Argentina e as armas de destruição em massa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Argentina tem uma história com o desenvolvimento de armas de destruição em massa. De acordo com o Processo de Reorganização Nacional, Argentina iniciou um programa de armas nucleares no início de 1980, e foi extinta quando a democracia foi restaurada em 1983.

Sistema de mísseis[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 80, foram desenvolvidos os dois mísseis Alacrán e Cóndor 2. O Cóndor 2, com um alcance de cerca de 1.000 km, teria sido desfeito durante a administração de Menem sob pressão do governo dos Estados Unidos. O estado atual do Alacrán permanece desconhecido.

Armas químicas[editar | editar código-fonte]

Argentina aderiu ao Protocolo de Genebra em 12 de maio de 1969, tem sido ativo nos esforços de não-proliferação, ratificou a Convenção sobre as Armas Biológicas em 1979 e da Convenção de Armas Químicas em 2 de outubro de 1995.

Em setembro de 1991, a Argentina, juntamente com o Brasil e o Chile, assinaram a Declaração de Mendoza, o que compromete os signatários a não usar, desenvolver, produzir, adquirir, estoque, ou de transferência direta ou indiretamente, de armas químicas ou biológicas.

Armas nucleares[editar | editar código-fonte]

Argentina realizou um programa de pesquisa de armas nucleares durante o regime do Processo de Reorganização Nacional. Oficiais do governo no momento confirmado, em novembro de 1983, que a pesquisa realizada em reator de pesquisa do Instituto Balseiro tinha rendido a capacidade de enriquecimento de urânio para armas.[1] O programa foi abandonado, no entanto, logo após o retorno da democracia, em 10 de dezembro de 1983. Em 1991, os parlamentos da Argentina e do Brasil ratificaram um acordo bilateral de inspeção que criaram a Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC) para verificar as promessas de ambos os países para usar a energia nuclear apenas para fins pacíficos. Em 10 de fevereiro de 1995, a Argentina aderiu ao Tratado de Não-Proliferação Nuclear como um Estado sem armas nucleares. Argentina continua a usar a energia nuclear em funções não-militares, e é conhecido como um exportador de tecnologia nuclear de uso civil.

Em 2010, o governo anunciou que iria começar a trabalhar na criação de um submarino nuclear.[2] Esses tipos de submarinos só usam energia atômica para a propulsão. O anúncio foi muito criticado por políticos dos partidos de oposição.[3]

De acordo com os três decretos presidenciais de 1960, 1962 e 1963, a Argentina forneceu cerca de 90 toneladas de yellowcake (óxido de urânio) para Israel para abastecer o reator de Dimona, criando o material físsil para primeiras armas nucleares de Israel.[4]

Referências

  1. National Geographic. agosto de 1986. p.243.
  2. Promete Garré que se construirá un submarino nuclear en el país (em espanhol)
  3. La oposición, entre las duras críticas y la ironía (em espanhol)
  4. "The Israel-Argentina Yellowcake Connection", National Security Archive, George Washington University, 25 de junho de 2013. Página visitada em 2 de novembro de 2013.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]