (alfa adrenérgicos), D2 (dopaminérgico), H1 (histaminérgico) e mACh (muscarínico).[11] Seus representantes incluem a Maprotilina, a Mianserina e a Mirtazapina.

Indicações[editar | editar código-fonte]

Em 2010, 15,4% das mulheres adultas usaram algum antidepressivo e o uso está aumentando a cada ano.[12]

O uso de antidepressivos tem eficácia comprovada como parte do tratamento de diversas condições[13]:

Mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

Bioquímica dos transtornos do humor[editar | editar código-fonte]

Os transtornos do estado de ânimo parecem estar relacionados a uma redução na transmissão dos impulsos ou dos sinais nervosos nas áreas do cérebro que regulam o humor. As teorias atuais das causas biológicas da depressão têm-se focado numa falha na neurotransmissão.[2] Atualmente de todas as teorias da depressão propostas, as mais aceitas são das anormalidades que envolvem os neurotransmissores monoaminérgicos, especialmente norepinefrina, flucoxantina, dopamina, serotonina (pelo receptor 5HT2, físicas do receptor que são traduzidos em um sinal intracelular).[2]

O cérebro de indivíduos com fase depressiva na transtorno bipolar (transtorno maníaco-depressivo), depressão crónica ou profunda poderá apresentar pequenas diminuições na utilização dos neurotransmissores monoaminas (noradrenalina e dopamina) e da serotonina (5-HT e 7-HT). Esta teoria das origens bioquímicas da depressão é conhecida como teoria das monoaminas e foi desenvolvida pelo Professor Mariok Usamunu da Universidade do Texas, nos Estados Unidos da América.[24] No entanto na depressão unipolar mesmo profunda, na maioria das vezes não há alterações e na depressão unipolar moderada estas diminuições quando existem não são significativas. Contudo os todos os fármacos eficazes no tratamento da depressão aumentam os níveis de alguns desses neurotransmissores. É sabido que a dopamina é importante nas vias da satisfação, e a adrenalina e serotonina produzem efeitos de satisfação.

Em 2006, uma equipe internacional de investigadores internacionais descobriu uma substância endógena que poderia estar diretamente relacionada ao evento da depressão. Níveis reduzidos de p11, a proteína que modula a atividade das células cerebrais à serotonina, foram encontrados em pessoas deprimidas e em ratos de laboratório com depressões artificialmente induzidas. Esta descoberta, publicada na revista Science, constitui um avanço importante no tratamento da depressão e também alterações do sono, dentre outras aplicabilidades.

Os sintomas mais comuns nas pessoas que sofrem de depressão, podem ser agrupados da seguinte forma: sintomas emocionais (falta ânimo, ansiedade, perda de interesse ou prazer, sentimentos de culpa, ideias suicidas e transtornos cognitivos) e sintomas físicos (agitação, mudanças de peso, dores musculares, perda de energia, alterações do sono).

Os antidepressivos atuam diretamente no cérebro, modificando e corrigindo a transmissão neuro-química em áreas do sistema nervoso que regulam o estado do humor (o nível da vitalidade, energia, interesse, emoções e a variação entre alegria e tristeza), quando o humor está afetado negativamente num grau significativo.

Farmacocinética[editar | editar código-fonte]

A maioria dos antidepressivos são bem absorvidos pelo trato gastrintestinal, sofrem biotransformação hepática e diversos possuem metabólitos ativos. A fluoxetina possui um metabolito ativo (norfluoxetina) que prolonga seu efeito no organismo. O início de ação se dá entre 7 a 14 dias com doses apropriadas, mas pode levar de 4 a 8 semanas para atingir o efeito terapêutico pleno. Interagem medicamentosamente com um grande número de medicamentos e drogas. A maioria não deve ser usada concomitantemente ao uso de álcool.[4]

Tempo de tratamento[editar | editar código-fonte]

De modo geral o tratamento é dividido nas seguintes fases: aguda, continuação (até 6 meses) e preventiva (após 6 meses). Alguns pacientes precisarão tomar o medicamento por toda a vida ou até que a falha possa ser definitivamente corrigida.

A Associação Psiquiátrica Americana sugere que devam ser prescritos por, ao menos, 4 a 5 meses com doses completas após a melhora ou remissão total dos sintomas, sempre acompanhado de psicoterapia.

