Arnaldo Niskier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Arnaldo Niskier Academia Brasileira de Letras
Nascimento 30 de abril de 1935 (79 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Jornalista, professor e escritor

Arnaldo Niskier (Rio de Janeiro, 30 de abril de 1935) é um jornalista, professor e escritor judeu[1] brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Mordko Majer Niskier e Fany Niskier, que imigraram para o Brasil.

Formado em pedagogia na década de 1960, com doutorado nesta área. Exerceu o magistério superior de história e filosofia da educação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), aposentando-se em 1995.

Teve ainda diversos outros cursos, participando de diversas associações e entidades pedagógicas, literárias e culturais.

Arnaldo Niskier é acadêmico correspondente da Academia das Ciências de Lisboa.[2]

Atualmente, é Presidente do Conselho de Administração do Centro de Integração Empresa-Escola do Rio de Janeiro – CIEE Rio.[3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Como escritor, suas obras versam sobre temas os mais variados, mas é na Educação e Literatura infantil que se destacam.

"Questões vestibulares", "Problemática da educação brasileira", "Formas dinâmicas da Universidade", "Formas dinâmicas da administração", "Por uma política de Ciência e Tecnologia", "Administração escolar", "Brasil Ano 2000", "Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento", "O Impacto da Tecnologia", "A Nova Escola: reforma de ensino de 1.o e 2.o graus", "O uso de tecnologias educacionais na formação e aperfeiçoamento do magistério", "Educação, para quê?", "O homem é a meta", "Vovó viu a uva: simplicidade é o primeiro passo para melhorar o ensino", "Educação é a solução", "Conceitos sobre Educação e Cultura", "Educação e cultura na Imprensa", "Educação para o trabalho", "Educação e cultura: da teoria à prática", "A nova educação: entre o coração e a máquina", "Administração da escola: uma gerência inovadora", "Educação para o Futuro", "Ensino à distância: uma opção", "Por uma política nacional de educação aberta e à distância", "A escola acabou?", "A informática na educação", "A hora do superdotado", "Educação brasileira: 500 Anos de história (1500-2000)", "Dicionário de Educação", "Qualidade do ensino", "S.O.S. Educação: sugestões para a virada do século", "Questões práticas de Língua Portuguesa", "Filosofia da educação: uma visão crítica", "Sabedoria Judaica", "A tragédia do ensino público, Educação e Outras Crônicas", "Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: uma visão crítica", "Qualidade do Ensino: a grande meta", "Rumos da Educação Brasileira", "Na ponta da língua: 600 questões práticas de Língua Portuguesa", "A árvore da educação", "Maria da Paz", "Frente a Frente", "Amor à vida", "Shach; as lições de um sábio", "A educação da mudança", etc.

Literatura infanto e juvenil "A constituinte da Nova Floresta", "O saruê astronauta", "A misteriosa volta dos dinossauros", "O boto e o raio de sol", "O dia em que o mico-leão chorou", "Deu pé a bronca do jacaré", "O mamute que veio do frio", "A vingança do gato siamês", "A coragem da tartaruga careta", "Sinto saudade", "A vaca foi pro brejo", "Aventuras do curupira", "Uma aventura no pantanal", "Escola dos bichos", "A forra do boi", "Maria Farinha", "O tesouro da Icamiaba", "O sonho do pombo-correio", "A república das saúvas", "Chapada: um mistério do outro mundo", "A culpa do gato", "Quem nasceu primeiro?", "Ióssele e a pedra mágica", "O jacaré, o papo e o truque", "O gavião ferido", "O boto e a bota", "Ianomâmis: um destino trágico", "A arara e o céu azul", "Quem ganha da ariranha", "Liberdade para as araras azuis", "Quando as aves se amam", "Uma incrível viagem a Marte", "A revolta dos vaga-lumes", "O grito do Guarapiranga", "Educação para o trânsito", "O drama das baleias cinzentas", "Bafafá no reino dourado", "Sonho maluco".

E muitas outras obras de co-autoria.

Lorbeerkranz.pngAcademia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Eleito em 22 de março de 1984 para a Academia, ocupando a cadeira 18, que tem por patrono João Francisco Lisboa, da qual é o sétimo ocupante. Foi recebido por Rachel de Queiroz.[4]

Referências

  1. Grande Templo Israelita. Página visitada em 20 de Abril de 2012.
  2. Classe de Letras: Correspondentes Brasileiros. Academia das Ciências de Lisboa. Página visitada em 2012-02-01.
  3. CIEE – Arnaldo Niskier. CIEE Rio. Página visitada em 2014-05-15.
  4. Academia Brasileira de Letras: Arnaldo Niskier. Academia Brasileira de Letras. Página visitada em 20 de Abril de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Peregrino Júnior
Lorbeerkranz.png ABL - sétimo acadêmico da cadeira 18
1984 — atualidade
Sucedido por


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.