Arbeitsrat für Kunst

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Arbeitsrat für Kunst (em alemão "Conselho de trabalhadores da arte") foi um movimento arquitetônico ligado ao expressionismo, fundado em 1918 em Berlim pelo arquiteto Bruno Taut e o crítico Adolf Behne.

Surgido após o fim da Primeira Guerra Mundial, o seu objetivo era a criação de um grupo de artistas que pudesse influir no novo governo alemão, visando a regeneração da arquitetura nacional, com um componente utópico. As suas obras destacam-se pelo uso do vidro e do aço, assim como pelas formas imaginativas e carregadas de um intenso misticismo.

De seguida, captaram membros provenientes da Deutscher Werkbund, como Walter Gropius, Erich Mendelsohn, Otto Bartning e Ludwig Hilberseimer, e contaram com a colaboração de outros artistas, como os pintores Lyonel Feininger, Erich Heckel, Karl Schmidt-Rottluff, Emil Nolde e Max Pechstein, e os escultores Georg Kolbe, Rudolf Belling e Gerhard Marcks. Esta variedade explica-se porque as aspirações do grupo eram mais políticas do que artísticas, visando influir nas decisões do novo governo em torno da arte e da arquitetura. Contudo, após os acontecimentos de janeiro de 1919 relacionados à Liga Espartaquista, o grupo renunciou aos seus fins políticos, dedicando-se a organizar exposições. Taut demitiu como presidente, sendo substituído por Gropius.

O grupo dissolveu-se a 30 de maio de 1921.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências