Aquêmenes (sátrapa)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aquemenes (sátrapa))
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Aquémenes, veja Aquémenes (desambiguação).
Aquêmenes
Morte 459 a.C.
Nacionalidade persa
Ocupação sátrapa

Aquêmenes (persa antigo: Hakhâmaniš, grego clássico: Achaimenes, Ἀχαιμένης) foi filho do rei persa Dario I[1] e da rainha Atossa, e irmão caçula do rei Xerxes I,[2] e membro da dinastia Aquemênida. Ctésias (seção 36 [1]) chama-o de Aquemênides (Achaimenides) e o faz erroneamente irmão de Artaxerxes I. Tinha o mesmo nome do fundador epônimo de sua família, Aquêmenes.

Quando o rei Dario I preparava uma expedição para reprimir uma rebelião na satrapia do Egito, morreu em 485 a.C.. Uma vez que Xerxes permanecia na Pérsia, seu irmão Aquêmenes encarregou-se de comandar a campanha, conseguindo derrotar os rebeldes em 484 a.C..

Desde então, Aquêmenes serviu como sátrapa do Egito, apesar de ter-se poucos registros de seu governo.

Ele foi um dos comandantes da frota persa durante o ataque de Xerxes, nas Guerras Médicas; os outros comandantes eram Ariabignes, filho de Dario e meio-irmão de Xerxes, Prexaspes, filho de Aspathines e Megabazos, filho de Megabates.[2]

Comandou a frota egípcia na Batalha de Salamina (480 a.C.) durante a Segunda Guerra Médica.

Em 459 a.C., contudo, ocupando o cargo de sátrapa do Egito, Aquêmenes foi derrotado e morto pelo rebelde líbio Inaro na Batalha de Papremis (460/459 a.C.), e seu corpo foi enviado a seu sobrinho, o rei Artaxerxes I, filho e sucessor de Xerxes.

Diodoro Sículo descreve assim esta batalha: em 462 ou 461 a.C., quando Conon era arconte de Atenas e Quinto Fábio Vibulano e Tibério Emílio Mamerco eram cônsules romanos (467 a.C.), Artaxerxes I, rei dos Persas, enviou seu tio Aquêmenes ao Egito, comandando mais de trezentos mil soldados, para suprimir uma revolta.[1] A batalha deu-se próxima ao rio Nilo, e os egípcios e os líbios tiveram ajuda de Atenas,[3] que enviou duzentos navios.[4] A batalha, inicialmente, foi vantajosa aos persas, pelo seu maior número, mas, quando os atenienses tomaram a ofensiva, os persas fugiram,[4] se retirando para uma fortaleza branca, onde foram sitiados pelos atenienses.[5]

Referências

  1. a b Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 74.1
  2. a b Heródoto, Histórias, Livro VII, Polímnia, 97 [pt] [el] [el/en] [ael/fr] [en] [en] [en] [es]
  3. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 74.2
  4. a b Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 74.3
  5. Diodoro Sículo, Biblioteca Histórica, Livro XI, 74.4

Fontes clássicas[editar | editar código-fonte]

Tanto Tucídides como Diodoro Sículo falam da rebelião de Inaro, mas não mencionam Aquêmenes.