Apiaí

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Apiaí
"Portal da Mata Atlântica"
Vista parcial a partir do Morro do Ouro

Vista parcial a partir do Morro do Ouro
Bandeira de Apiaí
Brasão de Apiaí
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 14 de agosto
Fundação 14 de agosto de 1771 (245 anos)
Gentílico apiaiense
Prefeito(a) Luciano Polaczek Neto (PMDB)
Localização
Localização de Apiaí
Localização de Apiaí em São Paulo
Apiaí está localizado em: Brasil
Apiaí
Localização de Apiaí no Brasil
24° 30' 32" S 48° 50' 34" O24° 30' 32" S 48° 50' 34" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Itapetininga IBGE/2008 [1]
Microrregião Capão Bonito IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Guapiara, Ribeirão Branco, Itapeva, Ribeira, Itaóca, Itararé, Barra do Chapéu, Bom Sucesso de Itararé e Iporanga
Distância até a capital 320 km
Características geográficas
Área 968,841 km² [2]
População 25 196 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 26,01 hab./km²
Altitude 1 050 m
Clima subtropical Temperado/Super úmido Cfb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,716 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 216 707,035 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 380,98 IBGE/2008[5]
Página oficial

Apiaí é um município da microrregião de Capão Bonito, no estado de São Paulo, no Brasil. Localiza-se a uma latitude 24º 30'35.19311 Sul e a uma longitude 48º 50'33.47928 Oeste, estando a uma altitude de 1 050 metros, com uma população estimada de 25 700 habitantes (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2009).[6] A comarca de Apiaí está localizada na região do Alto Vale do Ribeira. Pertence à Região Administrativa de Itapeva.

Atualmente, Apiaí é um município turístico, onde se destacam diversas esculturas em argila. Com relação ao seu relevo, possui vários morros, dentre eles o Morro do Ouro, o mais famoso de todos. Cercado pela Mata Atlântica, possui muitas grutas e cachoeiras e faz parte de roteiros turísticos. É uma cidade de clima frio, localizada no Vale do Ribeira, numa região declarada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como "Reserva da Biosfera do Patrimônio Mundial". A região de Apiaí é o maior remanescente de Mata Atlântica do país, evidenciando uma riqueza paisagística composta de recursos naturais de rara beleza.

História[editar | editar código-fonte]

Apiaí começou como uma pequena vila que vivia em função do extrativismo mineral da região. Tomás Dias Batista foi um dos fundadores da vila de Apiaí, junto com seu sogro Manuel Rosa Luís e seu concunhado Francisco Xavier da Rocha. Este, obrigado a fugir de Minas Gerais, onde havia sido capitão-mor de um de seus "arraiais", por crime ali praticado, veio parar nestas regiões, ao sul, com 150 escravos, fundando, então, o pequeno povoado de "Santo Antônio das Minas". Em 1770, o governador da capitania de São Paulo dom Luiz Antônio de Sousa Botelho de Moura elevou o povoado à categoria de vila com a denominação de "Santo Antônio das Minas de Apiaí".[7]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

O nome Apiaí tem origem no tupi antigo apya'y, que significa "rio dos índios", através da composição de apyaba (índios) e 'y (rio).[8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização: Apiaí está localizada na região do Alto Vale do Ribeira, no sul do Estado de São Paulo. O núcleo urbano de Apiaí situa-se imediatamente a nordeste, externamente à área demarcada para a AII (Área de Influência Indireta da UHE Tijuco Alto). Constitui rota de passagem, por meio da rodovia SP-250, dos municípios situados na AII para outras regiões do estado de São Paulo, especialmente Sorocaba, São Roque, Itapeva, Itapetininga e Capão Bonito, importantes mercados para os produtos produzidos na região. Possui médias densidades de equipamentos urbanos e estabelecimentos.

Limites do município:

  • Ao Norte: Guapiara, Ribeirão Branco e Itapeva
  • Ao Sul: Ribeira e Itaoca
  • Ao Oeste: Itararé, Barra do Chapéu e Bonsucesso de Itararé
  • Ao Leste: Iporanga

Recursos minerais[editar | editar código-fonte]

Galena, calcário, quartzo, cobre, manganês, granito e cal.