Farmacodinâmica[editar | editar código-fonte]

Estrutura química da venlafaxina, um Inibidor selectivo da recaptação da serotonina e da noradrenalina (ISRSN).

Os antidepressivos funcionam aumentando as concentrações de dopamina, noradrenalina e/ou serotonina entre os neurônios (sinapses). Deste modo aumenta a excitação nas vias cerebrais cujos neurónios utilizam estes neurotransmissores em atividades relacionadas com o bem-estar emocional.

Apesar das causas da depressão e efeitos farmacodinâmicos dos antidepressivos serem imprecisos, a eficácia desses fármacos foi estabelecida por empíricos estudos (longos anos de uso experimental) e não tanto por conhecimento profundo das causas. Recentemente, alguns estudos indicaram que os antidepressores possivelmente modificam as ligações dos neurónios. Esse facto poderá sugerir que eles resolvem permanentemente alguns problemas de desequilíbrios bioquímicos. No entanto, mais estudos são necessários para esclarecer esta questão.

Efeito placebo[editar | editar código-fonte]

Os fármacos são ineficazes em cerca de 30% dos casos de depressão. Nos estudos clínicos, uma grande percentagem melhora apenas com incentivo do médico e placebo (comprimido de açúcar sem ação farmacológica) administrado como se fosse antidepressor, o que prova que força de vontade, atenção e fé na cura são importantes no tratamento dos deprimidos.

Potencial para abuso[editar | editar código-fonte]

Os antidepressivos criam dependência moderada, mas não são usados enquanto drogas de abuso porque não geram sentimentos de euforia e prazer. Animais de laboratório que recebem doses se carregarem num botão à sua disposição permanente geralmente não mostram interesse em o fazer, ao contrário de drogas recreativas, que consomem compulsivamente até à morte.

Alternativas aos antidepressivos[editar | editar código-fonte]

Diversos especialistas defendem que os antidepressivos têm sido receitados abusivamente. Eles reduzem eficazmente os sintomas de depressão, mas causam diversos efeitos colaterais. Não é necessário o seu uso em casos de depressão leve ou moderada causada por eventos e estresse antes vividos. Na verdade em toda a história o homem teve de lidar com eventos difíceis na sua vida, e a depressão é muitas vezes um mecanismo normal e saudável que permite a modificação de comportamentos e estruturas mentais quando a realidade não corresponde às expectativas. Por exemplo, na mulher, é quase universal e normal a leve depressão pós-parto e na menopausa. Alguém que tem uma visão da vida, ambição ou comportamento que não são adequados à sua situação e possibilidades, poderá vir a sofrer de depressão moderada. Pode ser forçado a um estado de confusão e insegurança, precisamente porque tem de modificar as suas estruturas de pensamento e seu modo de vida. Um animal a que é ensinado determinado comportamento e depois é colocado num ambiente que castiga esse mesmo comportamento sofrendo dores ou adversidade quando o pratica, acaba por manifestar sintomas de depressão (retração, menor movimentação, mais medo) quando é obrigado a modificar o comportamento. Mas a mudança de comportamento é vital para se adaptar ao seu novo ambiente ou adversidade.[carece de fontes?]

Cerca de 30% das depressões não melhoram com o uso de antidepressivos.

Não é recomendado nos primeiros meses de luto, após a morte de um ente querido, sendo preferível a psicoterapia, mas podem ser usados se o luto durar mais de seis meses e em lutos complicados que causam muitos prejuízos em sua vida pessoal e social ou elevado risco de suicídio.[25]

Um problema para o psiquiatra é saber distinguir estados de depressão normal fisiológica que apenas necessitam de demonstrações de apoio, de forma a incentivar o paciente a resolver os seus problemas, de distúrbios mais graves possivelmente originados por desequilíbrios bioquímicos.

Eletroconvulsoterapia

O uso de antidepressivos clínicos em princípio deveria ser limitado aos casos de depressão prolongada, risco de suicídio ou outro comportamento violento, ou em casos de depressão profunda em que o paciente é incapaz de viver a sua vida de forma razoavelmente normal. Em casos muito graves ou em fases depressivas na doença bipolar, a terapia de choques eléctricos (terapia eletroconvulsiva), com uso de eléctrodos e anestésicos para eliminar a dor, é ainda mais eficaz. No tratamento da depressão leve ou moderada, outras técnicas menos invasivas têm eficácia, nomeadamente a psicoterapia, e são preferíveis aos fármacos.

