Ari Parreiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.


Ary Parreiras
Ary Parreiras
Interventor no Rio de Janeiro
Período 16 de dezembro de 1931
até 7 de novembro de 1935
Antecessor Pantaleão Pessoa
Sucessor Newton Cavalcanti
Dados pessoais
Nascimento 17 de outubro de 1890
Niterói, Rio de Janeiro
Morte 9 de julho de 1945 (54 anos)
Niterói, Rio de Janeiro
Profissão militar

Ary Parreiras (Niterói, 17 de outubro de 1890 — Niterói, 9 de julho de 1945) foi um militar e político brasileiro.

Sentou praça na Marinha do Brasil em 1907, quando se matriculou no curso de máquinas da Escola Naval. Foi guarda-marinha da Turma de 1911. Na Primeira Guerra Mundial, foi alocado na Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG), embarcando no Contratorpedeiro Piuahy. Foi um oficial atuante nos preparativos da Revolução de 1930, a ponto de ter sido considerado desertor. Ficou preso na ilha de Trindade com Eduardo Gomes, Juarez Távora, Osvaldo Aranha entre outros amigos. Durante o período da Revolução, estavam aprisionados na Fortaleza de Santa Cruz da Barra, em Niterói, Juarez Távora, Alcides de Araujo, Estillac Leal. Ary Parreiras saiu com sua baleeira do clube de Regatas Icaraí, remando até a Fortaleza, rendeu o sentinela e resgatou seus companheiros. Esse foi o único caso de fuga da Fortaleza de Santa Cruz da Barra, ocorrida em 28 de fevereiro de 1930. Esse fato valeu a seu então comandante, Mascarenhas de Morais, sua transferência punitiva. Com a chegada de Getúlio Vargas ao poder foi anistiado e ainda naquele ano foi nomeado oficial de gabinete do Ministro da Marinha.

Integrou ainda o chamado "gabinete negro", formado por oficiais "tenentistas" que se reunia com Vargas logo após a Revolução para discutir o futuro do governo e fiscalizar a implantação das medidas preconizadas por ela.

Ary Parreiras era um homem de tanta influência, que uma carta de Luiz Carlos Prestes para Roberto Sissom dizia: Temos que tentar tê-lo do nosso lado, assim, teremos toda marinha brasileira.

Em 16 de dezembro de 1931 foi exonerado do gabinete da Marinha para ocupar o cargo de interventor federal no estado do Rio de Janeiro. Governou o estado realizando grandes obras, tais como escolas, abrindo estradas, construindo pontes por todos os municípios. Permaneceu até 7 de novembro de 1935 quando deixou a interventoria e voltou ao serviço ativo na Marinha.[1] Durante à segunda guerra mundial, vai para Natal com à esposa Aracy Sardinha Parreiras e os filhos Luiz Carlos, Eduardo, Mario e Ary. Onde passa a morar, construir e comandar a Base Naval de Natal, hoje chamada Base Almirante Ary Parreiras. A marinha homenageou pelo seus grandes feitos, batizando um navio com o seu nome.

No seu enterro, acompanharam seu funeral a pé, uma verdadeira multidão, da rua Lemos Cunha em Icaraí até o cemitério do Maruí, no Barreto. Após sua morte foi homenageado por amigos, com uma estátua em corpo inteiro, feita pelo escultor Onório Peçanha primo do seu grande amigo Celso Peçanha. Esse monumento está situado na praia de Icaraí, na cidade de Niterói. família: Era sobrinho do pintor Antônio Parreiras. Irmão do pintor Edgar Parreiras, da educadora Ayde Parreiras, do desembargador Atayde Parreiras.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha - Histórico de Navios, consulta feita em 12 de dezembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Pantaleão Pessoa
Interventor no Rio de Janeiro
16 de dezembro de 1931 - 7 de novembro de 1935
Sucedido por
Newton Cavalcanti


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. LACOMBE, Lourenço Luiz. Os chefes do Executivo Fluminense. Petrópolis, RJ : Museu Imperial, 1973.