Apatia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Antipatia.
AnsiedadeExcitaçãoFluxo (psicologia)PreocupaçãoControle (administração)ApatiaTédioRelaxamento (psicologia)
Estado mental em termos de nível de desafio e nível de habilidade, de acordo com o modelo de fluxo de Csikszentmihalyi.[1] (clique em um fragmento da imagem para ir ao artigo apropriado)

Apatia é a falta de sentimento, emoção, interesse ou preocupação com algo. É um estado de indiferença, ou a supressão de emoções como excitação, motivação ou paixão. Um indivíduo apático tem uma ausência de interesse ou preocupação com a vida emocional, social, espiritual, filosófica, virtual ou física e com o mundo. A apatia também pode ser definida como a falta de orientação para objetivos de uma pessoa.[2]

O apático pode não ter um senso de propósito, valor ou significado em sua vida. Pessoas com apatia grave tendem a ter menor qualidade de vida e apresentam maior risco de mortalidade e institucionalização precoce.[2]Eles também podem apresentar insensibilidade ou lentidão. Na psicologia positiva, a apatia é descrita como resultado do sentimento dos indivíduos de que não possuem o nível de habilidade necessário para enfrentar um desafio (ou seja, "fluxo"). Também pode ser o resultado de não perceber nenhum desafio (por exemplo, o desafio é irrelevante para eles ou, inversamente, eles aprenderam o desamparo). A apatia é algo que todas as pessoas enfrentam de alguma forma e é uma resposta natural à decepção, desânimo e estresse. Como resposta, a apatia é uma maneira de esquecer esses sentimentos negativos.[3] Esse tipo de apatia comum geralmente é sentida apenas a curto prazo, mas às vezes se torna um estado de longo prazo ou mesmo ao longo da vida, muitas vezes levando a problemas sociais e psicológicos mais profundos. Uma forma extrema de apatia pode ser alguém ficar insensível a diferentes eventos estressantes da vida, como perder o emprego.

A apatia deve ser distinguida da exibição de afeto reduzida, que se refere à expressão emocional reduzida, mas não necessariamente à emoção reduzida.

A apatia patológica, caracterizada por formas extremas de apatia, é agora conhecida por ocorrer em muitos distúrbios cerebrais diferentes,[4] incluindo condições neurodegenerativas frequentemente associadas à demência, como a doença de Alzheimer,[5] doença de Parkinson,[6] e distúrbios psiquiátricos, como esquizofrenia.[7] Embora muitos pacientes com apatia patológica também tenham depressão, vários estudos mostraram que as duas síndromes são dissociáveis: a apatia pode ocorrer independentemente da depressão e vice-versa.[4]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Embora a palavra apatia tenha sido usada pela primeira vez em 1594[8] e seja derivada do grego ἀπάθεια (apateia), de ἀπάθης (apathēs, "sem sentimento" de a- (sem, não") e pathos ("emoção")),[9] é importante não confundir os dois termos. Também significando "ausência de paixão", "apatia" ou "insensibilidade" em grego, o termo apateia foi usado pelos estoicos para significar um estado (desejável) de indiferença em relação a eventos e coisas que estão fora de seu controle (isto é, de acordo com sua filosofia, todas as coisas exteriores, sendo apenas responsável por suas próprias representações e julgamentos).[10] Em contraste com a apatia, a apateia é considerada uma virtude, especialmente no monaquismo ortodoxo.[11] Na Filocália, a palavra desapego é usada para apateia, para não confundir com apatia.[12]

Referências

  1. Csikszentmihalyi M (1997). Finding Flow: The Psychology of Engagement with Everyday Life 1st ed. New York: Basic Books. p. 31. ISBN 978-0-465-02411-7 
  2. a b Fahed M, Steffens DC (maio de 2021). «Apathy: Neurobiology, Assessment and Treatment». Clinical Psychopharmacology and Neuroscience. 19 (2): 181–189. doi:10.9758/cpn.2021.19.2.181 
  3. Nall R (27 de setembro de 2019). Legg TJ, ed. «What You Should Know About Apathy». Healthline (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2021 
  4. a b Husain M, Roiser JP (agosto de 2018). «Neuroscience of apathy and anhedonia: a transdiagnostic approach» (PDF). Nature Reviews. Neuroscience. 19 (8): 470–484. PMID 29946157. doi:10.1038/s41583-018-0029-9 
  5. Nobis L, Husain M (agosto de 2018). «Apathy in Alzheimer's disease». Current Opinion in Behavioral Sciences. 22: 7–13. PMC 6095925Acessível livremente. PMID 30123816. doi:10.1016/j.cobeha.2017.12.007 
  6. den Brok, Melina G. H. E.; van Dalen, Jan Willem; van Gool, Willem A.; Moll van Charante, Eric P.; de Bie, Rob M. A.; Richard, Edo (maio de 2015). «Apathy in Parkinson's disease: A systematic review and meta-analysis». Movement Disorders: Official Journal of the Movement Disorder Society. 30 (6): 759–769. ISSN 1531-8257. PMID 25787145. doi:10.1002/mds.26208 
  7. Bortolon C, Macgregor A, Capdevielle D, Raffard S (setembro de 2018). «Apathy in schizophrenia: A review of neuropsychological and neuroanatomical studies». Neuropsychologia. 118 (Pt B): 22–33. PMID 28966139. doi:10.1016/j.neuropsychologia.2017.09.033 
  8. «Apathy - Definition and More from the Free Merriam-Webster Dictionary». Merriam-webster.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2014 
  9. «Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon, ἀπάθ-εια». Perseus.tufts.edu. Consultado em 25 de fevereiro de 2014 
  10. Fleming W (2006). The vocabulary of philosophy, mental, moral, and metaphysical. [S.l.]: Kessinger Publishing. p. 34. ISBN 978-1-4286-3324-7  and in hardcover (2007; ISBN 978-0-548-12371-3).
  11. Linjamaa P (2019). «Emotions, Demons, and Moral Ability». The Ethics of The Tripartite Tractate (NHC I, 5). Col: A Study of Determinism and Early Christian Philosophy of Ethics. [S.l.]: Brill. pp. 71–111. ISBN 978-90-04-40775-6. JSTOR 10.1163/j.ctv1sr6hq6.7 
  12. Carey J (2018). «Dispassion as an Ethical Ideal». Ergo, an Open Access Journal of Philosophy. 5 (20201214). ISSN 2330-4014. doi:10.3998/ergo.12405314.0005.024. hdl:2027/spo.12405314.0005.024