Apeadeiro de Sousa da Sé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sousa da Sé
BSicon BAHN.svg
Linha(s): Linha de Évora
(PK 127,475)
Coordenadas: 38° 38′ 05,9″ N, 7° 50′ 28,12″ O
Concelho: Évora
Serviços: Sem serviços
Website:

O Apeadeiro de Sousa da Sé, originalmente denominado de Machêde, é uma interface encerrada da Linha de Évora, que servia a zona de Sousa da Sé, no concelho de Évora, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Horários de 1913, onde este apeadeiro surge com o nome de Machêde

Este apeadeiro encontra-se no lanço entre Évora e o Vale do Pereiro, que entrou ao serviço em 5 de Setembro de 1871, pelo estado português.[1]

Em finais de 1916, a direcção dos Caminhos de Ferro do Sul e Sueste mudou a denominação desta gare, de Machêde para Sousa da Sé, possuindo nesta altura a categoria de estação.[2] Dez anos depois, uma estação com o nome de Machede seria inaugurada, no nóvel Ramal de Reguengos.[3]

Em 11 de Maio de 1927, os Caminhos de Ferro do Estado foram integrados na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que passou a explorar as antigas divisões do Minho e Douro e do Sul e Sueste.[4] Em 1933, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses realizou obras de reparação e melhoramento no edifício de passageiros deste apeadeiro.[5]

Em 2 de Janeiro de 1990, a operadora Caminhos de Ferro Portugueses deixou de prestar serviços de passageiros no lanço entre Évora e Estremoz.[6] Os serviços de mercadorias permaneceram até ao fim da exploração deste lanço, em 2009, que foi oficialmente desclassificado em 2011.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 4 de Junho de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  2. «Efemerides» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 51 (1231). 1 de Abril de 1939. p. 202-204. Consultado em 4 de Junho de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  3. «Aviso ao público: transporte de mercadorias destinadas a Machede e Montoito» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 39 (932). 16 de Outubro de 1926. p. anexo 2. Consultado em 17 de Fevereiro de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  4. REIS et al, 2006:63
  5. «O que se fez nos Caminhos de Ferro em Portugal no Ano de 1933» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 47 (1106). 16 de Janeiro de 1934. p. 49-52. Consultado em 4 de Junho de 2013 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  6. «CP encerra nove troços ferroviários». Diário de Lisboa. Ano 69 (23150). Lisboa: Renascença Gráfica. 3 de Janeiro de 1990. p. 17. Consultado em 22 de Fevereiro de 2021 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 
  7. «Transporte Ferroviário-Relatório Anual de Segurança de 2011» (PDF). Lisboa: Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres. 14 de Setembro de 2012. p. 24. Consultado em 5 de Junho de 2013 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • REIS, Francisco Cardoso dos; GOMES, Rosa Maria; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.