Araribá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAraribá
Arariba.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Rosidae
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Subfamília: Faboideae
Género: Centrolobium
Espécie: C. tomentosum
Nome binomial
Centrolobium tomentosum
Guilhemin ex Benth.

O araribá (Centrolobium tomentosum; Fabaceae)[2] é uma árvore brasileira, nativa da Mata Atlântica[3], na floresta estacional semidecidual, nas encostas pedregosas. Ocorrencia confirmada nos estados de BA, DF, GO, MT, ES, MG, RJ, SP e PR[4].

Árvore de crescimento rápido, atinge até 22 m de altura. Seus frutos alados são dotados de espinhos e bastante grandes e duros. Madeira de grande qualidade[5] - madeira de lei

Imagens[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Araribá
Ícone de esboço Este artigo sobre leguminosas (família Fabaceae), integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. {{http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Centrolobium%20tomentosum}}
  2. SiBBr. «Species: Centrolobium tomentosum (Araraúba)». ala-bie.sibbr.gov.br (em inglês). Consultado em 25 de abril de 2022 
  3. Aidar, Marcos P. M.; Joly, Carlos A. (junho de 2003). «Dinâmica da produção e decomposição da serapilheira do araribá (Centrolobium tomentosum Guill. ex Benth. - Fabaceae) em uma mata ciliar, Rio Jacaré-Pepira, São Paulo». Brazilian Journal of Botany: 193–202. ISSN 0100-8404. doi:10.1590/S0100-84042003000200007. Consultado em 25 de abril de 2022 
  4. «Flora e Funga do Brasil». floradobrasil.jbrj.gov.br. Consultado em 25 de abril de 2022 
  5. Aidar, Marcos P. M.; Joly, Carlos A. (junho de 2003). «Dinâmica da produção e decomposição da serapilheira do araribá (Centrolobium tomentosum Guill. ex Benth. - Fabaceae) em uma mata ciliar, Rio Jacaré-Pepira, São Paulo». Brazilian Journal of Botany: 193–202. ISSN 0100-8404. doi:10.1590/S0100-84042003000200007. Consultado em 25 de abril de 2022