Antonio Denarium

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Antonio Denarium
GOMM
10.º Governador de Roraima
Período 1 de janeiro de 2019
a atualidade
Vice-governador Frutuoso Lins
Antecessor(a) Suely Campos
Interventor Federal de Roraima
Período 10 de dezembro de 2018
a 31 de dezembro de 2018
Presidente Michel Temer
Antecessor(a) Cargo criado
Sucessor(a) Cargo extinto
Dados pessoais
Nome completo Antonio Oliverio Garcia de Almeida
Nascimento 3 de março de 1964 (57 anos)
Anápolis, Goiás
Prêmio(s) Ordem do Mérito Militar[1]
Medalha do Pacificador[2]
Esposa Simone Denarium
Filhos Três
Partido PPS (2010-2018)
PSL (2018-2020)
PP (2021-presente)

Antonio Oliverio Garcia de Almeida GOMM (Anápolis, 3 de março de 1964),[3] mais conhecido como Antonio Denarium, é um empresário e político brasileiro, filiado ao Progressistas (PP).[4] Foi eleito governador do estado de Roraima pelo Partido Social Liberal (PSL) no segundo turno das eleições de 2018. No mesmo ano, nomeado pelo presidente Michel Temer, assume a responsabilidade de interventor federal no estado, passando a exercer todas as funções do cargo de governador. A posse do cargo oficial de governador do Estado ocorreu no dia 1º de janeiro de 2019.[5]

Em setembro de 2021, filiou-se ao PP.[6]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Antonio Delarium nasceu em 3 de março de 1964 em Anápolis, Goiás. É filho de Valdivina e Olivério Almeida[7] e casado com Simone, com quem teve três filhos: Carolina, Gabriel e João Antônio.[8]

Desde os 25 anos de idade, Denarium tornou-se gerente titular do Banco Bamerindus e, em 1994, chegou a Roraima com o propósito de chefiar a filial da empresa no Estado, que posteriormente foi comprada pelo HSBC. No novo estado, atuou no setor financeiro, criando a Denarium Fomento Mercantil, e no setor agropecuário.[9][10][11] Em 2014, a companhia foi fechada e deu lugar a Denarium Empreendimentos Imobiliários, tendo em vista a administração de imóveis. Posteriormente, tornou-se diretor presidente do Frigo 10, maior frigorífico do Estado, e diretor da Coopercarne Cooperativa dos Produtores de Carne de Roraima.[12][11]

Em maio de 2020, publicou um vídeo em suas redes sociais afirmando que testou positivo para a COVID-19.[13]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Denarium estreou na política em 2010, como candidato pelo Partido Popular Socialista (PPS), sendo primeiro suplente de Marluce Pinto (PSDB). A chapa, contudo, não foi eleita, perdendo para Romero Jucá (PMDB) e Ângela Portela (PT).[14]

Em 2018, filiado ao Partido Social Liberal (PSL), Denarium se candidatou ao governo de Roraima pela coligação Agora é Roraima com tudo, tendo como vice o médico Frutuoso Lins, do PTC.[15] No primeiro turno, alcançou a marca de 42,2% dos votos válidos contra 38,7% de José de Anchieta Júnior, ex-governador, e 11,1% de Suely Campos. Segundo diversos meios de comunicação, a chegada do político ao segundo turno foi impulsionada pela busca da renovação política num contexto de crise econômica brasileira e pelo apoio público ao candidato à presidência do Brasil Jair Bolsonaro. Em 28 de outubro, elegeu-se governador com 53,3% dos votos válidos.[16]

Em 2010, declarou ao Tribunal Superior Eleitoral possuir R$ 2,4 milhões.[14]. Já em 2018, declarou ao mesmo tribunal a posse de um patrimônio de R$ 15 milhões.[17]

Interventor federal[editar | editar código-fonte]

Em 7 de dezembro de 2018, em meio a uma grave crise financeira e de segurança pública no estado, Denarium foi nomeado pelo presidente Michel Temer como interventor federal em Roraima. A medida, negociada com a governadora Suely Campos, transferiu todos os poderes do governo estadual para Denarium, que na prática assumiu antecipadamente o cargo pelo qual foi eleito.[18][19]