Diagnóstico diferencial

A depressão pode ser classificada como primária ou secundária: na primária não existem outras alterações orgânicas patológicas comprovadas, enquanto na secundária, a aparição da depressão é consequências de outros transtornos psiquiátricos ou patologias orgânicas. No caso da depressão secundária o tratamento deve ser focalizado na causa, por exemplo hipotiroidismo ou transtorno bipolar, para a resolução do quadro depressivo.

Triptofano

A serotonina é uma indolamina originada da hidroxilação com posterior descarboxilação do aminoácio L-triptofano (substrato para formação da serotonina, cuja absorção depende do carreador tirosina) e, ao metabolizarmos a 5HT (serotonina) através de uma reação de acetilação, havendo como co-fatores a vitamina b6, o ácido ascórbico e tetrahidroproteínas fólico dependentes, produzimos o ácido 5OH-indol-acético (A5AHIA), seu metabólito a ser excretado na urina.

O triptofano, substância originadora da serotonina, pode ser utilizado na produção de melatonina através da N-metilação do 5OH-triptofano na glândula pineal. Esta substância é importante por estabelecer o ciclo circadiano. Verificou-se também que as concentrações séricas máximas de triptofano são obtidas das 16 às 23 horas.

Terapia cognitivo-comportamental

Psicoterapias também têm resultados positivos no tratamento de depressões. Por exemplo, a psicoterapia cognitivo-comportamental tem eficácia igual a dos medicamento para o tratamento de depressões leves a moderadas, além de uma taxa de recaída menor que a do tratamento medicamentoso.

Efeitos adversos[editar | editar código-fonte]

Efeitos anticolinérgicos[editar | editar código-fonte]

Os efeitos anticolinérgicos (muscarínicos) são os efeitos colaterais mais freqüentes dos antidepressivos tricíclicos tradicionais. Incluem boca seca , visão borrosa, constipação, retenção urinária, aumento da freqüência cardíaca, tremores e movimentos involuntários. A intensidade desses efeitos declina com o passar do tempo ou com a redução da dose do antidepressivo.[4]

Síndrome de abstinência[editar | editar código-fonte]

Após tratamento prolongado, interromper o uso de antidepressivos é acompanhada de uma síndrome de abstinência que pode aparecer dentro de 1 a 10 dias depois da interrupção (com fluoxetina pode demorar semanas pra começar). Os sintomas podem persistir por até 3 semanas. Os sintomas mais freqüentes são tonturas, vertigens, descoordenação motora, sintomas de gripe, distúrbios sensoriais (parestesias), alterações de sono (insônia, sonolência ou pesadelos) além de irritabilidade, agitação e ansiedade. Com tricíclicos o efeito é ainda pior e começam nas primeiras 48h, um efeito rebote de hiperatividade colinérgica. Podem ocorrer ataques de pânico, arritmias cardíacas e delirium.[26]

Para evitar esse efeito rebote recomenda-se a diminuição gradativa da dose ao longo de algumas semanas. Na primeira semana se reduz a metade e na segunda a um quarto.

Mania\Hipomania[editar | editar código-fonte]

Em pessoas com transtorno afetivo bipolar o uso de antidepressivos podem desencadear um episódio maníaco. Na mania o individuo se torna agitado, eufórico, com pensamentos acelerados e menor necessidade de descanso.

Tendência suicida[editar | editar código-fonte]

O período mais perigoso para o suicídio é logo após o início da terapia, porque o fármaco só manifesta os seus máximo efeito após quatro ou cinco semanas.

Crise hipertensiva[editar | editar código-fonte]

Pacientes que tomam IMAOs devem evitar alimentos ricos em tiramina, o aminoácido precursor da dopamina, noradrenalina e adrenalina, pois eles podem desencadear crise hipertensiva e taquicardia. Os alimentos proibidos são[27]:

  • Queijos maturados ou envelhecidos;
  • Carnes (inclusive peixes) embutidos ou defumados;
  • Mais de uma garrafa de cerveja, chope ou vinho (mesmo sem álcool);
  • Levedura, fava e doce de casca de banana.

