Anu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções, veja Anum.
Anu
Senhor das constelações
Rei dos espíritos e dos demônios
Cuneiform sumer dingir.svg
"An" escrito em cuneiforme sumério.
Planeta Nibiru
Morada Pólo Norte, Draco.
Símbolo Dingir
Cônjuge(s) Uras (Mitologia suméria), Qui (Mitologia suméria), Antu (Mitologia babilônica), Namu (Mitologia suméria)
Pais Apsu e Namu (Mitologia suméria)
Ansar e Quisar (Mitologia semita)
Alalu (Mitologia hitita)
Filho(s) Enlil, Enqui, Niquicurga, Nidaba, Nintinuga
Em outras versões:
Inana, Cumarbi, Anameleque
Romano equivalente Júpiter[1][2]
Grego equivalente Zeus[1][2]
Cananeu equivalente El

Anu ou Am era o deus acádio do céu, mais tarde também cultuado por assírios e babilônios, sendo o correspondente semita do deus Am da mitologia suméria.[3]

Divindade[editar | editar código-fonte]

Anu era o "senhor das constelações, rei dos espíritos e dos demônios". Anu habitava as mais altas regiões celestiais. Era tido também como juiz dos homens e dos deuses, tendo criado as estrelas do céu para o servirem como seus soldados, encarregadas de perseguir e punir os criminosos. Anu era o pai dos Anunáqui (também chamados de Anunacu).

Iconograficamente, Anu surge por vezes representado como um chacal. No entanto, o seu traço distintivo mais frequente é a tiara divina, engalanada com dois pares de cornos (a importância dos deuses acádicos era medida pelo número de pares de cornos que ornamentavam as suas tiaras). O mais importante de todos os deuses era Anu.

Ele era o pai dos deuses da Suméria (Nefilim-Anunáqui), é o governante de Nibiru (ou Marduque), o 12º planeta do sistema solar, portanto, governante do sistema solar.

Mitologia[editar | editar código-fonte]

Suméria[editar | editar código-fonte]

A principal fonte de informação sobre o mito da criação suméria é o prólogo do poema épico Gilgamés, Enquidu e o Submundo, que descreve brevemente o processo de criação:

A princípio, existe apenas Namu, o mar primitivo [...][4] Então, Namu dá à luz Am (o nome sumério de Anu), o céu, e Qui, a terra.  Am e Qui se acasalam, fazendo com que Qui dê à luz Enlil, o deus do vento. [4] Enlil separa Am de Qui e carrega a terra como seu domínio, enquanto Am carrega o céu.

Em sumério, a designação "An" era usada alternadamente com "os céus", de modo que, em alguns casos, é duvidoso que, sob o termo, o deus Am ou os céus esteja sendo indicado.[5][6] Na cosmogonia suméria, o céu era visto como uma série de três cúpulas cobrindo a terra plana. [7][8] Acreditava-se que cada uma dessas cúpulas do céu era feita de uma pedra preciosa diferente. Acreditava-se também que Am era a mais alta e externa dessas cúpulas, que se pensava ser feita de pedra avermelhada. Fora desta cúpula era o corpo primordial de água conhecido como Namu.[4] O sucal (assistente) de Am era o deus Ilabrate.[8]

Mitos de Inana[editar | editar código-fonte]

O Inana e Ebí, também conhecida como Deusa dos Temíveis Poderes Divinos,[9] é um poema de 184 linhas escrito em sumério pela poetisa acádia Enheduana.[10] Descreve o confronto da neta Inana com o Monte Ebí, conhecida como a cordilheira de Zagros. Aparece brevemente em uma cena do poema em que Inana pede que ele destrua o Monte Ebí.[10] Um alerta indica para Inana para não atacar a montanha, mas ela ignora o aviso e passa a atacar e destruir o Monte Ebí independentemente.[10]

O poema que Inana assume o comando do céu é um relato extremamente fragmentário, mas importante, da conquista de Inana pelo templo de Eana em Uruque.[11] Começa com uma conversa entre Inana e seu irmão Utu, na qual Inana lamenta que o templo de Eana não esteja dentro de seu domínio e resolve reivindicá-lo como seu.[11] O texto se torna cada vez mais fragmentário neste ponto da narrativa, mas parece descrever sua difícil passagem por um pântano para chegar ao templo, enquanto um pescador a instrui sobre qual caminho é o melhor a seguir.[11] Por fim, Inana chega a Anu, que está chocado com sua arrogância, mas mesmo assim admite que conseguiu e que o templo agora é seu domínio.[11] O texto termina com um hino que expõe a grandeza de Inana. Este mito pode representar um eclipse na autoridade dos sacerdotes de Anu em Uruque e uma transferência de poder para os sacerdotes de Inana.[11]

Hitita[editar | editar código-fonte]

Na mitologia hitita, Anu derruba seu pai Alalu  e se proclama governante do universo.[12][13] Ele próprio é mais tarde derrubado por seu próprio filho Cumarbi. Anu tenta fugir, mas Cumarbi morde os órgãos genitais de Anu e os engole.[14][2] Cumarbi bane Anu para o submundo, junto com seus aliados, os deuses antigos, quem os hititas sincretizavam com os Anunáqui.[15] Como conseqüência de banir seu pai, Cumarbi fica impregnado com o filho de Anu, Tesube, e outros quatro filhos.[14][2] Depois dele amadurecer, Tesube derruba seu pai Cumarbi, vingando a derrota e a mutilação de seu avô Anu.[14]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Anu», especificamente desta versão.
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: en:Anu


Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.