Topografia[editar | editar código-fonte]

Morros ao redor da cidade

Montanhoso com declives e planaltos

Solo[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Subtropical, temperado/super úmido. Queda de neve em 1942 e 1975.

Estação Meteorológica Automática[editar | editar código-fonte]

Apiaí possui uma Estação Meteorológica Automática com capacidade de medir, de forma precisa, dados meteorológicos, tais como: temperatura do ar, umidade relativa, precipitação em milímetros, velocidade dos ventos e radiação solar. O equipamento foi instalado pelo Ciiagro.

Estação Meteorológica

O Centro Integrado de Informações agrometeorológicas (CIIAGRO) foi criado em 1988 com a finalidade de operacionalizar e disponibilizar informações e aconselhamento às atividades agrícolas com base nos parâmetros agrometeorológicos e previsão do tempo. As atividades agrícolas que o CIIAGRO procura apoiar são: calendário agrícola, preparo do solo, aplicação de produtos químicos agrícolas, monitoramento de irrigação, datas de maturação e colheita, controle e manejo de pragas e doenças vegetais, transporte de produtos agrícolas, operações florestais tais como incêndios, geadas e outros fenômenos adversos, manejo agrícola e outras atividades correlatas. Com o tempo, foram incorporados, ao CIIAGRO, diversos índices de quantificação das adversidades agrometeorológicas, como: riscos climáticos, alerta de geada, zoneamento agrícola, manejo de irrigação e diversos outros. A ideia concebida no CIIAGRO é, atualmente, utilizada como suporte a projetos e metodologia de estudo por vários centros federais e estaduais de pesquisa e desenvolvimento.

O que faz o CIIAGRO:[9] diariamente, os dados meteorológicos, através de um sistema web, são incorporados ao banco de dados composto por 146 localidades ou pontos de coleta. Os principais dados inseridos são a temperaturas máxima e mínima do ar e precipitação diária. Além disto, os outros parâmetros da rede observacional estão disponíveis para consulta, análise e geração de produtos.

Com base neste arquivo, são elaborados, duas vezes por semana, boletins agrometeorológicos que levam em conta o tipo de solo e cultura. Semanalmente, são elaborados balanços hídricos conforme metodologia de Thorthwaite S. Mather (1955). Mensalmente, é feita uma síntese agrometeorológica hídrica, e analisadas as condições agrometeorológicas em função da média histórica e comparativamente com anos anteriores. Análises como calendário agrícola, zoneamento agrícola, normais climatológicas, cenários de mudança climática e projeção do comportamento vegetal e da reserva hídrica dos mananciais são feitas. Outros índices que avaliam o desenvolvimento vegetal ou condições de interesse hídrico são rotineiramente avaliados por meio de quadros e mapas. Os dados meteorológicos são obtidos de estações meteorológicas tanto automáticas como mecânicas pertence à Secretaria de Agricultura e Abastecimento, coordenadas e operadas pelo IAC/CIIAGRO com apoio do PEMBH, de diversas entidades parceiras, publicas ou privadas de âmbito Estadual e Federal. O CIIAGRO incorpora informações das Estações Meteorológicas Mecânicas, assim como de uma Rede de Estações Meteorológicas Automatizadas


Dados climatológicos para Apiaí
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 26,3 26,2 25,6 23,4 21,3 20,1 20,1 21,5 22,6 23,4 24,5 24,9 23,3
Temperatura mínima média (°C) 15,6 15,9 15,0 12,3 9,4 7,7 7,2 8,2 10,0 11,9 13,1 14,7 7,2
Precipitação (mm) 203,9 157,5 132,4 81,5 92,3 92,4 68,7 61,7 104,1 130,7 105,1 153,5 1 383,8
Fonte: CEPAGRI - UNICAMP Novembro de 2010.