Síndrome serotoninérgica[editar | editar código-fonte]

Síndrome serotoninérgica é causada por excesso de serotonina na fenda sináptica, levando a um quadro complexo de sinais e sintomas. Ocorre, por exemplo, pela associação entre antidepressivos e Erva-de-são-joão.

Classes de antidepressivos por mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

Os antidepressivos são classificados em grupos segundo seu mecanismo de ação. Os principais grupos de antidepressivos são[28]:

Nomes comerciais[editar | editar código-fonte]

Nome Comercial Nome da Substância
Survector (fora do mercado desde 2004) Amineptina
Tryptanol, Amitryl Amitriptilina
Zyban, Wellbutrin, Zetron, Elontril Bupropiona
Cipramil, Procimax, Denil Citalopram
Anafranil Clomipramina
Donaren Cloridrato de trazodona
Cymbalta, Velija, Dual Duloxetina
Lexapro, Cipralex Escitalopram
Prozac, Verotina, Eufor, Deprax, Psiquial, Fluxene, Daforin, Nortec Fluoxetina
Luvox, Dumyrox Fluvoxamina
Tofranil Imipramina
Ludiomil Maprotilina
Tolvon Mianserina
Ixel Milnaciprano
Remeron, Mirpax Mirtazapina
Aurorix Moclobemida
Serzone Nefazodone
Pamelor Nortriptilina
Aropax, Benepax, Pondera, Cebrilin, Seroxat, Paxetil Paroxetina
Prolift, Edronax Reboxetina
Zoloft, Tolrest, Sercerin, Novativ, Serenata Sertralina
Equilid, Dogmatil Sulpiride
Stablon Tianeptina
Parnate Tranilcipromina
Efexor, Venlift Venlafaxina

