Arquidiocese de Benevento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Arquidiocese de Benevento
Archidiœcesis Beneventana
Localização
País Itália
Território Arcidiocesi di Benevento.png
Dioceses sufragâneas Ariano Irpino-Lacedonia, Avellino, Cerreto Sannita-Telese-Sant'Agata de' Goti, Montevergine, Sant'Angelo dei Lombardi-Conza-Nusco-Bisaccia
Estatísticas
População 268 600
264 600 católicos (2 017)
Área 1 691 km²
Paróquias 116
Sacerdotes 213
Informação
Rito romano
Criação da diocese século I
Elevação a arquidiocese 26 de maio de 969
Catedral Catedral de Santa Maria de Episcopio
Padroeiro São Bartolomeu, o Apóstolo
Governo da arquidiocese
Arcebispo Felice Accrocca
Jurisdição Arquidiocese Metropolitana
Contatos
Página oficial www.diocesidibenevento.it
dados em catholic-hierarchy.org

A Arquidiocese de Benevento (Archidiœcesis Beneventana) é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica situada em Benevento, Itália. Seu atual arcebispo é Felice Accrocca. Sua é a Catedral de Santa Maria de Episcopio.

Possui 116 paróquias servidas por 213 padres, abrangendo uma população de 268 600 habitantes, com 98,5% da dessa população jurisdicionada batizada (264 600 católicos).[1]

História[editar | editar código-fonte]

Apenas por cerca de quatro séculos foi verificado que a Igreja Beneventana teve origem apostólica.

O escritor eclesiástico de Benevento, Mario La Vipera, arquidiácono da Metropolitana, no Catalogus Sanctorum Ecclesiae Beneventanae (1635) e na Chronologia episcoporum et archiepiscoporum Metropolitanae ecclesiae beneventanae (1636), afirma que, antiqua traditione et ex maiorum nostrorum traditione o primeiro bispo foi São Fotino, grego, enviado por São Pedro no ano 40. No entanto, nem todos os bispos transmitidos ex antiqua traditionale têm um fundamento histórico e documental.

O ordinário de Benevento Landolfo foi o primeiro a receber o título de arcebispo metropolitano com a bula Cum certum sit do Papa João XIII de 26 de maio de 969.[2] O arcebispo gozava de privilégios particulares: selava seus diplomas com um carimbo de chumbo , como é o caso na Cúria Romana, e como o próprio pontífice, ele usava o camauro e tinha suas visitas procedentes do Santíssimo Sacramento. Essas regalias cessaram no ano de 1466, com o arcebispo Niccolò Piccolomini e sob o Papa Paulo II.

Com o tempo, a arquidiocese teve até 32 dioceses sufragâneas. Depois, os bispos sufragâneos foram reduzidos a 24, no início do século XII ou melhor, no Concílio provincial de Ugone Guidardi em 1374, visto que estão gravados na porta de bronze da catedral de Benevento.

Nesta vasta região eclesiástica, que se estendia do Tirreno ao Adriático, juntavam-se as aldeias de cinco províncias: Benevento, Caserta, Campobasso, Foggia e Avellino, de forma que quase representa o ducado de Benevento, após a cisão das de Salerno e de Cápua. As dioceses sufragâneas foram então reduzidas a treze, que permaneceram assim até o final da Segunda Guerra Mundial.

Dois cardeais, arcebispos da cidade, ascenderam ao trono papal: Paulo III e Bento XIII.

Prelados[editar | editar código-fonte]

Bispos[editar | editar código-fonte]

  • São Gennaro † (? - 305)
  • Teofilo † (mencionado em 313)
  • São Doro I (?) † (320)
  • Santo Apollonio † (326)
  • São Cassiano (?) † (340)
  • São Gennaro II † (mencionado em 343/344)
  • Liniano I † (369)[3]
  • Santo Emilio † (antes de 406 - depois de 407)
  • São Giovanni I ? † (415 - 448)[4]
  • Doro II † (mencionado em 448)
  • São Tammaro † (465)
  • São Sofio † (490)[5]
  • Epifanio † (antes de 492/496 - depois de 499)
  • Felice I (?) † (520)
  • São Marciano † (533)[6]
  • São Zózimo † (543)[7]
  • Felice II † (585)
  • Liniano II † (591)[3]
  • David I † (600)[8]
  • Barbaro † (602)
  • Alfano † (615)
  • Ildebrando]† (652 - 663)
  • São Barbato † (663 - 682)
  • Beato Giovanni II † (684 - 716)
  • Totone † (mencionado em 733)
  • Monoaldo † (mencionado em 743)
  • Giovanni III † (mencionado em 748)
  • David II † (cerca 781/782 - 796)[9]
  • Gutto †
  • Orso † (mencionado em 831 e em 839)[10]
  • Ermerisso † (antes de 839 - 845)
  • Giovanni IV † (845 - ?)
  • Giovanni V † (852 - ?)
  • Aione † (871 - 886)
  • Pietro † (887 - 914)
  • Giovanni VI † (914 - 928)
  • Giovanni VII † (928 - 956)
  • Landolfo I † (956 - 969)

Arcebispos[editar | editar código-fonte]

