Apollo's Fire

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Apollo's Fire, The Cleveland Baroque Orchestra
Um músico olha para fora do sobrado
Período em atividade Desde 1992
Sede Cleveland, Ohio
Condutor principal Jeannette Sorrell
Página oficial apollosfire.org

Apollo's Fire, The Cleveland Baroque Orchestra é um conjunto popular e aclamado pela crítica[1] de instrumentos de época especializado em música antiga (renascentista, barroco e clássica inicial) com sede em Cleveland, Ohio. O grupo vencedor do GRAMMY[2] reúne um seleto grupo de especialistas em música antiga de toda a América do Norte e Europa. Sob a direção da diretora artística Jeannette Sorrell, o grupo foi reconhecido internacionalmente por sua programação criativa e inovadora e elogiado pela BBC Music Magazine por "forjar uma abordagem vibrante e positiva da música antiga ... uma visão sedutora da autenticidade musical."[3]

Fundação e história inicial[editar | editar código-fonte]

Nomeado pelo deus clássico da música e do sol, o Apollo's Fire foi fundado em 1992 pela maestrina premiada e clavecinista Jeannette Sorrell. Sorrell, que tinha 26 anos na época, contou com a ajuda de Roger Wright, que era então administrador artístico da Orquestra de Cleveland. Sorrell chamou a atenção de Wright através de recomendações do corpo docente do Aspen Music Festival e do Tanglewood Music Festival, onde estudou com Leonard Bernstein, Roger Norrington e outros.[4] Wright estava lidando com a busca da Orquestra de Cleveland por um maestro assistente e convidou Sorrell a uma entrevista para o cargo.[4] A entrevista foi conduzida pelo diretor musical da Cleveland Orchestra, Christoph von Dohnányi, juntamente com Roger Wright. Durante a entrevista, Dohnányi disse a Sorrell que "não havia sentido em encontrar tempo com a orquestra para ela fazer o teste, pois o público em Cleveland nunca aceitaria uma mulher como maestro".[5] Sorrell respondeu que não se candidatara a esse emprego, e seu verdadeiro objetivo era trabalhar com uma orquestra de instrumentos de época.[5] Após esse encontro, Wright decidiu ajudar Sorrell a lançar uma orquestra de instrumentos de época.

Sorrell lançou um conjunto dedicado ao ideal barroco de que a música deveria evocar os vários afetos ou paixões dos ouvintes, usando as ferramentas de retórica e drama do século XVII. A orquestra recebeu uma doação da Fundação Cleveland em 1992 e fez sua estreia à aclamação crítica em junho daquele ano. O Apollo's Fire imediatamente começou a receber convites de apresentadores de séries de concertos, e tem sido um grupo ativo de turnês desde sua primeira temporada.[6] As gravações e concertos do grupo são transmitidos com frequência na National Public Radio, na BBC britânica, na canadense CBC Radio 2 e na European Broadcasting Union desde sua 4ª temporada.

Em 2004, Sorrell lançou um crossover/ala folk do Apollo's Fire - uma trupe especializada em música tradicional (celta, apalachiana, sefardita), tocada em instrumentos de época em uma estética historicamente informada. O Apollo's Fire recebeu importantes doações por meio da iniciativa NEA American Masterpieces em 2009 e 2010, pela pesquisa, criação e gravação de Jeannette Sorrell do inovador programa de crossover "Come to the River: An Early American Gathering". Esta gravação foi um dos 10 mais vendidos da Billboard Classical em 2011. O álbum foi aclamado pelo American Record Guide como "um dos lançamentos mais alegres, inebriado pela pura alegria de estar vivo".[7]

Estreia europeia e turnê internacional[editar | editar código-fonte]

O Apollo's Fire estreou em Londres em 2010, em um concerto esgotado no Wigmore Hall, com uma transmissão da BBC. O conjunto excursionou pela Europa novamente em 2011, 2014, 2015 e 2018, incluindo concertos esgotados no BBC Proms em Londres, Royal Theatre de Madrid, Grand Théâtre de l'Opéra em Bordéus, Bergen, Áustria, grandes eventos em Lisboa (Portugal) e Metz (FR), bem como as séries do Boston Early Music Festival e Cal Performances em Berkeley/San Francisco. O show de Londres em 2014 foi elogiado pelo Daily Telegraph pelo "fazer música superlativo, combinando estilo europeu e empreendedorismo americano" - e nomeado um dos "5 melhores concertos de música clássica de 2014".[8]

O Apollo's Fire realizou duas grandes turnês nos EUA nas Monteverdi Vespers (2010 e 2014) e uma turnê de 9 concertos nos Concertos de Brandenburgo em 2013.[9] Em 2013, o Apollo's Fire se tornou a primeira orquestra barroca a ser incluída na lista de turnês da Columbia Artists Management (CAMI) para representação exclusiva.[10] Em 2019, eles mudaram para a administração do Opus 3 Artists.

No verão de 2015, o Apollo's Fire alcançou maior atenção internacional com suas estreias esgotadas no Tanglewood Festival, no BBC Proms em Londres e no Aldeburgh Festival (Reino Unido), bem como no Festival Paesaggi Musicali Toscani na Toscana. O programa de turnê, "A Night at Bach’s Coffeehouse", apresentou o Concerto de Brandemburgo no. 5 com Jeannette Sorrell como solista de cravo. O Boston Musical Intelligencer escreveu que o Apollo's Fire "conquistou Tanglewood".[11]

Em 2015, Apollo's Fire também realizou concertos esgotados na Biblioteca do Congresso (Washington) e no Metropolitan Museum of Art em Nova York. Na primavera de 2016, Sorrell liderou a orquestra em sua concepção dramática de Paixão segundo São João, de J. S. Bach, com elogios da crítica do New York Times, que escreveu: "Magnífico ... a produção pertencia inteiramente à Sra. Sorrell, que idealizou o conceito, o qual ela chamou de 'uma apresentação dramática' ... a orquestra foi excelente ... momentos requintados".[12]

Em 2017, o Apollo's Fire retornou ao Festival Tanglewood e fez sua estreia no Ravinia Festival. Ambos os shows tiveram vendas esgotadas. O conjunto estreou no Carnegie Hall em 22 de março de 2018, com show já esgotado a partir de agosto de 2017.[13]

Em sua cidade natal, Cleveland, Ohio, o Apollo's Fire obteve um sucesso incomum na construção de um grande público, graças à programação criativa e ao estilo de apresentação animado do grupo.[14] Na temporada 2016-17, o conjunto vendeu mais de 15.000 ingressos em suas séries domésticas.

Gravações[editar | editar código-fonte]

Em 2019, o Apollo's Fire ganhou um GRAMMY, compartilhado com o cantor Karim Sulayman e a maestrina Jeannette Sorrell, pelo álbum de 2018 'Songs of Orpheus'. O conjunto lançou 26 CDs comerciais, principalmente na gravadora britânica AVIE. Oito dos lançamentos de CDs do grupo se tornaram best-sellers no clássico quadro da Billboard: Claudio Monteverdi Vespers, Brandenburg Concertos & Harpsichord Concertos, J. S. Bach, um disco das árias do G. F. Handel com a soprano Amanda Forsythe, intitulado The Power of Love (Billboard Classical # 3, 2015) e os quatro programas de crossover de Jeannette Sorrell: Come to the River – An Early American Gathering (Billboard Classical #9, 2011); Sacrum Mysterium: A Celtic Christmas Vespers (Billboard Classical #11, 2012); Sugarloaf Mountain – An Appalachian Gathering (Billboard Classical #5, 2015); and Sephardic Journey – Wanderings of the Spanish Jews (Billboard World Music Chart #2 e Billboard Classical #5, fevereiro de 2016).[9]

Em 2016, o álbum Sephardic Journey foi elogiado pela BBC Music Magazine como “revelador… convivialmente teatral… Os solistas e instrumentistas são de primeira classe, e os arranjos de Sorrell são cheios de energia e cor”[15] e o trabalho de Sorrell foi comparado favoravelmente àquele de Jordi Savall.[16]

Outras gravações incluem a St. John Passion de Bach; Christmas Vespers de Michael Praetorius (compiladas e editadas por Jeannette Sorrell); La Folia (Madness) and Other Concertos de Antonio Vivaldi ; Requiem de Wolfgang Amadeus Mozart (com uma nova conclusão do Lacrimosa inacabado, de René Schiffer); L'Orfeo, de Monteverdi (com uma reconstrução do final perdido da Bacchanale por René Schiffer); Dixit Dominus e Hinos da Coroação de Handel; Don Quixote, de G. P. Telemann, e outras suítes e concertos; e álbuns de sinfonias e concertos de Mozart.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Em 2019, a orquestra foi contratada pela Universidade Baldwin-Wallace para realizar a Missa em B Menor de Bach no Festival de Baldwin-Wallace Bach. O evento foi objeto de polêmica, porque esse trabalho é tradicionalmente realizado pelos alunos em um ciclo de quatro anos.[17]

Referências

  1. Cummings, Robert. "Appollo's Fire - Music Biography, Credits, Related..." allmusic.com. Rovi Corp. Retrieved 21 October 2012.
  2. «Apollo's Fire». GRAMMY.com (em inglês). 19 de novembro de 2019. Consultado em 31 de dezembro de 2019 
  3. Stewart, Andrew (November 2010). "Fire-Starters". BBC Music Magazine. pp. 52–54.
  4. a b Stewart, Andrew (6 November 2010). "Fire Storm: The USA's hottest baroque band is heading our way". Classical Music Magazine (UK).
  5. a b Glanville, Justin. "The Sorrell Affekt". The Oberlin Magazine. No. Summer 2017. pp. 40–43.
  6. «Touring History». apollosfire.org 
  7. Greenfield (September–October 2011). "CD Reviews". American Record Guide. Vol. 74, no. 5. p. 216.
  8. «Agile grace and unforced energy from Cleveland». The Daily Telegraph 
  9. a b «Apollo's Fire (About)». apollosfire.org 
  10. «Apollo's Fire Begins 22nd Season». ideastream (em inglês). 8 de outubro de 2013. Consultado em 31 de dezembro de 2019 
  11. «Baroque Orchestra Conquers Tanglewood». Boston Musical Intelligencer 
  12. «Apollo's Fire Enhances 'St John Passion'». The New York Times 
  13. «Tickets: Apollo's Fire Baroque Orchestra». Carnegie Hall 
  14. Stewart, Andrew (6 November 2010). "Fire Storm: The USA's hottest baroque band". Classical Music Magazine (UK).
  15. Church, Michael (June 2016). "CD Review: Apollo's Fire "Sephardic Journey"". BBC Music Magazine.
  16. «CD Review: Apollo's Fire "Sephardic Journey». AllMusic.com 
  17. https://bwexponent.com/showcase/2019/03/28/award-winning-ensemble-to-perform-at-bach-fest/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]