Antonio Skármeta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antonio Skármeta
Nome completo Esteban Antonio Skármeta Vranicic
Nascimento
Antofagasta,  Chile
Género(s) Romance, conto
Movimento Pós-modernismo
Magnum opus O Carteiro de Pablo Neruda
Prémios Prêmio Internacional de Literatura Bocaccio

Prémio Planeta (2003)
Prémio Casa de las Américas (2003)
Prêmio Nacional de Literatura do Chile (2014)

Página oficial Site oficial de Antonio Skármeta (em espanhol)

Esteban Antonio Skármeta Vranicic (Antofagasta, 7 de novembro de 1940) é um escritor chileno.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Esteban Antonio Skármeta Vranicic nasceu em 7 de novembro de 1940 em Antofagasta, Chile. Filho de Antonio Skármeta Simunovic e de Magdalena Vranicic, é descendente de croatas. Realizou seus estudos secundários no Instituto Nacional General José Miguel Carrera.

Skármeta estudou Filosofia e Literatura na Universidade do Chile. Seus estudos de filosofia foram realizados sob a direção de Francisco Soler Grima, um filósofo alemão, discípulo de Julián Marías e de José Ortega y Gasset. Suas teses versam sobre o pensamento desse último. Seguindo a linha de Soler, interessou-se pelas filosofias de Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Martin Heidegger. Logo realizou estudos nos Estados Unidos e se graduou na Universidade de Columbia.

Por demais, foi membro do Movimento de ação popular e Unitária (MAPU). Em 1964, casou-se com a pintora Cecilia Boisier, com a qual teve dois filhos, Beltrán, escritor e filósofo, e Gabriel, músico.

Em 1969, foi premiado em Havana com o Prêmio Casa das Américas pelo livro de relatos titulado Desnudo en el tejado.

No ano de 1973 era professor de literatura da Universidade do Chile e diretor teatral. Já havia produzido um filme sobre a Unidade Popular com o diretor alemão Peter Lilienthal, no qual publicou mais tarde (1982) a novela La insurrección. Devido ao golpe militar no Chile teve que sair do país em companhia do cineasta Raúl Ruiz. A primeira escala foi a Argentina, onde residiu durante um ano e publicou seu livro de relatos Tiro libre. Logo partiu rumo à Alemanha Ocidental, onde se dedicou ao cinema. Trabalhou como professor na Academia Alemã de Cinema e Televisão em Berlim Ocidental.

Na Alemanha escreveu a história de O carteiro e o poeta, primeiro para a rádio alemã e depois para o mundo (1985).

Antes de voltar ao Chile, Skármeta se casou com Nora Maria Preperski, com a qual teve um filho chamado Fabián. Em 1989 regressou ao Chile após o longo exílio de 16 anos. Criou um programa de televisão chamado O show dos livros.

Em 1994 estreou a segunda versão cinematográfica de O Carteiro e O Poeta, sob o título El cartero de Neruda, no Festival de Veneza. O filme, dirigido por Michael Radford e protagonizado por Massimo Troisi, obteve cinco indicações ao Oscar.

Em 1996 recebeu o Prêmio Internacional de Literatura Bocaccio por sua novela No pasó nada. No ano de 1999 ganhou o Prêmio Altazor graças à publicação de La boda del poeta. Também conquistou o Prêmio Grinzane Cavour.

Em maio de 2000 foi nomeado Embaixador do Chile na Alemanha, cargo que exerceria até fevereiro de 2003. Nesse mesmo ano, recebeu o Prêmio Llibreter pela edição ilustrada de seu relato La composición. No ano de 2001 recebeu o Prêmio Grinzane Cavour pela novela La boda del poeta.

Em abril de 2003 obteve o Prêmio Unesco 2003 de Literatura Infantil e Juvenil em prol da Tolerância, com o livro La redacción. Em outubro desse mesmo ano, sob pseudônimo de María Tornés, Antonio Skármeta recebeu o Prêmio Planeta pela obra El baile de la victoria (O Baile da Vitória).

Em julho de 2004, Skármeta ganhou o Prêmio Municipal de Literatura de Santiago do Chile pelo romance El baile de la victoria.

Em julho de 2006, recebeu o "Prêmio Internacional Ennio Flaiano" [1] pelo "valor cultural e artístico de sua obra", em particular pelo romance El baile de la victoria.

Obras[editar | editar código-fonte]

Contos

  • El entusiasmo, 1967.
  • Desnudo en el tejado, 1969.
  • Tiro libre, 1973.

Romances

  • Soñé que la nieve ardía, 1975.
  • Não foi nada - no original No pasó nada, 1980.
  • La insurrección, 1982.
  • O carteiro de Pablo Neruda - no original Ardiente paciencia, 1985.
  • Matchball, 1989.
  • La composición, 1998.
  • A boda do poeta - no original La boda del poeta, 1999.
  • A rapariga do trombone - no original La chica del trombón, 2001.
  • A dança da vitória: romance - no original El baile de la victoria, 2003.
  • Um pai de filme - no original Un padre de película, 2010.
  • Os dias do arco-íris - no original Los días del arco iris, 2011.

Teatro

  • La búsqueda, 1976.
  • No pasó nada, 1977.
  • La mancha, 1978.
  • La composición, 1979.
  • Dieciocho kilates, estreia a 25 de junho de 2010 no Festival Internacional de Teatro de Nápoles.

Literatura infantil

  • La composición, conto para crianças, 1998.
  • El portero de la cordillera, 2012.

Outros

  • Neruda por Skármeta - no original Neruda por Skármeta, 2004.
  • El ciclista de San Cristóbal, 1973
  • Novios solitarios, 1975.
  • La Cenicienta en San Francisco y otros cuentos, 1990.
  • Uno a uno: cuentos completos, 1996.
  • Antología personal, 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Antonio Skármeta