Governador de Roraima[editar | editar código-fonte]

Aliado de Jair Bolsonaro durante a campanha, o político defendeu o fechamento da fronteira com a Venezuela como forma de conter a crise imigratória, atribuindo aos venezuelanos a responsabilidade pelos casos de violência.[20] Em decorrência, as situações conflituosas na fronteira têm sobrecarregado a assistência de saúde do Estado, que decretou estado de calamidade pública na saúde em fevereiro de 2019. A intenção de Denarium com o alarme seria agilizar a compra de materiais necessários aos procedimentos médicos e remédios.[21]

Em agosto de 2019, o vice-governador de Roraima, Frutuoso Lins (SD), rompeu politicamente com Antonio Denarium. Segundo Lins, Antonio Denarium não tem realizado as promessas de campanha e sua posição no governo é decorativa. Apesar disso, Frutuoso não renunciou ao cargo.[22]

Em 2020, seguiu o presidente e desfiliou-se do PSL, partido na qual era filiado desde 2018. Em uma de suas redes sociais disse que seguirá o presidente na criação de seu partido.[23] Sua saída foi oficializada em maio de 2020.[24]

No mesmo ano, por meio de um rede social, informou que havia contraído o Covid-19. O governador se isolou junto a sua família.[25]

Desempenho Eleitoral[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Cargo Partido Coligação Chapa Votos % Resultado
2010 Estaduais em Roraima 1° Suplente

Senador

PPS União por Roraima

(PSDB,DEM,PMDB,PR,PPS,PTN)

Marluce Pinto

(PSDB)

90.938 21,42% Não eleito [26]

3° lugar

2018 Estaduais em Roraima Governador PSL Agora é Roraima com Tudo

(PSL,PTC,PRB,PRP,PROS,PSC,PPL,PATRI)

Frutuoso Lins

(PTC)

136.612 53,34% Eleito [27]

2º turno

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Compra de votos[editar | editar código-fonte]

Antonio Denarium e Frutuoso Lins enfrentaram um processo de cassação na Justiça Eleitoral por suposta compra de votos e caixa 2 movido pelos candidatos que perderam a eleição para o cargo de governador de Roraima no 2° turno, José de Anchieta (PSDB), falecido, e Abel Galinha (DEM). Em outros processos de cassação a chapa também é acusada de abuso de poder econômico, praticar fraude e corrupção. Todos os processos tem em comum a citação de uma planilha supostamente criada para controlar arrecadações e gastos ilícitos.[28][29] Em julho de 2020, por 4 votos a 3, o TRE de Roraima julgou as acusações improcedentes por falta de provas e embasamento nas denúncias.[30]

Nepotismo[editar | editar código-fonte]

Antonio Denarium nomeou sua irmã, Vanda Garcia de Almeida, e seu sobrinho, Samuel Garcia de Oliveira, nas secretarias de Trabalho e Bem Estar Social (Setrabes) e Cultura (Secult), ambas geridas por cunhadas do governador. As nomeações tiveram forte repercussão, sendo amplamente entendidas como nepotismo. Após protestos, o governador recuou e exonerou seus familiares.[31]

Pedidos de impeachment[editar | editar código-fonte]

Em março de 2019, o senador Telmário Mota (Pros) deu entrada em um pedido de impeachment sobre a gestão do governador Antonio Denarium. Na acusação, o senador afirma que Denarium teria incorrido em crime de responsabilidade quando tratara de acordos políticos com o grupo guerrilheiro paramilitar Tupamaros, em meio aos conflitos na fronteira com a Venezuela. Em pronunciamento dado à imprensa, o governador reiterou que tratou apenas de questões comerciais com os membros do movimento revolucionário, não envolvendo, portanto, nenhuma quebra legislativa ou risco à segurança nacional.[32]

Superfaturamento na Saúde[editar | editar código-fonte]

