Apeadeiro de Lapela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lapela
BSicon BAHN.svg
Linha(s): Linha do Minho (PK 140,288)
Altitude: 20 m (a.n.m)
Coordenadas: 42°3′21.56″N × 8°32′9.88″W

(≍+42.05599;−8.53608)

(mais mapas: 42° 03′ 21,56″ N, 8° 32′ 09,88″ O)
Concelho: bandeiraMonção
Serviços: sem serviços
Inauguração: 15 de junho de 1913 (há 109 anos)
Encerramento: sim
Edifício de passageiros e abrigo secundário na contra-via da estação de Lapela, preservados em 2013.
Disambig grey.svg Nota: Para outras interfaces ferroviárias com nomes semelhantes ou relacionados, veja Apeadeiro de Abela.

O Apeadeiro de Lapela (nome anteriormente grafado como "Lapella")[1], é uma interface encerrada da Linha do Minho, que servia a localidade de Lapela, no concelho de Monção, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Linha do Minho § História

O lanço da Linha do Minho entre Valença e Lapela foi aberto à exploração em 15 de Junho de 1913.[2]

A estação de Lapela em 2012, integrada na Ecopista do Rio Minho.

Nos horários de Junho de 1913, esta estação era servida por comboios com origem em Porto-São Bento.[1] Nesse ano, existiam serviços rodoviários ligando esta gare a Monção, feitos por diligências e automóveis.[3]

O lanço seguinte da Linha do Minho, até Monção, entrou ao serviço em 15 de Junho de 1915.[2]

Em 1934, a Comissão Administrativa do Fundo Especial de Caminhos de Ferro autorizou a instalação de uma báscula de quarenta toneladas de via interrompida, na estação de Lapela.[4]

Em 1971 este interface tinha ainda categoria de estação,[5] mas em 1985 era já oficialmente considerado como apeadeiro,[6] ainda que conservando o edifício de passageiros — que se situa do lado sudeste da via (lado direito do sentido ascendente, a Monção).[6]

O lanço entre Valença e Monção foi encerrado pela empresa Caminhos de Ferro Portugueses em 2 de Janeiro de 1990.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Minho - Porto, Braga, Vianna, Valença, Lapella». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. ANo 39 (168). Outubro de 1913. p. 106. Consultado em 24 de Dezembro de 2013 – via Biblioteca Nacional Digital  (imagem)
  2. a b «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 24 de Dezembro de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  3. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. Ano 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 22 de Março de 2018 – via Biblioteca Nacional Digital 
  4. «Direcção Geral de Caminhos de Ferro» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 46 (1118). 16 de Julho de 1934. p. 355. Consultado em 24 de Dezembro de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  5. Sinalização da estação de Lapela” (diagrama anexo à I.T. n.º 28), 1971
  6. a b (anónimo): Mapa 20 : Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1985), CP: Departamento de Transportes: Serviço de Estudos: Sala de Desenho / Fergráfica — Artes Gráficas L.da: Lisboa, 1985
  7. «CP encerra nove troços ferroviários». Diário de Lisboa. Ano 69 (23150). Lisboa: Renascença Gráfica. 3 de Janeiro de 1990. p. 17. Consultado em 22 de Novembro de 2020 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Apeadeiro de Lapela

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.