Antonino Gomes Pereira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Antonino Gomes Pereira.

Antonino Raul da Mata Gomes Pereira GCC (Lourenço Marques, 5 de setembro de 1889Lisboa, 24 de abril de 1960) foi um militar e político português.

Família[editar | editar código-fonte]

Filho de André Gomes Pereira (Vila Viçosa, 19 de Julho de 1859 - Vila Viçosa, 1936) e de sua mulher (Elvas, 15 de Novembro de 1888) Eugénia Adelaide de Sousa da Mata (Elvas, 9 de Novembro de 1856 - Vila Viçosa, 9 de Agosto de 1939), neto paterno do Capitão Tomé Gomes Pereira, de Celorico de Basto, Britelo, e de sua mulher (Vila Viçosa, 19 de Outubro de 1834) Maria da Piedade Pires de Ataíde, de Vila Viçosa, e neto materno de José Manuel da Mata (Elvas, 17 de Fevereiro de 1828) e de sua mulher (Elvas?) Maria da Natividade de Sousa de Gusmão (Elvas, 18 de Outubro de 1835).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi Capitão do Exército Português,[2] 3.º Governador Civil do Distrito de Setúbal de 30 de Janeiro de 1929 a 21 de Março de 1931, durante a Ditadura Nacional, e Ministro do Interior de 24 de Julho de 1933 a 23 de Outubro de 1934, durante o Estado Novo, nomeado por António de Oliveira Salazar por ser inimigo do Movimento Nacional-Sindicalista então crescente, com o efeito de o perseguir.[3] Responsável pela Censura,[4] foi durante o seu mandato que, a 29 de Agosto de 1933, foi estabelecida a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado. Nas suas funções ministeriais, a 27 de Novembro de 1933 esteve presente na inauguração dos Paços do Concelho de Arouca[5] e a 24 de Agosto de 1934, foi uma das autoridades convidadas a visitar o 5.º Acampamento Nacional de Escutas.[6]

Foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo a 27 de Outubro de 1934[7].

Foi Governador Civil do Distrito de Évora de 1934 a 1936.

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou em Vila Viçosa a 21 de Abril de 1915 com Maria Gertrudes Nora Cortes-Novas Pombeiro (Olivença, 29 de Abril de 1890 - Olivença, 23 de Junho de 1963), filha de António Lameiro Pombeiro (Vila Viçosa, 21 de Janeiro de 1844) e de sua mulher (Olivença?) Maria Joana de São José Chamorro Cortes-Novas (Olivença, 18 de Março de 1863), neta paterna do Capitão José Felizardo Pombeiro (Elvas, 1804) e de sua mulher (Vila Viçosa, 26 de Maio de 1839) Gertrudes Rosa das Dores da Gama Lameira (Vila Viçosa, 25 de Novembro de 1821) e neta materna de João José Cortes Novas (Elvas, Vila Boim, 18 de Junho de 1803) e de sua mulher (Elvas, Vila Boim?) Vitória de Jesus Lopes Chamorro (Elvas, Vila Boim, 28 de Julho de 1827). Do seu casamento nasceram quatro filhos: Maria del Pilar Pombeiro Gomes Pereira, José Manuel Pombeiro Gomes Pereira, Marita Pombeiro Gomes Pereira e Eduardo Pombeiro Gomes Pereira. A sua filha Maria del Pilar Amélia Pombeiro Gomes Pereira (Vila Viçosa, São Bartolomeu, 22 de Fevereiro de 1920) casou em Lisboa a 16 de Abril de 1942 com Henrique Eduardo Vosgien de Noronha, 3.º Visconde de Santa Cruz.[1][8]

Referências

  1. a b "Costados", D. Gonçalo de Mesquita da Silveira de Vasconcelos e Sousa, Livraria Esquina, 1.ª Edição, Porto, 1997, N.º 10
  2. Arquivo Nacional da Torre do Tombo https://digitarq.arquivos.pt/details?id=1016258  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. Scribd http://www.scribd.com/doc/60108764/ROLAO-PRETO-E-OS-FASCISTAS-LUSITANOS  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. http://200.144.189.42/ojs/index.php/mediajornalismo/article/viewFile/6221/5638  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. Rossas.aroucanet.com http://rossas.aroucanet.com/educacao2.html  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. Arquivo Nacional da Torre do Tombo https://digitarq.arquivos.pt/details?id=1016295  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Página oficial do Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas. Consultado em 11 de Dezembro de 2013 
  8. "Metellos de Portugal, Brasil e Roma", Manuel Dejante Pinto de Magalhães Arnao Metello e João Carlos Metello de Nápoles, Nova Arrancada-Soc. Editora, 1.ª Edição, Lisboa, 1998, p. 139