Marco referencial geodésico[editar | editar código-fonte]

Marco Geodésico do Município
Marco Referencial de Apiaí

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística implantou, em Apiaí, um marco referencial Geodésico situado na rua Joaquim Elisiário de Campos (Centro).[10][11]

Antigo Marco central[editar | editar código-fonte]

Economia[editar | editar código-fonte]

Apiaí possui, em sua Comarca, sete indústrias, sendo a de maior porte a Camargo Correa Cimentos S/A (hoje Intercement), 448 estabelecimentos comerciais e 198 de serviços.

Agricultura[editar | editar código-fonte]

A agricultura e a pecuária são os principais tipos de uso da terra ocorrentes em Apiaí. Destaca-se, no município, a agricultura organizada em sistema familiar, com a concentração da produção focada na cultura do tomate. De acordo com dados do IBGE (2002), no ano de 2002 foram produzidas 70 000 toneladas de tomate no município. O milho também possui cultivo expressivo em Apiaí. Arroz, feijão e mandioca são outras lavouras temporárias comumente cultivadas pelos agricultores. A fruticultura detém presença importante entre as lavouras permanentes, sendo que as mais expressivas são as de caqui, pêssego e, em menor quantidade, laranja. A pecuária é predominantemente formada por animais de dupla aptidão (corte e leite), com um rebanho estimado de 5 750 cabeças de bovinos e 440 cabeças de bubalinos em 2002 (IBGE, 2002). Reflorestamentos de eucalipto (Eucalyptus sp) e pinheiro (Pinus sp.) são frequentes na região, principalmente para a produção de papel e celulose, resina, carvão vegetal, lenha e de madeira. O município possui ainda granjas para criações de galinhas e produz mel de abelha.

Indústria[editar | editar código-fonte]

Apiaí é uma das cidades onde se encontra o Trecho Sul do Gasoduto Bolívia-Brasil, também conhecido como Gasbol, uma via de transporte de gás natural entre a Bolívia e o Brasil com 3 150 quilômetros de extensão, sendo 2 593 em território brasileiro (trecho administrado pela Transportadora Brasileira Gasoduto Bolívia-Brasil S/A (TBG)) e 557 em território boliviano (trecho administrado pela Gas TransBoliviano S.A. (GTB).). O trecho sul tem 698 quilômetros e compreende os municípios de Campinas, Monte Mor, Indaiatuba, Elias Fausto, Salto, Itu, Porto Feliz, Sorocaba, Iperó, Araçoiaba da Serra, Capela do Alto, Sarapuí, Itapetininga, Capão Bonito, Itapeva, Ribeirão Branco, Apiaí, Barra do Chapéu e Itapirapuã Paulista.[12] O gás natural, além de propiciar substancial economia de divisas com importação de petróleo, diversifica as fontes de suprimento de energia com um produto de características superiores. Consequentemente, eleva os níveis de eficiência, qualidade e produtividade nos diversos segmentos que utilizam gás natural, proporcionando melhoria dos padrões ambientais, principalmente nos grandes centros urbanos, graças à substituição de outras formas de energia mais poluentes. É importante ressaltar os benefícios que o Gasoduto proporcionará ao longo do seu traçado: aumento da disponibilidade de combustível; estímulo à instalação de novas indústrias; combustível menos poluentes; aumento de ofertas de empregos; aumento da demanda por bens e serviços.

Outro investimento que corta o território do município são as linhas de energia de Furnas Centrais Elétricas S.A, que, assim como o Gasoduto Bolívia-Brasil, estão dentro do município. Furnas construiu, na cidade, uma Estação de Telecomunicações, localizada no Parque do Morro do Ouro, para se ligar com outras bases de sua enorme Rede de Distribuição de Energia. A Companhia Furnas Centrais Elétricas S.A. representa um instrumento estratégico para o desenvolvimento e a segurança nacional. Tendo iniciado seu funcionamento em 1963 com a conclusão da barragem de Furnas, a empresa compreende, hoje, um complexo de dez usinas hidroelétricas e duas termoelétricas. Além disso, por força de tratado assinado com o Paraguai, cerca de 83% dos serviços de eletricidade de Itaipu são feitos via Furnas. Considerando sua capacidade instalada e a comercialização da energia gerada em Itaipu, Furnas é, hoje, responsável por 43% de toda a energia consumida no Brasil. A região de atuação da companhia compreende o Distrito federal e os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás e Tocantins, aos quais atende com um índice de confiabilidade em nível internacional, de 99,99%. Furnas, hoje, é uma empresa da administração indireta do Governo Federal, subordinada ao Ministério de Minas e Energia e controlada pela Eletrobras.

