Arquivo Edgard Leuenroth

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Arquivo Edgard Leuenroth é um Centro de Pesquisa e Documentação Social fundado a partir da aquisição, por parte da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP),e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) da coleção de documentos impressos reunidos por Edgard Leuenroth para constituir um centro de documentação que possibilitasse acesso às fontes primárias necessárias aos trabalhos do então recém criado programa de pós-graduação do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (Ifch) da Unicamp.[1]

Durante alguns meses ele esteve resguardado no prédio da reitoria desta universidade para em seguida ser transferido para as dependências da biblioteca do IFCH, até seu estabelecimento em um local adequado e próprio, com a inauguração de uma nova sede, em 2009. Pertencente ao Instituito de Filosofia e Ciências Humanas desta universidade, desde 1974 vem cumprindo seus objetivos de atender a demanda acadêmica e preservar registros históricos da sociedade.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em reconhecimento à sua admirável trajetória como militante anarquista e como jornalista da imprensa operária, o arquivo fundado em 1974 manteve o nome de seu patrono, mesmo objetivando a guarda e acesso à documentação oriundas de outras fontes e coleções.

A diversidade e a amplitude do seu acervo documental fizeram com que o AEL se tornasse uma fonte imprescindível de consulta para numerosos pesquisadores. Além do apoio direto aos cursos de graduação e aos programas de pós-graduação de diversas universidades e centros de pesquisa do país, o AEL é hoje reconhecido pela comunidade científica, atende quantidade apreciável de solicitações de escolas, sindicatos e órgãos de imprensa, além da demanda crescente de consultas por parte de advogados, jornalistas, artistas e produtores, sindicalistas, políticos e familiares de presos políticos.

Além do acervo que o originou, recebeu outros tantos ligados à história social, política e cultural do Brasil e da América Latina, tais como: história do trabalho e da industrialização, do movimento operário, da esquerda, dos partidos políticos, da cultura e dos intelectuais, da questão agrária, dos direitos humanos e justiça, da imprensa, da opinião pública, dos movimentos sociais, da saúde e da antropologia. Nos últimos anos, o Arquivo incorporou documentos referentes a novas temáticas, como a história da colonização na América, Ásia e África, expressando o desenvolvimento e a diversidade das pesquisas no Ifch/Unicamp.[2]

O acervo do AEL é composto por livros, folhetos, manuscritos, revistas, jornais, registros fotográficos, discos, postais, cartazes, além de fitas de áudio em cassete e em rolo, vídeos, películas cinematográficas, CDs, DVDs e microformas.

Revista academica[editar | editar código-fonte]

O AEL publica desde 1992 sua revista acadêmica ‑ Cadernos AEL ‑; desde 1999, o Boletim do Arquivo Edgard Leuenroth: o AEL via Internet e o Catálogo de Resumos: teses e dissertações: pesquisas no acervo do Arquivo Edgard Leuenroth, além de editar regularmente inventários, guias de fontes e outros instrumentos de pesquisa. O usuário pode contar também com um instrumento de pesquisa on-line (Pesquisarqh) para acessar o acervo da instituição e conhecer, de antemão, se os documentos existentes serão úteis para sua pesquisa.[1]

Referências

  1. a b «Arquivo Edgard Leuenroth – Centro de Pesquisa e Documentação Social». Diretório Brasil de Arquivos. Consultado em 16 de maio de 2018. 
  2. «Arquivo Edgard Leuenroth – Arquivo Edgard Leuenroth». Biblioteca Virtual da FAPESP. Consultado em 16 de maio de 2018. 

Links[editar | editar código-fonte]