Archispirostreptus gigas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaArchispirostreptus gigas
Archispirostreptus-Gigas-Amphitheatre.jpg
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Diplopoda
Ordem: Spirostreptida
Família: Spirostreptidae
Género: Archispirostreptus
Espécie: A. gigas
Nome binomial
Archispirostreptus gigas
(Peters, 1855)
Sinónimos
  • Spirostreptus gigas, Peters, 1855
  • Aethiopistreptus attemsi, Verhoeff, 1938
  • Spirostreptus plumaceus, Voges, 1878
  • Spirostreptus semicylindricus, Voges, 1878
  • Spirostreptus opistheurys, Attems, 1902
  • Spirostreptus msalaensis, Kraus, 1958

Archispirostreptus gigas é um milípede gigante africano, que se acredita ser a espécie mais comprida do diplópodes existente, que alcança os 38,5 cm de comprimento e 67 mm de circunferência. Tem aproximadamente 256 patas, embora o seu número de patas mude com cada muda, pelo que pode variar de um indivíduo para outro.[1]

É uma espécie muito abrangente nas terras baixas da África Oriental, desde Moçambique ao Quénia, mas raramente chega a altitudes de 1.000 m.[2] Vive principalmente em florestas, mas pode também encontrar-se em áreas de hábiats costeiros que tenham algumas árvores.[2]

A. gigas é de cor preta, e a costuma se usada como mascote. Em geral, os milípedes gigantes têm uma esperança média de vida de 5 a 7 anos.[3] Os milípedes gigantes têm principalmente duas formas de defesa para quando se sentem ameaçados: enroscar-se formando uma apertada espiral deixando exposto apenas o seu exoesqueleto, e a secreção de um líquido irritante por poros do seu corpo. Este líquido pode ser nocivo se se introduzir nos olhos ou na boca.[3]

Normalmente podem observar-se pequenos ácaros trepando pelo seu exoesqueleto e entre as suas patas, com as quais os milípedes têm uma relação mutualista.[4]

Referências

  1. Mark Carwardine (2008). «Centipedes and millipedes». Animal Records. [S.l.]: Sterling Publishing Company. pp. 216–217. ISBN 978-1-4027-5623-8 
  2. a b R. L. Hoffman (2000). «Millipedes». In: Neil D. Burgess; G. Philip Clarke. Coastal forests of Eastern Africa. [S.l.]: IUCN. ISBN 978-2-8317-0436-4 
  3. a b «Giant African Millipede». Oakland Zoo. Consultado em 18 de abril de 2017. Cópia arquivada em 18 de março de 2017 
  4. «Giant African Millipede» (PDF). Rosamond Gifford Zoo. 3 de janeiro de 2006. Consultado em 13 de abril de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 28 de maio de 2016