Está localizada, no município, a Camargo Corrêa Cimentos, fundada em meados do ano de 1975 com dois fornos de moagem de matéria-prima do cimento, sendo que o minério calcário (rocha de carbonato de cálcio) e argila se fundem em alta temperatura. Esta unidade fabril de Apiaí é responsável pela demanda da Região Sul do Brasil, contando com transporte de trem da empresa América Latina Logística e ainda com várias empresas de transporte a granel com caminhões. Infelizmente, com o passar dos anos de instalação desta indústria no município, nada se viu para a contenção da poluição de partículas sólidas liberadas diariamente pela Intercement. O bairro Alto da Tenda, onde a indústria se localiza, é a maior vítima da poluição. Podem-se verificar os telhados tomados pelo cimento que se acumulou por décadas. Diversas doenças do trato respiratório são observadas na população deste bairro.

Serviços[editar | editar código-fonte]

A comarca possui 5 estabelecimentos bancários: Banco Bradesco S/A, Banco do Brasil S/A, Banco Santander Brasil S/A, Caixa Econômica Federal e HSBC Bank Brasil S/A.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Os visitantes podem contar com hotéis, pousadas, restaurantes e opções de compras de peças artesanais e comidas típicas da região. As opções acomodação variam de hotéis de baixo custo até pousadas, incluindo: Hotel Gold Inn, Novo Hotel Apiaí, Hotel São Francisco, Hotel Pontes, Hotel Pilão, Pousada Recanto dos Pássaros, Pousada Alvorada, Pousada Gonçalves, entre outros. Restaurantes: Restaurante e Hotel Pilão, Restaurantes Tuks, Restaurante Grego, Churrascaria Boléa, entre outros.

Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]

Apiaí possui uma Reserva Biológica Municipal, com área de 2 247 alqueires, com o objetivo básico de preservar o remanescente florestal existente, possibilitando a realização de pesquisas científicas e o desenvolvimento de atividades de educação ambiental e de turismo educacional.

Floresta atlântica

Terreno denominado Fazenda Bethel, antiga Fazenda Santa Rita, situada no distrito de Araçaíba. A Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Meio Ambiente administra a Reserva Biológica, podendo realizar parcerias que estiverem contempladas na legislação específica nas esferas estaduais e federais adotando as medidas necessárias à sua efetiva proteção, implantação e controle, na forma do artigo 20 e seguintes da Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. A Reserva Biológica foi criada pelo Decreto nº 168/2011 publicada no DOE-SP do dia 12 de fevereiro de 2011. O que é a Reserva Biológica? A Reserva Biológica consiste em uma categoria de unidade de conservação ambiental na legislação brasileira. Uma Reserva Biológica [13] tem, como objetivo, a preservação integral da biota e demais atributos naturais existentes em seus limites, sem interferência humana direta ou modificações ambientais, excetuando-se as medidas de recuperação de seus ecossistemas alterados e as ações de manejo necessárias para recuperar e preservar o equilíbrio natural, a diversidade biológica e os processos ecológicos naturais. É de posse e domínio públicos, sendo que as áreas particulares incluídas em seus limites serão desapropriadas, de acordo com o que dispõe a lei. Pela lei, é proibida a visitação pública nas reservas biológicas, exceto aquela com objetivo educacional, de acordo com regulamento específico. Já a pesquisa científica depende de autorização prévia do órgão responsável pela administração da unidade e está sujeita às condições e restrições por este estabelecidas, bem como aquelas previstas em regulamento. Um decreto de fevereiro de 2013, assinado pelo prefeito Ari Kinor, revogou documento anterior que estabelecia a criação de Reserva Biológica em Apiaí.

