Aperto de mão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um aperto de mão

O aperto de mão é, dependendo da cultura, um gesto social que expressa um sentimento positivo de amizade, afinidade ou confiança entre dois seres-humanos.[1]

Um aperto de mão, é uma forma de cumprimento e é também utilizado no fortalecimento das transações comerciais, ou seja, ao fazer-se o gesto simboliza-se que um negócio ou acordo está selado.[2]

O aperto de mão tem sido amplamente difundido e adotado como marca de cumprimento e de despedida nas mais variadas ocasiões sociais. Na maioria dos países europeus e ocidentais, o aperto de mão é uma forma de cumprimento usada em todos os contextos de negócios e, cada vez mais, em festas e acontecimentos sociais.[2]

Com a crescente participação de mulheres no mundo dos negócios e momentos sociais, também elas passaram a substituir o beijo por um cordial aperto de mão.[2]

Nos dias atuais, além de uma forma de cumprimento, o aperto de mão também é utilizado como um rito para demonstrar paz ou entrar em acordo, por isso, é comum se ver os apertos de mão antes de uma partida esportiva ou de um debate entre políticos rivais. [3]

O aperto de mão possui, inclusive, um dia para sua celebração, essa data é comemorada no dia 21 de junho sendo este considerado o 'Dia Internacional do Aperto de Mão'.[4]

Caracterização do gesto[editar | editar código-fonte]

O gesto em si, que depende de duas pessoas, trata-se de estender uma das mãos de um para o outro, segurá-las, encadear as mãos palma com palma, e fazer um movimento do braço para cima e para baixo.[2]

Origem histórica[editar | editar código-fonte]

O gesto de aperto de mãos se repete há pelo menos três mil anos. A evidência mais antiga da prática está em uma imagem gravada em um trono do antigo Império Assírio, do século 9 a.C., que mostra dois homens apertando as mãos, naquela época, o gesto representava a resolução de um conflito ou o estabelecimento de um acordo.[3]

Por ser um gesto milenar, sua origem exata é incerta. Alguns historiadores acreditam que os governantes estendiam a mão como uma forma de mostrar que ela estava vazia, sem armas. O ato de sacudi-las de cima para baixo serviria para garantir que não há uma adaga escondida nas mangas da outra pessoa.[3] Entendimento similar é dado por outros historiadores e folcloristas, que acreditam que o aperto de mão seria um gesto de boa vontade, onde o homem primitivo, que andava sempre armado, estendia a mão, vazia, para mostrar a alguém que não portava armas e desejava a paz, por essa razão, as mulheres, que não carregavam armas, tampouco tinham o hábito de apertar as mãos.[1]

Existem relatos de apertos de mão entre personagens da Ilíada, escrita por Homero no ano 800 a.C. Os gregos até tinham uma palavra específica para a prática: dexiosis, que representa o ato de dar a mão direita ao outro. O ato também estava presente no Império Romano em vasos, lápides e até moedas. [3]

O significado do aperto de mão como cumprimento veio anos depois. Alguns dos primeiros registros desse uso datam do século 17, mas acredita-se que ele tenha sido popularizado na Europa e Estados Unidos no século 18 pelos quakers, um movimento religioso que prezava pela igualdade entre seus membros. [3]

Diferentemente da reverência, que representa hierarquia entre as pessoas, o aperto de mão é uma forma mais “igualitária” de cumprimento. Com o gradual enfraquecimento das monarquias, o aperto de mão se tornou cada vez mais comum, e passou a entrar até em manuais de etiqueta no século 19.[3]

No seu significado mais antigo e lendário, um aperto de mão era a forma pela qual um deus concedia seu poder a um dirigente terrestre, isso está gravado em diversos hieróglifos egípcios, em que essa concessão é representada por uma mão estendida.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Aperto de mão

Referências

  1. a b c «Revista Superinteressante - Aperto de mão, acesso em 4/03/2010». Consultado em 4 de março de 2010. Arquivado do original em 30 de março de 2009 
  2. a b c d Fernandes, Fátima. «A "ciência" do aperto de mão». Algarve Primeiro. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  3. a b c d e f Rossini, Maria Clara (3 de agosto de 2020). «Qual é a origem do aperto de mão?». A matéria utiliza como fonte os livros "Tales of Hi and Bye: Greeting and Parting Rituals Around the World", de Torbjörn Lundmark, e "A Cultural History of Gesture", de Herman Roodenburg. Superinteressante. Consultado em 9 de novembro de 2020 
  4. Costa, Sueller (16 de junho de 2018). «Dia Internacional do Aperto de Mão». Portal News. Consultado em 9 de novembro de 2020