Apep

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Disambig grey.svg Nota: Para o faraó, veja Apopi I. Para o asteroide, veja Apophis.
Apep
O29
p p
Parentesco Criação do caos
Filho(s) Hordas de demônios

Na mitologia egípcia, Apep (ou Apophis, em grego. Também conhecida como Apófis), é uma criatura em forma de serpente que combatia o deus ao cair de cada noite, sendo sempre morta, mas sempre ressuscitando. Também chamada de Apepi ou Aapep.

Apep é considerado por muitos a personificação do caos no submundo embora essa relação seja inexistente visto que o Caos é anterior a sua criação. Inimigo jurado dos deuses (principalmente Rá). Ele é a personificação da destruição e do mal na mitologia faraônica (egípcia). Apep surge como uma serpente gigantesca, com 30 metros de comprimento. É servido por hordas de demônios, a maioria possuindo qualidades de serpente do fogo. Para os egípcios, quando havia um eclipse, era o corpo gigantesco de Apep, cobrindo a luz do Sol, enquanto tentava destruir a barca de e devorá-lo. Apep se encontrava no último dos doze portões do submundo, cada um representado por uma hora da noite, onde era o maior desafio de . Na verdade Apófis não é necessariamente um deus e sim a personificação do próprio caos(Isfet)

Dogma[editar | editar código-fonte]

Apep (ou Apófis) é execrado, e não reverenciado, nos templos do panteão faraônico (Egípcio). Oficialmente - de acordo com os sacerdotes de Rá-Heru-cuti (Rá; Hórus) e dos outros deuses - Apep não tem seguidores, templos e nenhum credo além da destruição e do caos. As almas ensandecidas, corruptas e malignas que se devotam a Apep concordam, ao menos em parte. Ele não tem nenhuma crença além da destruição: a destruição de todos os deuses do panteão Faraônico (Egípcio), seus templos, clérigos, seguidores e até mesmo do mundo criado por eles e as criaturas que o habitam. Os seguidores de Apep - que não são tão raros quanto os sacerdotes de outras divindades gostariam - não lutam por um mundo dominado pelo mal; eles lutam pela sua total aniquilação.

Fim[editar | editar código-fonte]

Em muitas histórias, quando foi sucedido por Hórus, sua última grande ação foi prender Apep no fundo do duat com Bastet, a deusa gata (porém em outras versões seja Sekhmet) em uma luta brutal eterna. Em outras dizem que ao invés de prendê-lo com Bastet, ele o prendeu em um mar de escaravelhos, para que nunca mais saísse.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia egípcia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.