Parque Natural Municipal Morro do Ouro[editar | editar código-fonte]

Parque Morro do Ouro

O Morro do Ouro ficou conhecido pela exploração do ouro que aconteceu a partir do século XVII.

Bandeirantes exploradores fundaram a Villa de Apiahy que deu origem à cidade.

Foi a partir de 1922 que uma empresa mineradora adquiriu a propriedade do Morro do Ouro para a exploração. Posteriormente, por volta de 1939, as minas e os imóveis foram arrendados a um grupo de japoneses para exploração do ouro de forma industrializada. Em 1942, a atividade foi encerrada por causa do início da Segunda Guerra Mundial, na qual o Brasil tinha o Japão como país inimigo.

O Decreto Municipal 10 de 28 de maio de 1998 transformou a antiga área do Manifesto da Mina do Morro do Ouro em local de utilidade pública. Inicia-se, a partir daí, o processo de criação do Parque Natural Municipal do Morro do Ouro, sendo construído, em sua entrada, o Centro de Informações Turísticas, o CIT.

A partir de 2003, o local começou a receber infraestrutura turística, com a construção do Portal Turístico e espelhos d'água com homenagens aos mineradores que ali trabalharam. Porém somente em 2004 foi criado o Parque Natural Municipal Morro do Ouro, através do Decreto Municipal nº 003 de 28 de janeiro de 2004.

No local, além de trilhas, mirante e muito verde, o visitante poderá encontrar túneis e ruínas da antiga mineração de ouro, que foram importantes para o desenvolvimento de Apiaí.

A vegetação[editar | editar código-fonte]

Composta pela floresta ombrófila mista, abriga diversas espécies, inclusive as com alta vulnerabilidade e/ou risco de extinção.

Exemplo:

Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze, PNMMO
  • Araucária (Araucaria angustiflolia), grau de ameaça: vulnerável (VU);
  • Bredo-do-mato (Celosia grandifolia), grau de ameaça: em perigo (EN)

Outras espécies de árvores:

Aroeira-salsa Schinus molle
Aroeira-vermelha Schinus terebinthifolius
Cajarana Cabralea canjerana
Cambuí Psidium sartorianum
Capororóca Rapanea ferruginea (Ruiz & Pav.) Mez
Cedro Cedrela fissilis
Embaúba Cecropia sp.
Embira-de-sapo Lonchocarpus guilleminianus
Gabiroba Campomanesia pubescens
Guaçatonga Casearia sylvestris
Guanandi Calophyllum brasiliense
Ingá-ferradura Inga Sessilis
Laranja-de-macaco Posoqueria latifolia
Paineira Ceiba speciosa
Pitanga Eugenia uniflora
Suinã Erythrina velutina
Manacá-da-serra Tibouchina mutabilis

Entre as epífitas:

Polystachya concreta, PNMMO
Columéia-peixinho Nematanthus wettsteinii (Fritish) H.E. Moore
Tillandsia recurvifolia Tillandsia recurvifolia
Orquídea Polystachya concreta
Orquídea Alatiglossum longipes
Orquídea Brasilidium gravesianum
Orquídea Isochilus linearis
Micro-orquídea Phymatidium delicatulum
Orquídea Acianthera luteola
Samambaia-graciosa Niphidium crassifolium
Begônia-de-baraço Begonia fruticosa
Cacto-macarrão Rhipsalis teres
Cravo-do-mato Tillandsia stricta

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População total: 27 162

  • Urbana: 18 648
  • Rural: 10 514
  • Homens: 13 706
  • Mulheres: 13 456

Densidade demográfica (hab./km²): 28,68

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 28,96

Expectativa de vida (anos): 65,41

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,88

Taxa de alfabetização: 88,81%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,716