Em meio a pandemia da COVID-19, descobriu-se suspeitas de superfaturamento por parte do secretário da saúde, na compra de respiradores e de ampolas cirúrgicas por parte da SESAU-RR ( Secretaria de Estado da Saúde de Roraima). O estado comprou 30 aparelhos, custando cerca de R$ 200 mil cada, após comprar outros 50 aparelhos ao custo de R$ 44 mil cada.O governador de Roraima acabou exonerando pela internet o secretário, Francisco Monteiro Neto. O vice-governador, Frutuoso Lins (SD), pediu à Polícia Federal, Ministério público Federal, Ministério Público de Roraima e ao Tribunal de Contas apurações sobre o caso.[33][34] Pelos fatos expostos, no dia 6 de maio de 2020, seis deputados estaduais protocolaram um pedido de impeachment sobre a gestão do governador.[35][36]

Referências

  1. «Boletim do Exército do Brasil de abril de 2020». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 11 de setembro de 2020 
  2. «Boletim do Exército do Brasil de julho de 2019». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  3. Gazeta do Povo 2018.
  4. «Governador de Roraima se filia ao PP após 1 ano e 3 meses sem partido». G1. Consultado em 23 de setembro de 2021 
  5. Martello & Mazui 2018.
  6. «Governador de Roraima se filia ao PP após 1 ano e 3 meses sem partido». G1. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  7. Jornal Opção 2018.
  8. Brandão, Félix & Oliveira 2018.
  9. O Sul 2018.
  10. Pinheiro 2018.
  11. a b Valor Econômico 2018.
  12. GaúchaZH 2018.
  13. «Governador de Roraima está com Covid-19». G1. Consultado em 3 de julho de 2020 
  14. a b Notícias UOL 2010.
  15. G1/RR 2018.
  16. Toledo 2018.
  17. TSE 2018.
  18. Netto & Matoso 2018.
  19. Carazzai 2018.
  20. Marchao & Ramalhoso 2018.
  21. Laboissière 2019.
  22. «Vice-governador Frutuoso Lins rompe com Antonio Denarium e diz que promessas não são cumpridas». Roraima em Tempo. 27 de agosto de 2019. Consultado em 23 de maio de 2020 
  23. «Govenador e primeira-dama convidam roraimenses para evento do Aliança pelo Brasil em Boa Vista». Roraima em Tempo. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  24. «Apoiador de Bolsonaro, governador de RR se desfilia do PSL». G1. Consultado em 29 de maio de 2020 
  25. «Governador de Roraima informa que contraiu coronavírus». R7.com. 18 de maio de 2020. Consultado em 19 de maio de 2020 
  26. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno) - UOL Eleições 2010». placar.eleicoes.uol.com.br. Consultado em 23 de maio de 2020 
  27. «Resultado das Eleições 2018: Roraima». Gazeta do Povo. Consultado em 23 de maio de 2020 
  28. «Justiça convoca empresários para depor em pedido de cassação da chapa do governador de RR». G1. Consultado em 23 de maio de 2020 
  29. «Ação de cassação do mandato de Denarium está pronta para ser julgada no TRE.». Blog do Expedito Peronnico. 13 de janeiro de 2020. Consultado em 23 de maio de 2020 
  30. «TRE julga improcedente ação que pedia cassação do governador e vice de Roraima». G1. Consultado em 25 de julho de 2020 
  31. «Após polêmica, governo de RR diz que exonerou irmã e sobrinho de Antonio Denarium». G1. Consultado em 23 de maio de 2020 
  32. Folha Web 2019.
  33. «Governador de RR exonera secretário de Saúde após polêmica em compra de respiradores». G1. Consultado em 23 de maio de 2020 
  34. «Secretário de saúde de RR é exonerado após compra de respiradores». noticias.uol.com.br. Consultado em 23 de maio de 2020 
  35. «Impeachment: Deputados acusam Denarium de não intervir em compras superfaturadas». 6 de maio de 2020 
  36. «Presidente da CPI da Saúde pede 'serenidade' durante processo de impeachment contra Denarium». 10 de maio de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Suely Campos
Governador de Roraima
2019 – atual
Sucedido por