Referências e informações

  1. Dados atualizados no Catholic Hierarchy
  2. A bula é reportada em Cappelletti, op. cit., pp. 59-63.
  3. a b Uma história hagiográfica medieval refere-se à transferência das relíquias de São Modesto para Benevento em 591, com a aprovação de Gregório Magno, na época do duque Arechi II ( sic ) e do bispo Liniano huius nominis secundo, ou seja, o segundo com este nome (Acta Sanctorum octobris, vol. I, pp. 326-327, nº 6). Segundo Lanzoni, por haver um bispo Liniano II, um Liniano I também foi incluído na cronologia de Benevento, atribuída sem qualquer fundamento ao ano 369. Ambos estes bispos, no entanto, segundo o mesmo autor, são suspeitos "pela qualidade do documento de onde provêm"(Lanzoni, Le diocesi d'Italia dalle origini al principio del secolo VII (an. 604), vol. I, pp. 257-258).
  4. Nos catálogos episcopais tradicionais de Benevento de Mario de Vipera e Pompeo Sarnelli (século XVII), o bispo Giovanni I é colocado na primeira metade do século V. No entanto, deve ser identificada com Giovanni II, mais corretamente inserido por outros autores entre os séculos VII e VIII, depois de São Barbato.
  5. A vida de santo Cadoc, apelidado em gaélico de doeth, que significa o sábio, monge, abade e bispo galês e, escrito na segunda metade do século XI, diz que a certa altura o abade Cadoc foi nomeado bispo de Beneventum, provavelmente identificado com Bannaventa, uma cidade fortificada de Britânia no condado inglês de Northamptonshire. Segundo Lanzoni, esta lenda hagiográfica está na origem de São Sofio, bispo de Benevento; o nome deriva da tradução grega do termo "sábio", sophia, apelido do santo. (Lanzoni, Le diocesi d'Italia dalle origini al principio del secolo VII (an. 604), vol. I, pp. 260-261).
  6. O nome deste bispo derivaria do lendário Passio Placidi et sociorum, falso histórico de Pietro Diacono, em que é dito que o discípulo de São Bento, enviado para a Sicília, parou em Benevento, recebido pelo Bispo Marciano. De Vipera atribui o ano 533 a ele. Acta Sanctorum ordinis S. Benedicti, vol. I, Parigi 1668, p. 59. Pietro Diacono, Dizionario biografico degli italiani, vol. 83, 2015.
  7. A existência deste santo não é atestada por nenhum documento antigo; De Vipera (Chronologia episcoporum et archiepiscoporum metropolitanae ecclesiae Beneventanae, Napoli 1636, pp. 22-23) o atribui ao ano 543, mas sem qualquer fundamento histórico sólido; esses dados se repetem nas sucessivas listas dos bispos de Benevento. Em Benevento a sua festa foi celebrada a 17 de outubro. Lanzoni acredita que pode realmente ser são Sóssio, presente no Martirológio Jeronimiano em 16 de outubro, cujo nome aparece na forma Sosso ou Zosimo e vinculado à figura de São Januário. Giovanni Mongelli, v. Zenone (Zosimo) di Benevento, em Bibliotheca Sanctorum, vol. XII, 1969, coll. 1473-1474.
  8. Segundo a cronotaxia tradicional, teria consagrado a catedral de Benevento na época de Arigis I (ca. 591-641). Segundo Lanzoni, esse David nunca existiu; seria de fato a cisão do bispo David, documentada no século VIII, que consagrou a igreja de Santa Sofia na época de Arigis II (758-787).
  9. Luca Bellingeri, Davide, vescovo di Benevento, Dizionario biografico degli italiani, vol. 33, 1987.
  10. Este bispo é historicamente documentado em duas ocasiões: em 831, ele foi o destinatário de uma carta do monge Ildemaro (Monumenta Germaniae Historica, Epistolae, V, p. 320, nº 15): em 839 consagrou a capela de San Bartolomeo da catedral. Presume-se que seu episcopado durou de 831 a 853 (provável ano de consagração de Aione), com a exclusão dos improváveis Ermericco, Giovanni IV e Giovanni V. Giuseppe Gianluca Cicco, La scuola cattedrale di Benevento e il vescovo Urso (secolo IX), in Rivista di storia della Chiesa in Italia, 2 (2006), pp. 341-373.
  11. Giovanni Araldi, Roffredo, Dizionario biografico degli italiani, vol. 88, 2017.
  12. Umberto Longo, Landolfo,Dizionario biografico degli italiani, vol. 63, 2004.
  13. Giovanni Araldi, Roffredo, Dizionario biografico degli italiani, vol. 88, 2017.
  14. Stefano Palmieri, Enrico, Dizionario biografico degli italiani, vol. 42, 1993.
  15. Francesco Panarelli, Lombardo da Piacenza, Dizionario biografico degli italiani, vol. 65, 2005.
  16. Documentado pela primeira vez como bispo eleito em setembro de 1179. Giancarlo Andenna, Gli arcivescovi di Benevento, la tiara e l'imitazione della simbologia del papato: tra equivoci "involontari" e strategie di legittimazione, em Rivista di storia della Chiesa in Italia, 2 (2005), p. 366.
  17. Norbert Kamp, Capoferro, Dizionario biografico degli italiani, vol. 18, 1975.
  18. Rafael Lazcano, Episcopologio agustiniano, Guadarrama (Madrid), Agustiniana, 2014, vol. I, 613-632.
  19. Marcello Simonetta, Griffi Leonardo, Dizionario biografico degli italiani, vol. 59, 2002.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquidiocese de Benevento