Referências

  1. a b Moncrieff, Joanna; Wessely, Simon; Hardy, Rebecca; Moncrieff, Joanna (2004). «Active placebos versus antidepressants for depression». Cochrane database of systematic reviews (Online) (1): CD003012. PMID 14974002. doi:10.1002/14651858.CD003012.pub2 
  2. a b c d Turner EH, Matthews AM, Linardatos E, Tell RA, Rosenthal R (2008). «Selective publication of antidepressant trials and its influence on apparent efficacy». N. Engl. J. Med. 358 (3): 252–60. PMID 18199864. doi:10.1056/NEJMsa065779 
  3. R. Morgan Griffin. Treatment-Resistant Depression: Your Continuum of Care. http://www.webmd.com/depression/features/treatment-resistant-depression-your-continuum-of-care#2
  4. a b c MORENO, Ricardo Alberto; MORENO, Doris Hupfeld and SOARES, Márcia Britto de Macedo. Psicofarmacologia de antidepressivos. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 1999, vol.21, suppl.1 [cited 2017-04-18], pp.24-40. Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44461999000500006&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1516-4446. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44461999000500006.
  5. Kessel JB , Simpson GM.Tryciclic and Tetracyclic Drugs. In: Kaplan HI , Sadock BJ, editors. Comprehensive Textbook of Psychiatry. 6th ed. Baltimore: Williams e Wilkins; 1995. p. 2096-112
  6. Himmelhoch JM. Monoamine oxidase inhibitors. In: Kaplan HI, Sadock BJ, editors. Comprehensive textbook of psychiatry. 6th ed. Baltimore: Williams & Wilkins; 1995. p. 2038-56
  7. Goodnick PJ, Goldstein BJ. Selective serotonin reuptake inhibitors in affective disorders – I: Basic pharmacology. J Psychopharmacol 1998;12 (3 suppl B): S3-S20.
  8. Montgomery SA. Reboxetine: additional benefits to the depressed patient. J Psychopharmacol 1997; 11 (4 suppl): S9-S16.
  9. United States Pharmacopeial. Dispensing Information (USP-DI). Drug Information for the Health Care Professional. Massachusetts: World Color Book Services; 1999.
  10. 14. Horst WD, Preskorn SH. Mechanism of action and clinical characteristics of three atypical antidepressants: venlafaxine, nefazodone, bupropion. J Affective Disord 1998; 51: 237-54.
  11. Brunton, Laurence (2011). Goodman & Gilman's The Pharmacological Basis of Therapeutics 12th Edition. China: McGraw-Hill. pp. 406–410. ISBN 978-0-07-162442-8.
  12. April L. Dawson, MPH et al. Antidepressant Prescription Claims Among Reproductive-Aged Women With Private Employer-Sponsored Insurance. United States 2008–2013, January 29, 2016 / 65(3);41–46
  13. Schatzberg AF1. New indications for antidepressants. J Clin Psychiatry. 2000;61 Suppl 11:9-17. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10926050
  14. Soloff, PH; Cornelius, J; George, A; Nathan, S; Perel, JM; Ulrich, RF (1993). "Efficacy of phenelzine and haloperidol in borderline personality disorder". Arch Gen Psychiatry. 50 (5): 377–85. doi:10.1001/archpsyc.1993.01820170055007. PMID 8489326.
  15. Hughes JR, Stead LF, Hartmann-Boyce J, Cahill K, Lancaster T. Os medicamentos utilizados para tratamento de depressão ajudam os fumantes que estão tentando parar de fumar? http://www.cochrane.org/pt/CD000031/os-medicamentos-utilizados-para-tratamento-de-depressao-ajudam-os-fumantes-que-estao-tentando-parar
  16. Kabel, D.I., and Petty, F. A placebo-controlled, double-blind study of fluoxetine in severe alcohol dependence: Adjunctive pharmacotherapy during and after inpatient treatment. Alcohol Clin Exp Res 20(4):780–784, 1996
  17. Kranzler, H.R.; Burleson, J.A.; Korner, P.; Del Boca, F.K.; Bohn, M.J.; Brown, J.; and Liebowitz, N. Placebo controlled trial of fluoxetine as an adjunct to relapse prevention in alcoholics. Am J Psychiatry 152(3):391–397, 1995.
  18. Mason, B.J., and Kocsis, J.H. Desipramine treatment of alcoholism. Psychopharmacol Bull27(2):155–161, 1991.
  19. Antidepressant treatment of the depressed patient with insomnia. Thase, Michael E. The Journal of Clinical Psychiatry, Vol 60(Suppl 17), 1999, 28-31.
  20. Lunn MP, Hughes RA, Wiffen PJ (2014). "Duloxetine for treating painful neuropathy, chronic pain or fibromyalgia". Cochrane Database Syst Rev. 1: CD007115. doi:10.1002/14651858.CD007115.pub3. PMID 24385423.
  21. Häuser W, Wolfe F, Tölle T, Uçeyler N, Sommer C (April 2012). "The role of antidepressants in the management of fibromyalgia syndrome: a systematic review and meta-analysis". CNS Drugs. 26 (4): 297–307. doi:10.2165/11598970-000000000-00000. PMID 22452526.
  22. Riederer P, Lachenmayer L, Laux G (August 2004). "Clinical applications of MAO-inhibitors". Curr. Med. Chem. 11 (15): 2033–43. doi:10.2174/0929867043364775. PMID 15279566.
  23. McMahon CG, Touma K. Treatment of premature ejaculation with paroxetine hydrochloride. Int J Impot Res. 1999 Oct;11(5):241-245; discussion 246. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10553802
  24. Bodkin, JA.; et al. (1995). «Buprenorphine treatment of refractory depression». Journal of Clinical Psychopharmacology. 15 (1): 49–57. PMID 7714228 
  25. SIDNEY ZISOOK and KATHERINE SHEAR. Grief and bereavement: what psychiatrists need to know. World Psychiatry. 2009 Jun; 8(2): 67–74. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2691160/
  26. 13. Goldstein BJ, Goodnick PJ. SSRIs in the treatment of affective disorders – III. Tolerability, safety and pharmacoeconomics. J Clin Psychopharmacol 1998; 12 (3 suppl B): S55-S88.
  27. IMAOs: qual a melhor dieta? http://www.scielo.br/img/fbpe/rbp/v21s1/a06a1.gif
  28. Bibliografia: BEZCHLIBNIK-BUTLER, K.Z. & JEFFRIES, J.J. Clinical handbook of psychotropic drugs. 9th ed. Toronto (Canada): Hogrefe & Huber Publishers; 1999.