  • IDH-M Renda: 0,631
  • IDH-M Longevidade: 0,673
  • IDH-M Educação: 0,845

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rios ao entorno de Apiaí
  • Rio Apiaí-Guaçu
  • Rios Ribeira de Iguape, Catas Altas, Pirituba, Macacos, Pilões, Tijuco, Palmital, Claro, Saivá e Estiva
  • Rio Betari

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Apiaí possui uma frota de 6 130 veículos, segundo dados do censo.[14]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Rodoviária
  • Transpen-Transportes Coletivos
  • Viação Jodi
  • Rápido Campinas
  • Auto Viação Amarelinho
  • Auto Viação Itaóca
  • Cerro Azul
  • Viação Princesa dos Campos

Ferrovia[editar | editar código-fonte]

Apiaí possui uma malha ferroviária de 415,385 quilômetros[15] que, nos dias atuais, atende a fábrica de cimentos Intercement e é operada sob responsabilidade da ALL (América Latina Logística).

Fonte: Ferrovias do Brasil [15]

Educação[editar | editar código-fonte]

A Diretoria de Ensino de Apiaí possui 52 escolas em sua administração escolar, abrangendo os municípios de Ribeira, Itapirapuã Paulista, Itaóca, Barra do Chapéu, Guapiara, Iporanga e Ribeirão Branco, tendo um total de 6 933 alunos (dados de 2009) somente na cidade.

Prédio da ETEC-Apiaí

Ensino Superior[editar | editar código-fonte]

O Município conta ainda com uma unidade da Universidade Aberta do Brasil (UAB) e, ainda, polos da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes), da Universidade Federal do Paraná (UFPR), da Universidade Norte do Paraná (Unopar) e do Centro Paula Souza-Escola Técnica Estadual (São Paulo).



Unidade da Intercement

Eleições[editar | editar código-fonte]

O município tem um total de 20 199 eleitores.*Fonte: Siapnet - Dados de 2008 do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo [16]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Os principais jornais de circulação local são: Expresso Apiaí com periodicidade semanal, Tribuna Regional (semanal), Jornal Apiaí TEM (Quinzenal) e Jornal WanderSurf (Quinzenal). Dentre as emissoras de rádio em frequência modulada (FM), podemos citar: 89,7 FM, Apiaí FM. Entre as de amplitude modulada (AM): Cidade, 1500.0. E a rádio Detalhes (web rádio). As emissoras de TV com retransmissoras na cidade são a TV Tribuna, afiliada da Rede Globo, SBT Vale, afiliada do SBT, TV Bandeirantes, TV Record Paulista, Rede Super, TV Novo Tempo, Tv Cultura, Rede Vida.

Igreja do Bom Jesus

Esporte[editar | editar código-fonte]

Futebol[editar | editar código-fonte]

Apiaí conta também com uma escola de futebol: a Chute Inicial - furacão Apiaí.

Festa[editar | editar código-fonte]

Nos dias 5 e 6 de agosto, é comemorado o dia do Bom Jesus de Araçaíba, com barracas, bingo, leilão e romaria.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. «Estimativas da população para 1 de julho de 2009» (PDF). Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 14 de agosto de 2009. Consultado em 16 de agosto de 2009 
  7. Prefeitura de Apiaí. Disponível em http://apiai.sp.gov.br/site/?page_id=6279. Acesso em 4 de fevereiro de 2017.
  8. NAVARRO, E. A. Dicionário de Tupi Antigo: a Língua Indígena Clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 543.
  9. «Centro integrado de informações agrometeorológicas» (HTML) 
  10. «Geociencias» (HTML). GEODESIA 
  11. «Apiaí é contemplada com marco referencial geodésico que servirá de base para a região - Notícias JusBrasil». pref-apiai.jusbrasil.com.br. 07.2010. Consultado em 26 de novembro de 2012. o  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  12. «Gasoduto Bolívia Brasil» (HTML) 
  13. «Portal Mata Atlântica» (HTML) 
  14. «Cidades@» (HTML) 
  15. a b «Ferrovias» (HTML) 
  16. «Dados Gerais» (HTML). TCE-SP 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage