Apanan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Candomblé

Religiões afro-brasileiras


Princípios básicos

Deus
Ketu | Olorum | Orixás
Jeje | Mawu | Vodun
Bantu | Nzambi | Nkisi


Religiões
Babaçuê | Batuque | Cabula
Candomblé | Culto de Ifá
Culto aos Egungun | Quimbanda
Macumba | Omoloko
Tambor-de-Mina | Terecô
Xambá | Xangô do Nordeste


Temáticas
Confraria | Hierarquia
Sacerdotes | Sincretismo
Templos afro-brasileiros
Terminologia


Religiões semelhantes
Religiões Africanas | Abakuá
Arará | Lukumí | Obeah
Palo | Regla de Ocha | Santeria



Apanan ou panã é um ritual da iniciação ketu que ocorre logo depois do Orunko, Urupim na feitura de santo. Tem como objetivo principal fazer com que o noviço reaprenda as atividades do mundo profano e cotidiano, para que nada lhe seja prejudicial no futuro.

Ritual[editar | editar código-fonte]

É um ritual complexo onde todos da comunidade participam: o Yawô ainda desorientado devido ao longo período de transe e clausura, com os movimentos ainda trôpegos, recebe orientação do seu Babalorixa ou Yalorixa para executar as tarefas do dia a dia, tais como varrer, costurar, lavar, passar, sentar-se à mesa, cozinhar, etc. Tem a finalidade de fazer com que o noviço entenda que já é hora de voltar à sua vida normal, apesar de aproveitar mais um pequeno período do seu mundo sobrenatural. Em determinado momento a depender da atividade, principalmente quando lhe oferecem uma taça de bebida alcoólica o Iaô entra em transe, estabelecendo ai o ewo, podendo ser temporário ou não.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre candomblé é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.