Apple Music

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Apple Records.
Apple Music
Autor Apple Inc.
Lançamento 30 de junho de 2015[1]
Sistema operacional Lançamento:
iOS 8.4 ou superior
OS X 10.9.5 ou superior
watchOS
Windows

Android
Apple TV
Página oficial apple.com/music

Apple Music é um serviço de streaming de músicas mantido pela Apple. Os usuários escolhem as músicas para serem enviadas por streaming em seu dispositivo por demanda. O serviço inclui a estação de rádio da internet comissariada Beats 1 e a plataforma de blog Connect para artistas para compartilharem mídia com os fãs. O Apple Music oferece recomendações de músicas basedo no gosto do usuário e é integrado aos comandos de voz do Siri.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A Apple declarou na conferência Apple Worldwide Developers que o serviço seria lançado no final de junho de 2015 e seria gratuito nos três primeiros meses. Após esse período, ele irá custar US$9.99 por mês,[2]perto do ponto de equilíbrio econômico para a indústria fonográfica estimado pelo Open Music Model.

Os usuários selecionam a música em um dispositivo, que, em seguida, joga no dispositivo via streaming pela internet e podem ser salvos no dispositivo para acesso offline. Enquanto biblioteca de custos e de música da Apple Música são semelhantes a outros serviços de streaming de música, o serviço visa distinguir-se com recursos adicionais e exclusivos conteúdo.[3]

A Apple Música inclui estações de rádio de Internet com curadoria de artistas famosos. Beats 1, a primeira estação, toca continuamente em 100 países e é composta pelo ex-DJ da BBC Radio 1 Zane Lowe, pelo DJ hip hop Ebro Darden, e por Julie Adenuga.

Uma terceira característica, Connect, é uma plataforma de blog onde os artistas compartilhar mídia com os fãs.[3] Alguns meios de comunicação carregados será exclusivo para a plataforma Connect.[4]O Apple Music também aceita os comandos de voz da Siri, incluindo os pedidos de músicas específicas e seleções mais generalizadas, como para o topo traçado faixas a partir de um período de tempo específico[3] ou "a música de Selma".[4]

O aplicativo da Apple música tem várias guias. A seção "For You", recomenda música para o usuário. Seleções de especialistas humanos complementam a curadoria algorítmica. Cada artista tem uma seção de "My Music", que mostra ambos músicas compradas e faixas disponíveis para streaming.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Antes do Apple Music, o iPod e o iTunes da empresa eram conhecidos por terem "revolucionado a música digital".[3] O ex-CEO da Apple, Steve Jobs, anteriormente era contra a ideia de serviços de música por assinatura.[3] Após um período de boatos e antecipação, o Apple Music foi anunciado em junho de 2015 na Worldwide Developers Conference da Apple[5] com planos para lançamento no final do mês.[3] A revelação de "mais uma coisa"[4] tinha sido confirmada pelo CEO da Sony Music, Doug Morris, e por uma reportagem do The Wall Street Journal antes do anúncio. Morris acrescentou que ele espera que o serviço ajude a que a indústria fonográfica tenha a mesma prosperidade financeira de antes. Ele diz que os streams suportados por anúncios do Apple Music teriam um efeito halo no mercado onde o Spotify não foi capaz de obter lucro.[5] O artista de hip hop Drake apareceu no palco do evento do anúncio para a reflexão sobre como ele usou a plataforma Connect. A Apple também enfatizou a forma de como os artistas não contratados poderiam participar do Connect.[4]

O Apple Music foi lançado em 30 de junho de 2015, em 100 países. Os novos usuários recebem uma assinatura de teste de três meses, que após esse período é cobrada uma taxa mensal. Uma opção de plano família permite que até seis usuários compartilhem uma taxa reduzida.[4] A Apple originalmente procurou entrar no mercado com um preço mais baixo para o serviço, mas a indústria da música rejeitou o plano.[3] O serviço estreia como um dispositivo exclusivo iOS  o lado da atualização do mesmo dia do iOS 8.4. O suporte para dispositivos Apple TV e Android está planejado para ser lançado no terceiro trimestre de 2015.[4] Uma canção inédita de Pharrell Williams chamada de "Freedom" foi utilizada no material promocional e foi anunciada como um lançamento exclusivo no lançamento do serviço.[6] O anúncio "History of Sound" para o lançamento do serviço do Apple Music foi a trilha sonora da melodia "There Is No Light" por Wildbirds & Peacedrums, de seu álbum The Snake de 2009.[7]

Recepção[editar | editar código-fonte]

O Apple Music recebeu um misto de comentários negativos no lançamento de sua interface intuitiva,[8][9]a quantidade de bugs e problemas na vida útil da bateria[10] e seus serviços off-line sendo contingente em usar o recurso iCloud Music Library. Este recurso tira a capacidade do usuário de sincronizar música local e causou caos nas bibliotecas de música de alguns usuários.[11][12] No entanto, o serviço foi elogiado por suas funções inteligentes. O The Verge escreveu que o serviço foi semelhante ao de seus contemporâneos em relação ao tamanho da biblioteca e custo.[3] O Mashable notou a ênfase na curadoria humana da Apple Music, apontando as várias estações de rádio com curadoria humana e da exactidão das playlists com recomendações da curadoria para os usuários na seção For Me. O autor concluiu dizendo que "A seção For Me sozinha me deixou animado com a música pela primeira vez depois de um bom tempo."[13]A Ars Technica escreveu que a ênfase da Apple sobre a participação do artista não contratado no Connect pode ser um esforço para restaurar a antiga reputação da empresa como um "tastemaker" em meados dos anos 2000.[4]

Política de pagamento de royalties[editar | editar código-fonte]

Pouco antes do lançamento Apple Music, a cantora Taylor Swift escreveu uma carta aberta ao público criticar a decisão da Apple de não reembolsar artistas durante período de teste gratuito de três meses de um usuário e anunciou que ela estaria segurando seu álbum 1989 do serviço.[14] Ela disse que a política era "injusta" como "Apple Music não estará pagando escritores, produtores, artistas e similares durante três meses." A gravadora independente do Reino Unido Beggars Group também criticou o período experimental de três meses, dizendo que lutou "para ver porque os proprietários e artistas de direitos devem ter este aspecto dos custos de aquisição de clientes da Apple".[15][16]

O dia depois de a carta de Swift, Eddy Cue anunciou no Twitter que a Apple tinha mudado sua política e que o Apple Music "irá pagar os artistas para o streaming, mesmo durante período de teste gratuito do cliente".[17][18] No Twitter, Swift escreveu "Após os acontecimentos desta semana, eu decidi colocar 1989 na Apple Music... e feliz por isso". Ela concluiu dizendo que era "a primeira vez que me pareceu certo disponibilizar meu álbum em streaming".[19]

Compatibilidade[editar | editar código-fonte]

O Apple Music é compatível com dispositovos rodando a versão 8.4 ou posterior do iOS, versão 12.2 ou posterior do iTunes (OS X Mavericks ou mais recente; Windows 7 ou recente), e o Apple Watch. Ele irá receber também uma versão para dispositivos Android e Apple TV no segundo semestre de 2015. O acesso ao stream de rádio do Beats 1 é restrito ao aplicativo Música do iOS e ao iTunes logado com um Apple ID válido. A restrição forçada pela encriptação da transmissão ao vivo com o FairPlay DRM.[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Introducing Apple Music — All The Ways You Love Music. All in One Place.». Apple Inc. Consultado em 8 de junho de 2015. 
  2. «Apple W.W.D.C. 2015: iOS 9, Apple Pay and Other Announcements». The New York Times. 8 de junho de 2015. Consultado em 21 de junho de 2015. 
  3. a b c d e f g h Popper, Ben; Singleton, Micah (8 de junho de 2015). «Apple announces its streaming music service, Apple Music». The Verge. Consultado em 8 de junho de 2015.. Cópia arquivada em 8 de junho de 2015 
  4. a b c d e f g h Machkovech, Sam (8 de junho de 2015). «Apple Music is 'the next chapter in music,' debuts June 30». Ars Technica. Condé Nast Digital. Consultado em 13 de junho de 2015.. Cópia arquivada em 13 de junho de 2015 
  5. a b Plaugic, Lizzie (7 de junho de 2015). «Sony Music boss confirms Apple will reveal its music streaming service tomorrow». The Verge. Consultado em 8 de junho de 2015.. Cópia arquivada em 8 de junho de 2015 
  6. McIntyre, Hugh (25 de junho de 2015). «Pharrell's New Single 'Freedom' Will Serve As Apple Music's First Exclusive». Forbes 
  7. «Wildbirds & Peacedrums soundtrack Apple Music launch». The Leaf Label. 8 de junho de 2015. Consultado em 25 de junho de 2015. 
  8. Kline, Daniel. «Apple Music: The Good, the Bad, and the Ugly». The Motley Fool. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  9. Heisler, Yoni (9 de julho de 2015). «Apple Music on iTunes is an embarrassing and confusing mess». Boy Genius Report. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  10. Eadiciccio, Lisa (5 de julho de 2015). «I ditched Spotify to use Apple Music — and I don't miss it». Business Insider. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  11. Dalrymple, Jim (22 de julho de 2015). «Apple Music is a nightmare and I'm done with it». The Loop. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  12. Chavez, Ronald (23 de julho de 2015). «Influential Apple fan trashes Apple Music, calls it a nightmare». Mashable. Consultado em 26 de julho de 2015. 
  13. Warren, Christina (30 de junho de 2015). «Apple Music first look: It's all about curation, curation, curation». Mashable. Consultado em 18 de julho de 2015. 
  14. Swift, Taylor (21 de junho de 2015). «Taylor Swift - To Apple, Love Taylor». Tumblr. Consultado em 22 de junho de 2015. 
  15. «With regards to Apple Music...». Beggars Group. Consultado em 22 de junho de 2015. 
  16. «Taylor Swift pulls 1989 album from Apple Music». BBC News. 21 de junho de 2015. Consultado em 22 de junho de 2015. 
  17. «Apple Music changes policy after Taylor Swift stand». BBC News. 22 de junho de 2015. Consultado em 22 de junho de 2015. 
  18. Halperin, Shirley (21 de junho de 2015). «Apple Changes Course After Taylor Swift Open Letter: Will Pay Labels During Free Trial». Billboard. Consultado em 22 de junho de 2015. 
  19. Rosen, Christopher (25 de junho de 2015). «Taylor Swift is putting 1989 on Apple Music». Entertainment Weekly. Consultado em 25 de junho de 2015. 
  20. Developer Finds A Web Stream For Apple Music’s Beats 1 Radio That Lets Android Users Tune In | TechCrunch