Aquicultura de bagre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Aquaculture of catfish» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.

A aquicultura de bagres, também denominada bagricultura, é um termo que designa a criação de bagres para fins comerciais ou de consumo próprio, geralmente fazendo a utilização de tanques ou açudes. Como refere a própria denominação do termo, a bagricultura caracteriza uma forma de aquacultura.

O bagre é fácil de cultivar em climas quentes, levando comida barata e segura em mercados locais. O bagre criado em tanques ou canais do interior é considerado seguro para o meio ambiente, pois seus resíduos e doenças devem ser contidos, a fim de não se espalharem para a natureza.[1]

Ásia[editar | editar código-fonte]

Na Ásia, muitas espécies de bagres são importantes como alimentos. Várias espécies de jundiá (Clariidae) e tubarão-bagre (Pangasiidae) são amplamente cultivadas na África e na Ásia. As exportações de uma determinada espécie de tubarão-bagre do Vietnã, Pangasius bocourti, sofrem pressões da indústria de bagres dos EUA. Em 2003, o Congresso dos Estados Unidos aprovou uma lei que impede que o peixe importado seja rotulado como bagre.[2] Como resultado, os exportadores vietnamitas deste peixe agora rotulam seus produtos vendidos nos Estados Unidos como "peixes de base".[3]

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Os Ictalurídeos são cultivados na América do Norte (especialmente no Sul profundo, sendo o Mississippi o maior produtor doméstico de bagre).[4] O bagre do canal (Ictalurus punctatus) perfaz uma indústria de aquacultura de US$ 450 milhões por ano. A indústria norte-americana de bagre em fazendas começou no início da década de 1960 no estados do Kansas, Oklahoma e Arkansas. O bagre do canal rapidamente se tornou o maior bagre cultivado, pois era resistente e facilmente gerado em lagoas de barro. No final dos anos 60, a indústria mudou-se para o Delta do Mississippi, enquanto os fazendeiros lutaram com lucros flutuantes em algodão, arroz e soja, especialmente nas áreas de fazenda onde os solos tinham um alto teor de argila.[5]


O Delta do Mississippi tornou-se o lar da indústria de bagres, pois eles tinham os solos, o clima e os aquíferos rasos para fornecer água para as lagoas de barro que crescem anualmente em 160 a 170 milhões de toneladas. O bagre é alimentado com uma dieta à base de grãos que inclui farelo de soja. Os peixes são alimentados diariamente durante o verão a taxas de 1-6% do peso corporal com a alimentação flutuante sedimentada. O bagre precisa de cerca de dois quilos de alimento para produzir 450 gramas de peso vivo. O Mississippi é o lar de 100.000 hectares (1000 km²) de lagoas de bagre, o maior de qualquer estado. Outros estados importantes em potencial para a bagricultura incluem Alabama, Arkansas e Louisiana.[5]

Uso em aquários[editar | editar código-fonte]

Há um grande e crescente comércio de peixe ornamental, com centenas de espécies de bagres, como Corydoras e jundiás coloridos (muitas vezes chamados de plecos), sendo um componente popular de muitos aquários. Outro bagre comumente encontrado no comércio de aquários é o bagre de banjo, o bagre falante e o bagre-cabeça-grande.


Ícone de esboço Este artigo sobre pesca é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Referências

  1. «Economy of scales». Economy of scales. Stanford Magazine. Abril de 2006. Consultado em 25 de outubro de 2017. 
  2. «`Catfish' bred in Asia move up on U.S. food chain». `Catfish' bred in Asia move up on U.S. food chain. Los Angeles Times. 28 de novembro de 2006. Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  3. «Food Fight / U.S. accuses Vietnam of dumping catfish on the American market». Food Fight / U.S. accuses Vietnam of dumping catfish on the American market. SF Gate. 8 de fevereiro de 2003. Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  4. «Pond Culture of Channel Catfish in the North Central Region» (PDF). Pond Culture of Channel Catfish in the North Central Region. North Central Regional Aquaculture Center. Outubro de 1993. Consultado em 26 de outubro de 2017. 
  5. a b «Siluriformes». Siluriformes. Lundberg, John G.; Friel, John P. 18 de abril de 2007. Consultado em 26 de outubro de 2017.